Notícias em destaque

Nesta segunda-feira em Criciúma tem debate

commentJornalismo access_time20/09/2020 08:33

Candidatos a prefeito de Criciúma participam de debate às 7h30min

Gaidzinski é 6o na Porsche Cup

commentEsporte access_time20/09/2020 22:00

Categoria realizou a primeira, de três etapas do campeonato de endurance

Tigre perde em Erechim por 2 a 0

commentCriciúma EC access_time20/09/2020 18:05

Além da derrota, o Time Carvoeiro perdeu a invencibilidade na Série C

FUTEBOL, NEGÓCIO MALTRATADO

Texto de Willi Backes

comment Esporte access_time08/09/2020 - 16:00

São nos grandes conflitos bélicos ou sociais que surgem os também grandes dilemas. Dentre a massa ignara emergem lideranças com decisões que visam o próprio usufruto ou, com perspectiva para buscar o bem coletivo.
Há muitos meses o Brasil, como boa parte do planeta, está sob o jugo da pandemia viral COVID 19. Palpites e decisões leigas de toda ordem e inconsistência. Repugna o desempenho especulador da Organização Mundial da Saúde OMS, que mais desorienta e especula do que ocupa posição de referência. As organizações médicas também claudicam, pouco reportam conhecimentos e experiências, muitos procedimentos já comprovadamente eficientes.

A SONFONA DO ABRE E FECHA, ABRE E FECHA.
Felizmente, aparentemente e segundo a necessidade da alimentação urbana, o vírus não foi na lida do campo e pecuária. O agronegócio não parou e está garantindo a sobrevivência econômica e social do Brasil. Na mesma toada, os mercados, supermercados hipermercados e farmácias mantiveram respectiva atividade econômica. A indústria nacional fez os ajustes necessários.
Restou para os shopping’s, comércio, varejo em geral, prestação de serviços e transportes pagar o saldo negativo. Abre e fecha. Fecha e abre com horários reduzidos, o que facilita a aglomeração, nada mais que uma decisão estúpida. Organizar e promover eventos sociais, feiras e exposições, virou chave de porta de cadeia. Pra entrar.

INCOERÊNCIA FUTEBOLÍSTICA.
O futebol profissional voltou. O futebol amador, não. Esse só voltará se cumprir um rosário de besteiróis. Os profissionais voltaram devido a tímida manifestação dos clubes e principalmente, para atender os interesses da mídia para preencher grade de programação.
Inacreditável é perceber a inexistência do debate para que ocorra o retorno do público aos estádios. Os veículos de comunicação não se manifestam favoráveis ao retorno do público por única e exclusiva razão. Torcida em casa aumenta venda de pacotes das transmissões, maior audiência nas TVs e emissoras de rádio, mais leitura dos jornais ainda existentes.

Definitivamente não há lugar público mais seguro e possível de controle sanitário do que um estádio de futebol. Nos poucos acessos, verificação do uso de máscara, uso de álcool e gel no acesso e saída, venda proporcional de ingressos com a capacidade do estádio, medição da temperatura corporal, recomendação da não frequência dos grupos de risco - idosos e acometidos de comorbidades.
O futebol profissional e respectivas entidades organizadoras, continuam sendo gestores de um circo, agora sem público presencial. O que é ordem unida hoje, poderá ser falta de hábito amanhã.

Reportagem: Redação Eldorado

content_copyAssuntos relacionados

Mais notícias de Esporte

Gaidzinski é 6o na Porsche Cup

commentEsporte access_time20/09/2020 22:00

Categoria realizou a primeira, de três etapas do campeonato de endurance

Seleção convocada para primeiros jogos das Eliminatórias

commentEsporte access_time18/09/2020 12:45

Amarelinha entra em campo em outubro, Brasil enfrenta Bolívia (9) e Peru (13)

Tite convoca a Seleção Brasileira nesta sexta-feira

commentEsporte access_time18/09/2020 08:15

Lista será divulgada às 12h30 no site da CBF

Brusque é derrotado no confronto de ida da Copa do Brasil

commentEsporte access_time17/09/2020 08:25

Jogando no Estádio Augusto Bauer, o Bruscão perdeu por 2 a 0 para o Ceará

Libertadores retorna nesta terça-feira (15)

commentEsporte access_time15/09/2020 08:00

Duas equipes brasileiras voltam a campo hoje