Notícias em destaque

  Beto Cardoso e Fê Smânia lançam música com reflexões positivas

commentJornalismo access_time25/09/2020 15:15

“Para pra Pensar” está disponível em todas as plataformas e terá clipe lançado no YouTube

Reunião sobre a volta do público nos estádios

commentEsporte access_time25/09/2020 11:00

Maioria se manisfestou favorável, o tema voltará a ser debatido em reunião futura

Tigre enfrenta o São José no Majestoso

commentCriciúma EC access_time25/09/2020 07:30

Confronto acontece às 20h válido pela oitava rodada da competição

A eleição do Tita e o recado ao vice-prefeito

access_time09/01/2020 - 00:23

Seria apenas uma sessão extraordinária com eleição de nova Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Criciúma não fosse o gesto de três vereadores do PSD. Assim que iniciou a votação – que é nominal e aberta – Salésio Lima, Camila do Nascimento e Zairo Casagrande – se retiraram. Os demais 14 vereadores votaram na chapa única: Tita Beloli (presidente), Aldinei Potelecki (vice-presidente), Paulo Ferrarezi (primeiro-secretário) e Edson Luiz do Nascimento (segundo-secretário). Os ausentes, antes de saírem e em sala fechada, deixaram claro que nada têm contra Beloli.
Mais cedo eu havia sido informado pelo vereador Zairo Casagrande que os três não participariam da eleição. E o recado mais tarde confirmado foi claro: o problema não está na Câmara e sim no Executivo. Há insatisfação com o prefeito e ela é maior com o vice-prefeito. E não é por alguma atitude específica, mas porque estes vereadores se dizem portadores de movimentos internos do PSD que não aceitam o que consideram a privilegiada posição de Ricardo Fabris.
Para entender o enredo é necessário retornar aos tempos da eleição de 2016, quando Fabris foi “escalado” candidato a vice-prefeito por Clésio Salvaro. Na ocasião ele estava no PSDB e provocou reações adversas na sigla. Após a eleição ele saiu do partido tucano e foi para o PSD, onde já havia feito ensaio de entrada antes. Se disse, à época, que Clésio aceitou a indicação por fidelidade ao amigo Júlio Garcia que mais tarde buscou Fabris de volta ao PSD.
E segue o roteiro: mesmo com o cargo de vice-prefeito a inserção de Fabris no PSD só teria sido aceita por força do deputado estadual Júlio Garcia. Hoje o que há é um explícito movimento que tenta sacar Fabris da lista de prioridades do partido para composição de nova chapa de reeleição com Clésio Salvaro.


Nas linhas e entrelinhas do debate

 personJoão Paulo Messer
access_time21/09/2020 - 12:22

Não é privilégio de Criciúma, desde os tempos em que as redes sociais passaram a nortear as principais discussões, temos debates como o realizado na manhã desta segunda-feira em Criciúma. Os candidatos visivelmente mais preocupados em alfinetas que possam receber ou dar do que em oferecer uma verdadeira inovação à gestão da cidade.
Foi assim que vi o debate que tive o privilégio de mediar, nesta segunda-feira (21) em Criciúma. Para as torcidas me parece ter sido um debate menos morno do que se poderia esperar. Para quem espera algo impactante em relação a cidade deixou a desejar. Os candidatos parecem ter detectado entre os eleitores que leva a melhor quem “lacrar”.
Fiquei com saudades dos tempos em que a gente saia do debate disposto a questionar como seria viabilizada aquela promessa, como foi no início da década passada quando um candidato anunciou gerar 10 mil empregos na cidade.
Me pareceu evidente que o candidato Clésio Salvaro mirou no candidato petista Chico Baltazar, enquanto especialmente Chico e Júlia carregaram mais a artilharia mirando no prefeito candidato à reeleição. Logo de cara ficou evidente que Chico, Anibal, Minotto e Júlia enxergam em si a possibilidade de “acertar” o prefeito. Tanto é que parecia até tabelinha ensaiada. Creio que seja apenas coincidência e de um raciocínio lógico a ser feito.

ANÍBAL – Dos candidatos de oposição mostrou ser quem melhor conhece a cidade e ensaio uma proposta no fomento tecnológico, mas fez a defesa mais em tom de consultório médico do que de uma mesa de conflito de gestão como é a cadeira de prefeito.

CHICO – Como todo petista sempre que pode invoca a idolatria ao ex-presidente e traz à lembrança o governo reeleito – mas cassado – Décio Góes. Parece confortável em relação à fidelidade do seu eleitorado e conhece de onde pode vir voto e de onde não virá.

CLÉSIO – Diferente de campanhas anteriores parece ter caído na tentação gerada pelas redes sociais e dispensa relação de feitos pela cidade, enquanto usa expressões mais compreensíveis entre candidatos de oposição.

COSME – Seguro como todo militar demonstra imunidade à tentação das picuinhas e invoca a sua experiência como gestor da segurança pública para sugerir a mesma tenacidade em outros setores. Por outro lado, parece pouco valorizado pelos demais oposicionistas.

EDERSON – Tem o perfil do PSTU sem perder o nível do debate. Revela que mesmo aqueles até então desconhecidos conhecem bem mais a cidade do que alguns que já se apresentaram bem mais cedo à disputa. É ponderado.

JÚLIA – Mantém seu estilo contundente na hora de “estocar”, especialmente o prefeito atual. Ainda não revelou, como os demais, um texto claro em termos de proposta, senão o da transparência. Segue o padrinho Bolsonaro. Aliás, invocou menos o nome dele do que se esperava.

MINOTTO – Oscila ainda em meio termo no debate sem bater nem apanhar ou mesmo apresentar alguma proposta marcante. Não parece disposto a brigar com ninguém. Confirma a sua condição de franco atirador.

É hora do debate

 personJoão Paulo Messer
access_time20/09/2020 - 17:00

O debate promovido pelo Engeplus e a rádio Eldorado, na manhã desta segunda-feira, às 7h30min, deve ser mais curto e mais intenso do que normalmente são estes encontros. Pelo menos é o que aguardamos. As regras foram criadas para isso. Não haverá pergunta de jornalista ou de entidades – isso deve ocorrer em outro dia na Sabatina dos candidatos. Agora é hora de confrontar proposta de candidatos. Por isso chamamos de debate entre candidatos a prefeito de Criciúma.
O evento começa às 7h30min e deve ter no máximo duas horas.
Todos os sete candidatos confirmaram presença.
Na reunião preparatória foi possível observar preocupação dos assessores com detalhes das regras. Os candidatos devem se reunir com seus assessores neste domingo para tratar das estratégias e desde já relacionar perguntas e respondedores assim como a melhor escolha de quem vai comentar as respostas.

Júlia e Állison farão dobradinha

 personJoão Paulo Messer
access_time17/09/2020 - 08:35

Ao contrário das informaçoes colhidas na capital, ontem no final da tarde, a candidata a prefeita de Criciúma, Júlia Zanatta (PL) assim como o ex-candidato a prefeito e agora candidato a vice dela, Álisson PIres (PSL), negam que tenha havido "determinação" do comando dos partidos para que alinhem. A versão oficial é que ambos conversaram no início da tarde de ontem, ambos estavam sem vice, e chegaram a conclusão de que deveriam coligar. O assunto provocou enorme agitação interna nos dois partidos e pode ter desdobramentos.

Confusão no PL e no PSL em Criciúma

 personJoão Paulo Messer
access_time16/09/2020 - 22:22

Criciúma pode ter entrado no pacote de negociação do governador Carlos Moisés para tentar salvar-se do impeachment. Os partidos em Criciúma foram informados agora à noite que o Carlos Moisés estaria indicando ao PSL que procure o PL para oferecer apoio. Neste cenário lê-se oferecer o vice de Júlia Zanatta destituindo o já aprovado candidato a prefeito Álison Pires. Enquanto em Florianópolis o governador faz tal acordo para receber em troca três votos de deputados e evitar o prosseguimento do processo de imepachment, na base a estremecida. Nem no PL, nem no PSL a informação caiu bem. Os grupos tem severas divergências.

Ricardo Beloli (PSL) coordenador da equipe de candidatos a vereador confirmou que se a direção estadual prosseguir com este indicativo, amanhã haverá uma desfiliação em massa dos candidatos a vereador pelo partido. No PL existem iguais divergências.

PODEMOS

Outra decisão da noite desta quarta-feira é do partido PODEMOS que confirmou o coronel Cosme Manique Barreto candidato a prefeito. O vice deve ser do partido e definido nas próximas horas.

As definições desta segunda-feira de convenções

 personJoão Paulo Messer
access_time14/09/2020 - 21:59

Esta segunda-feira foi cheia de novidades no cenário político. Em Criciúma a grande surpresa do dia foi o anúncio feito pela candidata a prefeita em Criciúma Júlia Zanatta (PL). Ela anunciou através das redes sociais que o seu esposo, Guilherme Colombo, seria o seu candidato a vice. Esta decisão, entretanto, não foi confirmada na convenção da noite, após muitos rumores de insatisfação entre os candidatos a vereador, que procuraram o coordenador regional Márcio Búrigo e até o senador Jorginho Mello, para reclamar. A questão é que o assunto não foi discutido no partido. Guilherme é um dos candidatos a vereador. Sem ele a lista sofre ligeiro prejuízo. Da forma como está, pai e filho, Júlio e Guilherme, aparecem como candidatos a vereador na nominata do partido.

Na convenção desta noite o PL aprovou a lista de candidatos a vereador, entre eles o atual vereador Júlio Colombo, que é sogro de Júlia. Ele concorre com o número 22.045. Não falte quem tenha relacionado o número ao fato dele sempre ter tido uma boa relação com o prefeito Clésio Salvaro.

Os candidatos a vereador pelo PL são: Hugo Nascimento, Húrsula Zanatta, Júlio Colombo, Marta Efrayim, pastor Jair Alexandre, pastror João Carlos, Renato Rovaris, Valdileia, Vinicius Ribeiro, Weslei Raupp, Alexandre Marcolino, Ariani Bertan, Cida Batista, Edinaldo Brasil, Claudio DJ Fusca, Gentil Francisco, Georgia Pelegrini, Márcio Neves, Edivânio Manenti e Celarina.

PDT

Outra definição da noite desta segunda-feira foi a confirmação da candidatura do deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT), que vai disputar a prefeitura de Criciúma. Ele não precisa licenciar-se do cargo na Assembleia Legislativa e tem na interpretação inicial que só tem a ganhar. Em caso de derrota na eleição terá dado a largada para a eleição de prefeito em 2024 em Criciúma e aberto caminho à candidatura de reeleição de deputado em 2022. Minotto terá com ele o PCdoB e o PSB. Deve anunciar nesta terça-feira quem será o seu candidato a vice.

FORQUILHINHA

O ex-prefeito Lei Alexandre confirmou nesta terça-feira à noite a dobradinha com o ex-presidente da Coopera, Carlos Alberto Arns. Esta definição se dá um dia após o principal adversário José Claudio Gonçalves (PSD) confirmar que o seu vice será Valcir Matias, o Chile (PDT) e que o PT do atual vice-prefeito Félix Hofold lhe dará apoio na campanha. No final da tarde de hoje reunião do PSL de Forquilhinha confirmou que o partido terá chapa pura com os empresários Vanir Carlos Nola e Ademir José Rocha, candidatos a prefeito e vice, respectivamente. O PODEMOS confirmou o nome de Juliano Arns de candidato a prefeito e Dino Eyng de vice. Há grande curiosidade sobre os próximos passos do pré-candidato a prefeito Geovane de Godoi.

IÇARA

Içara deve mesmo ter uma eleição tripolarizada. Depois que o MDB definiu chapa com Arnaldo Lodetti Júnior (MDB) candidato a prefeito com Valdelir Darolt (PSDB) de vice, na noite desta segunda-fiera (14) foi a vez de Alex Michels definir a sua vice. Trata-se da jovem líder comunitária do bairro Esplanada, Beatriz Vargas. Agora resta o PP que tem Dalvânia Cardoso candidata a prefeita definir quem ocupará a vaga de vice. Esta definição vai ocorer apenas nesta quarta-feira, último dia das convenções.

A surpresa do dia

 personJoão Paulo Messer
access_time14/09/2020 - 14:22

A bolsonarista Júlia Zanatta (PL) surpreendeu ao divulgar o nome do candidato a vice-prefeito na sua chapa. Na manhã desta segunda-feira (14), pelas redes sociais, a candidata a prefeita em Criciúma confirmou que terá como candidato a vice-prefeito o seu marido Guilherme Colombo (PL). Seus nomes devem ser homologados durante convenção que vai ocorrer na noite de hoje.
Para quem acompanha as redes sociais pode não ter sido surpresa o desfecho, já que no fim de semana Júlia fez algumas postagens ressaltando as virtudes do seu marido.
A divulgação do fato surpreendeu a maioria dos filiados ao PL.

Leitura às convenções em Criciúma

 personJoão Paulo Messer
access_time13/09/2020 - 14:29

PT e PSDB definem chapas

Os dois partidos dão mostras de que tentarão bipolarizar a campanha

Se em âmbito nacional as duas siglas já têm muito mais em comum do que havia, em Criciúma PSDB e PT parecem dispostos a “mirar” um ao outro como alvo preferencial na corrida eleitoral à prefeitura. Isso pode ajudar principalmente o PT.
Francisco Baltazar, o Chico, foi confirmado candidato a prefeito na convenção da manhã deste domingo. O seu vice será o também petista Júlio César Bittencourt. A convenção confirmou ainda 15 nomes candidatos a vereador, entre eles a professor Bárbara Teixeira. O ex-prefeito Décio Góes participou da convenção virtual, mas não disputará nenhum cargo, como chegou a ser cogitado inicialmente.
Participaram da convenção virtual os deputados Paulo Pimenta, do Rio Grande do Sul; a deputada estadual Luciane Carminatti, o deputado federal Pedro Uczai e o presidente estadual do partido o ex-deputado Décio Lima.
Não é de hoje que Chico Baltazar elegeu o seu adversário: o prefeito Clésio Salvaro. Numa das manifestações chegou a dizer-se à disposição do GAECO para qualquer esclarecimento onde ele acha há irregularidades em processos administrativos do atual prefeito. De outro lado Clésio Salvaro sabe que a sua rejeição está no ambiente do eleitorado petista.
Esta flagrante estratégia de ambos é fácil ser observada. O que resta é a dúvida sobre o quanto esta guerra em particular vai atrair de votos de e outro em detrimento dos demais. Com um discurso anti-PT Salvaro imagina atrair inclusive eleitores bolsonaristas, fato que pode interferir no eleitorado da candidata Júlia Zanatta (PL), que é oficialmente apoiada pela família do presidente.

PSDB – O partido tucano realizou a sua convenção neste sábado.

PSD – Atual vice-prefeito Ricardo Fabris foi confirmado mais uma vez vice na chapa com Clésio Salvaro.

PSL – O PSL fez convenção no sábado pela manhã e confirmou o nome do médico Álison Pires candidato a prefeito. A vaga de vice está em aberto. Chama atenção na convenção peesselista a confirmação do nome do vereador Júlio Kaminski na disputa por uma vaga à Câmara de Vereadores. Ele rompeu com o partido, quando foi deposto da presidência. Outro fato relevante é que o advogado Jeferson Monteiro será candidato a vereador, fato que não era considerado até netão.

PL - O PL que vai referendar o nome da bolsonarista Júlia Zanatta candidata à prefeita fará sua convenção na noite desta terça-feira às 19h. A vaga de vice deve sair da convenção do PODEMOS, que possibilidade de ter candidato a prefeito segue sendo analisada. Se tiver chapa pura o PODEMOS escalará o coronel Cosme Manique Barreto com César Faraco de vice. Se for para indicar o vice de Júlia Zanatta, este nome deve ser de Lucas Dalló.

MDB – O nome do médico Anibal Dário será homologado candidato a prefeito pelo MDB durante convenção que vai ocorrer na noite desta terça-feira, às 20h, na sede do partido no bairro Michel. A vice-prefeita da chapa será a professora Lisiane Tuon (DEM).

PDT – O deputado Rodrigo Minotto decide nesta segunda-feira se vai ou não ser candidato a prefeito em Criciúma. Ele contava certa a aliança com o PSL. Isso aconteceria com uma intervenção estadual feita pelo deputado federal Fábio Schichet, presidente estadual do PSL, o que não aconteceu.

A eleição de Criciúma terá de cinco a sete candidatos a prefeito. Acredito que fiquemos em cinco.

PSDB E PSD repetem aliança em Nova Veneza

 personJoão Paulo Messer
access_time02/09/2020 - 17:29

A visita do prefeito Rogério Frigo (PSDB) e o seu futuro aliado na condução do município em caso de vitória nas eleições de 15 de novembro, professor Élzio Milanez (PSD), ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Júlio Garcia (PSD), na tarde desta quarta-feira tem forte peso no cenário eleitoral de Nova Veneza. Estiveram ainda na reunião o atual vice-prefeito Zé Spillere e o ex-Intendente do distrito do Caravággio, Ércio Sávio, Iguaçú.
O simbolismo está no fato do selo dado pelo deputado Garcia à aliança e o peso que a sigla dá à candidatura. Havia uma aposta dos adversários de Frigo de que esta aliança não se consolidasse, fato que pode gerar alguma frustração aos adversários e naturalmente animação a PSDB e PSD.
O fato de ter assegurado que o professor Élzio Milanez fosse o nome do candidato a vice, indicado pelo PSD, é outro aspecto a ser considerado.
De outro lado o PP de Nova Veneza segue buscando o nome para enfrentar Frigo na eleição. O presidente da sigla, Edilson Milanez, o Xinho, ressalta que a sigla está trabalhando forte na construção de boa e forte nominata de vereadores.

As razões para Minotto disputar a prefeitura

 personJoão Paulo Messer
access_time02/09/2020 - 14:59

A fidelidade do deputado Rodrigo Minotto (PDT) a Carlos Moises (PSL) pode render a ele inclusive o apoio da sigla e os recursos do fundo eleitoral do partido do governador, para disputar a prefeitura de Criciúma. A partir daí o parlamentar se dispõe apenas a ampliar o leque de siglas e segmentos aliadas para lançar-se candidato a prefeito em 15 de novembro.
Se isso acontecer, como estão ajustando ele e o presidente estadual do PSL deputado federal Fábio Schiochet, estará feita uma verdadeira implosão no partido, que já tem outro nome pré-definido. O médico Álison Pires não só está escolhido como pré-candidato a prefeito como é o presidente da sigla. Ocorre que neste momento nada é mais importante para o governador, politicamente falando, que evitar o seu impeachment, que é onde entra a fidelidade de Minotto.
Esta cena foi confirmada por Minotto em entrevista hoje pela manhã na rádio Eldorado. A fala provocou reações e deve ter resposta amanhã. O fato é que as coisas no PSL de Criciúma começaram “atravessadas”. Já houve destituição de presidente, substituição de pré-candidato entre outras desautorizações locais, tudo com aval do governador e do presidente estadual da sigla. Pessoas próximas a Schiochet garantem que até agora ele não digeriu a forma como o vereador Júlio Kaminski foi destituído da presidência, embora se sabe que ele foi informado de todos os movimentos.
Minotto não precisa renunciar, nem se licenciar da cadeira de deputado estadual, para disputar a prefeitura. Além disso mesmo uma eventual derrota com boa colocação pavimenta o caminho para sua reeleição de deputado em 2022 e coloca-o na ponta de uma lista de eventuais candidatos à prefeitura em 2024. Para o cenário atual ninguém teria mais a ganhar senão ele. A questão agora é sintonizar muitas pontas ainda desconectadas.

Em Morro da Fumaça serão duas candidaturas

 personJoão Paulo Messer
access_time01/09/2020 - 19:59

A definição do MDB com a candidatura do médico cardiologista Moacyr Luiz de Costa Júnior, o Juninho, não deve ser surpresa para Morro da Fumaça. Se observar bem foi a forma que o partido encontrou de buscar um nome com perfil do “novo” sem descolar do tradicional. Afinal, existe pouco de mais tradicional do que a família do pré-candidato dentro do partido.
Leio como tão natural quanto esta escolha se for mesmo confirmado o nome do empresário Toninho Patrício (PSDB) como candidato a vice. Ele é do setor empresarial e do partido tucano cujos movimentos têm sido intensos na tentativa de dar corpo à sigla tucana no município.
Enquanto isso a chapa já definida do prefeito Nei Coral (PP) e do seu vice Eduardo Guollo (PP) também deve ser interpretada como decorrência natural do processo. Qualquer mexida poderia ser interpretada como divergência interna ou algo do gênero, o que evidentemente não houve.
O fato de ter preterido o nome do vereador Miguel Darolt (PSD) na escolha do vice, em favor de um tucano, me parece ter dois fatores a considerar. O primeiro é o argumento de propor uma chapa totalmente nova, já que Darolt tem trajetória recente e intensa na Câmara. O outro aspecto é a aposta tucana no município de Morro da Fumaça. Outro aspecto a não estranhar é o fato de Darolt divergir do seu partido PSD e apoiar Noi Coral (PP). As veias progressistas e de setores do PSD tem origens parecidas.
Daqui para frente entrarão no cenário político velhas rixas como a influência de outros fatores e de eleições de outros segmentos que não apenas do Executivo municipal. O cabo eleitoral, seja de qual for o lado, pode aguardar porque as vertentes políticas mesmo renovadas e “renomeadas” tendem a fazer jorrar muitas emoções e até acender chamas quase extintas. Preparemo-nos para uma grande disputa. As duas candidaturas têm evidências de que apostam no discurso de uma nova política. Tomara que a prática também seja a de novos atos na campanha e que o jogo seja de alto nível.

Frigo terá Élzio Milanez de vice

 personJoão Paulo Messer
access_time30/08/2020 - 19:59

O PSD confirmou a indicação do professor Élzio Milanez como vice de Rogério Frigo (PSDB) para a chapa de disputa da eleição municipal de novembro em Nova Veneza. Esta era uma das costuras mais aguardadas na política do município. Não só porque assegura a reedição da aliança PSDB/PSD, mas porque revela que os tucanos superaram uma discussão interna que sugeria chapa pura. O próprio PSD tinha divergências internas, chegando a ter quatro nomes à vaga de vice, mas chegou ao consenso antes de iniciar o prazo das convenções partidárias. Este cenário revela que o prefeito chega ao período eleitoral com ajustes feitos, enquanto a sua tradicional oposição com o Partido Progressista ainda discute qual será o nome de candidato a prefeito. O PP espera o resultado de uma pesquisa interna, o que deve ocorrer nesta semana, para avançar na escalação dos times da majoritária e da proporcional (vereadores).

PDT e PL se aproximam em Forquilhinha

 personJoão Paulo Messer
access_time21/08/2020 - 19:59

Anunciado nesta sexta-feira, o namoro de PL e PDT é o fato novo na pré-eleição de Forquilhinha. Não que isso signifique aliança definida. Os dois partidos têm dificuldades, como de resto os demais. O PDT não se livrou totalmente das divergências internas e ainda tem trabalhista defendendo que o candidato seja Valcir Matias, o Chile, embora isso seja tratado pela direção como operação superada. O candidato é Maciel Da Soler e ponto. No PL ronda a sombra do fantasma da elegibilidade de Geovane de Godói, também assunto dado como superado. Fora isso os dois partidos selam suas pré-candidaturas com o carimbo do tão desejado pelo povo eleitor que é o “ser o novo”.
PL e PDT são apenas duas das sete siglas que tem pré-candidatos a prefeito. O PP de Lei Alexandre, o PSD de José Cláudio Gonçalves Neguinho, o PSL de Vanir Nola, o PT de Félix Hoboldt e o PODEMOS do Juliano Arns, também estão no páreo. Forquilhinha é a cidade com mais pré-candidatos na região carbonífera.
PDT e PL conversaram nesta semana e prometem voltar a se reunir na semana que vem.
Se valer a regra antiga das previsões de política, quem define a eleição a seu favor em Forquilhinha é quem escolher o melhor vice. Pasmem, se diz num famoso balcão das redondezas do “Bar do Rude” que até Lei e Neguinho já conversaram sobre isso. Óbvio, isso é impraticável, mas simboliza que tudo pode acontecer.

Minha impressão da candidatura Álison Pires

 personJoão Paulo Messer
access_time18/08/2020 - 11:59

Noutro dia, da semana passada, recebi a visita do pré-candidato a prefeito pelo PSL em Criciúma, o médico Álison Pires. Faz parte da sua agenda de pré-candidato. Em longa conversa, da qual participaram Ricardo Beloli e Marcos Machado, a oportunidade para entender melhor a proposta da candidatura. Visitas informais sempre rendem melhor interpretação do que as entrevistas. Até mesmo alguns “offs” saem nestas horas.

Recolho da conversa a impressão que eu já tinha: Álison tem o desejo de ser prefeito, mas por razões pessoais melhor fosse a ocasião um pouco adiante. As circunstâncias antecipam os fatos. No PSL ele caiu como uma luva, embora eu tenha dúvidas se o inverso é verdadeiro. Ele é ótimo para o partido. Não sei se o PSL é tão bom para ele. Para conhecê-lo candidato, o cidadão não precisa de muito tempo. Jeito sutil na fala, faz o tipo do bom ouvinte e parece não perder a estribeira. Tem na ponta da língua respostas cujas questões irão cair nos debates para prefeito.

Como é óbvio a saúde deve ser o carro chefe da campanha. Abre sorriso quando provocado sobre a possibilidade de ter um vice como o colega médico Aníbal Dário (MDB), que também é pré-candidato a prefeito. É da tese de que a oposição dividida pavimenta a reeleição de Clésio Salvaro, mas não deixa nenhuma impressão de que pode ser vice em alguma coligação, embora isso não tenha sido alvo de pergunta direta.

Afora a Saúde tem uma lista de empresários como Olvacir Fontana, Édio Castagnel, Sanciro Ghislandi de quem ouviu mais do que palavras de incentivos, desde que defenda as propostas destes como a criação de uma secretaria de Desenvolvimento Econômico. Fato aliás que bate em sintonia com o que pensa a respeito do setor econômico.

Por fim, Álison é cirúrgico ao reagir aos prejuízos que possa ter por carregar a sigla do governador Carlos Moisés, cujos desgastes ele justifica com certa facilidade. Mas brilham os olhos quando diz repetidas vezes as frases de Jair Bolsonaro na semana passada, quando o presidente da república admitiu voltar ao PSL.

Assim como foi a conversa com Álison Pires (PSL), pretendo haja outras com os demais candidatos.

Barreto é o sexto pré-candidato a prefeito

 personJoão Paulo Messer
access_time13/08/2020 - 11:11

O último movimento político em Criciúma vem do partido PODEMOS, cuja figura mais conhecida no país é o senador paranaense Álvaro Dias e tem na presidência nacional a deputada federal por São Paulo, Renata Abreu. Em Santa Catarina, a principal liderança é o ex-deputado Paulinho Bornhausen, presidente de honra. A sigla que vinha trabalhando com o nome do jovem, Lucas Dalló anunciou em âmbito local que o nome é do coronel PM da reserva Cosme Manique Barreto. Agora são seis pré-candidatos em Criciúma: Állison Pires (PSL), Aníbal Dário (MDB), Clésio Salvaro (PSDB), Chico Baltazar (PT), Cosme Manique Barreto (PODEMOS) e Júlia Zanatta (PL).

O PODEMOS está mudando mais do que o seu pré-candidato, embora Barreto já figurava nesta condição. Deve alterar a composição de Executiva e o atual presidente Gelson Dagostin deve passar para outra função, enquanto Paulinho Vargas deva ser conduzido à presidência. Lucas Dalló, que foi estratégico na campanha de eleição do deputado federal Daniel Freitas (PSL), sai da condição de pré-candidato a prefeito e passa a ser coordenador Regional Sul do partido.

A candidatura de Barreto tem o aval do senador Álvaro Dias, desde uma conversa que ambos tiveram em Blumenau no ano passado. O mesmo ocorre com a presidente nacional deputada federal Renata Abreu.

Uma das marcas da campanha deve mesmo ser a expressão: “quem comanda um batalhão comanda uma cidade”. O apelo militar remete à simpatia revelada por maioria dos brasileiros aos membros destas corporações.

Fica evidente quando se trata da candidatura de Barreto, que ela vem com a pretensão de atrair um estilo de voto dos bolsonaristas, pois muitas pautas se assemelham.

No Estado, o PODEMOS (presidido por Valdemar Bornhausen), a convite do primeiro Paulinho, tem hoje 120 diretorias provisórias e tem projeção de 59 pré-candidatos a prefeito e pelo menos 20 a vice-prefeito. Valdemar invoca a marca de partido que mais cresceu neste último ano, sendo que, com a janela, ganhou três prefeitos, três vice-prefeitos e passou de dois para 44 vereadores. As duas cidades com as melhores perspectivas são Balneário Camboriú, com campanha de reeleição de Fabrício de Oliveira, e Blumenau, onde Mário Hildebrandt também disputa a reeleição. Na capital, a sigla deve estar com Gean Loureiro (DEM).

Júlia nunca fez “denúncia contra Salvaro no MP”

 personJoão Paulo Messer
access_time11/08/2020 - 13:29

Após a publicação ontem, aqui neste espaço, de um comentário meu a respeito de tudo o que envolve e culmina no boletim de ocorrência em que ela figura como suspeita de ter “invadido” o Centro de Tratamento do COVID no Rio Maina, a pré-candidata a prefeita pelo PL, Júlia Zanatta, faz ponderações e pede o que ela considera “retratação” da coluna. Refere-se ao fato de eu ter escrito que ela teria levado ao Ministério Público denúncias de possíveis irregularidades na administração pública de Criciúma. É verdade, não existe nenhuma comprovação, nem suspeita de que ela tenha feito isso. O que existe é a minha interpretação de que como ela tem usado estas ações na sua pré-campanha pudesse ter algo a ver. Repito: informação equivocada. Não uso a expressão “distorcida”, pois não é prática comum de minha parte e os leitores habituais da coluna sabem disso. Mas para o bem da verdade é até para evitar prejuízos à imagem da candidata não se pode afirmar que ela seja autora de denúncia contra Clésio Salvaro no MP.
Já em entrevista na rádio tratei do assunto com a Júlia Zanatta, que apresentou seus argumentos negando invasão, mas admitindo que esteve no local para buscar informações, apenas isso.