Notícias em destaque

  Deu "negativo" no teste de coronavírus

commentJornalismo access_time01/04/2020 12:40

Governo do Estado descarta suspeita de coronavírus em Criciúma

Novas datas para os jogos Olímpicos e Paraolímpicos

commentEsporte access_time30/03/2020 10:00

Foi confirmado anteriormente que todos os atletas já qualificados e as cotas já atribuídas para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 permanecerão inalteradas

  Financeiro, estadual e Série C

commentCriciúma EC access_time01/04/2020 10:45

Presidente se pronunciou na manhã desta quarta-feira (01) no Majestoso

A CNH nos EUA

access_time22/01/2019 - 12:33

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) tem validade em todo território nacional, mas, além disso, tem sido aceita nos Estados Unidos. Em Massachusetts a CNH sempre facilitou na hora de se abrir um seguro obrigatório para carros. Na Flórida, a CNH tem força de lei, enquanto a Permissão Internacional não é obrigatória.

A Permissão Internacional deve ser acompanhada da CNH em qualquer país que você visitar. Se você declarar que mora no país que estiver visitando a autoridade de trânsito exigirá a carteira daquele país ou daquele estado (as carteiras de habilitação nos EUA são estaduais).

Segundo o site do Detran de Santa Catarina, a PID (Permissão Internacional para Dirigir) é uma “cópia” da CNH, com a validade máxima de três anos da data de sua emissão ou até a data de validade da CNH, o que ocorrer primeiro.

Para requerer o documento, o interessado deve comparecer à Ciretran com jurisdição sobre o município de seu domicílio ou residência, preencher o formulário do RENACH e apresentar cópia de sua CNH (que deve estar dentro do prazo de validade) e de comprovante de residência. O órgão de trânsito vai gerar a guia para o pagamento da taxa de expedição da PID.

(Envie comentários sobre essa matéria para abreuandre25@yahoo.com.br.)


México tem eleição presidencial no domingo

 personAndré Abreu
access_time30/06/2018 - 19:22

A eleição presidencial mexicana acontece neste domingo (01/06). Segundo as pesquisas, os eleitores estão concentrando seus votos entre Andrés Manuel López Obrador (MORENA-Movimento de Renovação Nacional), um candidato temido pela elite, que o compara a Hugo Chávez, e Ricardo Anaya (PAN-Partido da Ação Nacional), com uma base de eleitores de classe média.

Obrador, de 64 anos, concorre ao posto presidencial pela terceira vez. e tem chances de vitória com 10 a 18 pontos percentuais de vantagem sobre o segundo colocado, Ricardo Anaya, de 38 anos.

Os pontos percentuais de Obrador podem ser explicados pelo fraco desempenho dos governos anteriores, sob a liderança dos partidos PAN e do PRI (partido do atual presidente Peña Nieto). Mas há também uma forte conexão emocional que Obrador conseguiu construir com seus eleitores. Para eles, o candidato de esquerda representa uma alternativa ao sistema, pois, como no Brasil, existe uma frustração dominante no meio político.

Trump ameaça países no encontro do G7

 personAndré Abreu
access_time09/06/2018 - 21:04

O Presidente Trump falou aos líderes mundiais do G7 que devem reduzir as barreiras comerciais com os Estados Unidos se não quiserem perder acesso ao mercado norte-americano, demonstrando sua maior ameaça até o momento ao comércio global.

Trump, antes de partir para Singapura, declarou que pressionou os primeiros-ministros da Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália, Japão e do Canadá para remover tarifas ou barreiras comerciais dos produtos norte-americanos.

Trump disse que faria o mesmo para os produtos dos países que seguissem seu pedido. Contudo, avisou que as medidas serão severas caso seu pedido não seja aceito.

Itália: Conte renuncia, presidente busca manter linha econômica com a União Europeia

 personAndré Abreu
access_time27/05/2018 - 19:59

Bastava que o Presdente Sergio Matarella sinalizasse a aprovação do futuro ministro da Economia Paolo Savona para que Conte pudesse começar a trabalhar como primeiro-ministro. Contudo, a interferência das críticas da imprensa alemã contra a nomeação de Savola e a oposição do mercado financeiro e da cúpula da Uniao Europeia colocaram um fim naquilo que nem bem começou: o governo da coalizão Liga-Movimento 5 Estrelas sob o comando de Giuseppe Conte.

Sobre Savona, o presidente italiano afirmou: "Eu fiz todo o possível para dar à luz um governo político, mas não pude aceitar um ministro da Economia que ameaçou a adesão da Itália ao euro, que considero fundamental para o futuro do país e dos nossos jovens. Eu aceitei todos os ministros, mas se tivermos que discutir isso (a saída do euro), vamos fazê-lo abertamente, mas não é um tópico que tem sido discutido durante a campanha eleitoral".

O líder do M5S, Di Maio, disse que não é justo que as agências financeiras de rating tenham a última palavra sobre os rumos políticos e econômicos da Itália.

Matarella está sendo acusado de traição e os partidos que formam o governo ameaçam com um processo de impeachment. Giuseppe Conte sai de cena como o primeiro-ministro que jamais governou a Itália.

Coreias se articulam para resolver impasse de encontro com Trump

 personAndré Abreu
access_time27/05/2018 - 18:26

No sábado à noite (26), imagens do Presidente Moon Jae-in da Coreia do Sul abraçando Kim Jong-un da Coreia do Norte iluminaram milhões de smartphones em Seul. Foi o segundo encontro entre os dois líderes, mas sem tantos holofotes.

Hoje pela manhã (27) , Moon explicou que o encontro ocorreu por um pedido da Coreia do Norte, mas não teve caráter formal.
O presidente da Coreia do Sul tenta intermediar a relação entre Trump e Kim em busca da desnuclerização da região.

O presidente Moon voltou da Coreia do Norte com uma mensagem para Washington: a Coreia do Norte quer deixar as armas nucleares, mas quer ter respeitada sua soberania.

Na semana passada, o presidente Moon saiu da Casa Branca com as mãos vazias: Trump caminhava em busca do cancelamento do encontro de 12 de junho com o líder norte-coreano
.
Mais informações no Programa João Paulo Messer de amanhã.

Giuseppe Conte caminha para ser primeiro-ministro da Itália em meio a controvérsia sobre seu currículo

 personAndré Abreu
access_time23/05/2018 - 10:46

O presidente da Itália, Sergio Matarella, convocou Giuseppe Conte nesta quarta-feira (23) para anunciar se nomeará o advogado e professor de Direito pouco conhecido para liderar um governo formado pela extrema direita e grupos populistas.
A mídia italiana traz informações de que a nomeação de Conte está demorando devido ao fato de ter exagerado seu currículo ou mesmo mentido sobre ter estudado em instituições estrangeiras como a Universidade de Nova York.
O Movimento 5 Estrelas e a Liga escolheram Conte, de 54 anos, como primeiro-ministro na segunda-feira (21) após discutirem sobre o programa de governo no fim de semana.

Dia do Trabalho com protestos na França

 personAndré Abreu
access_time01/05/2018 - 17:58

Em Paris, o Dia do Trabalho foi marcado por confrontos. Ouça no boletim abaixo:

Conselho de Segurança realiza reunião de emergência sobre a Síria

 personAndré Abreu
access_time14/04/2018 - 13:33

Neste momento o Conselho de Segurança está reunido em Nova York para discutir a situação da Síria e os ataques promovidos pelos Estados Unidos com apoio do Reino Unido e da França.
A Suécia condenou o uso de armas químicas pelo governo da Síria. Os Países Baixos defendem um papel maior na investigação do ataque com gás químico.
A Bolívia condenou as ações dos militares dos EUA e classificou o dia de hoje como "um dia escuro" na agenda internacional. Mas defende uma investigação transparente e incondicional. O representante boliviano criticou o Reino Unido pelo não respeito ao Direito Internacional na questão das Ilhas Malvinas. Destacou que há um desrespeito à Carta da ONU por parte de grandes potências como os EUA.
Atualização: A Rússia colocou em votação uma medida que condenava as ações dos EUA, França e Reino Unido. A Resolução precisava de nove votos para aprovação, sem o veto de nenhum dos Membros Permanentes (EUA, China, Rússia, Reino Unido e França).
Somente a Rússia, a China e a Bolívia votaram a favor. Oito países votaram contra, enquanto quatro se abstiveram.

Trump começa missão militar contra a Síria

 personAndré Abreu
access_time13/04/2018 - 22:57

Com apoio do Reino Unido e da França, os Estados Unidos acabaram de iniciar sua missão de dominar a Síria. O Presidente Trump, após colocar os militares em ação, condenou o regime do governo sírio e o apoio dado por duas nações: Rússia e Irã.

EUA diz ter prova que a Síria conduziu ataque de gás nervoso

 personAndré Abreu
access_time13/04/2018 - 19:38

Os EUA disseram que têm prova que o regime sírio conduziu um ataque químico na periferia de Damasco, rejeitando a afirmação russa que declara que a ação está ligada à inteligência britânica.
A Casa Branca e o Departamento de Estado anunciaram hoje (13) que os EUA têm um alto grau de confiança sobre a culpabilidade do regime sírio no uso de gás venenoso em Douma.

Essa declaração representa uma mudança da posição assumida pelo Secretário de Defesa, James Mattis, que os Estados Unidos estão ainda procurando por provas.

Contudo, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, declarou oficialmente ao Conselho de Segurança que o governo Trump não decidiu ainda sobre uma resposta militar.

EUA estuda ataque na Siria

 personAndré Abreu
access_time13/04/2018 - 06:57

James Mattis, Secretário de Defesa dos EUA, afirmou que Washington ainda está buscando por provas sobre a autoria do ataque de armas químicas ocorridas no último final de semana em Damasco.
Mattis também declarou que o envolvimento dos EUA poderia levar o conflito ao chegar a um nível fora de controle.
Enquanto isso o Presidente Donald Trump consultou seus assessores de segurança nacional sobre uma resposta dos EUA, mas, por enquanto, segundo a Casa Branca, nenhuma decisão final foi tomada.
De acordo com o New York Times, Mattis defendeu em reunião a necessidade de mais tempo para coletar provas que liguem Assad ao ataque químico. Contudo, o governo Trump parece querer acelerar o passo para punir o uso de gás venenoso.

"The Guardian" destaca que Lula começa a cumprir sua sentença após se entregar

 personAndré Abreu
access_time08/04/2018 - 10:53

Trechos do texto do jornal britânico The Guardian traduzidos:

"Apesar da demonstração de força, os apoiadores de Lula dizem que sua prisão é um golpe ao projeto político para um Brasil mais inclusivo e socialmente justo que o ex-presidente foi pioneiro com seu governo do PT."

"Um dos assuntos mais inflamados é que o caso de Lula foi julgado muito mais rapidamente do que todos os outros casos na operação Lava Jato, assim como outros políticos dos partidos rivais acusados de crimes mais sérios permanecem livres. "

O texto afirma ainda que o presidente Michel Temer foi protegido pelos aliados no Congresso e, assim, sobreviveu a dois julgamentos de corrupção no ano passado.

Link para a matéria do The Guardian:
https://www.theguardian.com/world/2018/apr/07/crowds-in-sao-paulo-block-lula-from-handing-himself-in

Mídia internacional continua acompanhando desenrolar do caso Lula

 personAndré Abreu
access_time07/04/2018 - 16:40

A mídia internacional continua acompanhando o passo a passo do ex-presidente Lula. O site da BBC destaca que ele "se entregará para a polícia". O site afirma que dois últimos apelos para manter Lula livre não deram certo. Conhecido pela cobertura de notícias do mercado financeiro, o site Bloomberg diz que Lula "promete provar sua inocência".
O site da NPR norte-americana, equivalente da BBC, traz fotos da sede do Sindicato dos Metalúrgicos e de Lula acenando. A NPR destaca que Lula é "amado" e cita a frase em que o ex-presidente afirma: "Sairei disto mais forte, maior, mais inocente e verdadeiro".
A rede de TV ABC afirma que Lula disse que sua condenação foi o único jeito para evitar que ele concorra e ganhe a "reeleição".
A cobertura dos grandes jornais dos EUA também continua firme. O Washington Post ("Lula se entregará à polícia, se declara inocente") e o New York Times ("Lula desafia mandado de prisão") seguem acompanhando.

Trump diz "não" para imigrantes estudantes e ameaça parar o NAFTA

 personAndré Abreu
access_time01/04/2018 - 12:29

O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse no Twitter que não haverá nenhum acordo para legalizar milhões de "sonhadores" (estudantes imigrantes que ganharam permissão de trabalho no mandato de Obama). Trump declarou que a fronteira dos EUA com o México está ficando mais perigosa.
Trump também afirmou que poderá parar o "elefante branco" NAFTA (acordo comercial entre EUA, Canadá e México) em retaliação ao México por não fazer o suficiente para prevenir a passagem de imigrantes ilegais na fronteira.

Encontro entre presidentes norte-coreano e chinês abre portas para "desnuclearização"

 personAndré Abreu
access_time28/03/2018 - 11:15

Um avanço diplomático importante ocorreu no início da semana com a aproximação ainda maior do líder norte-coreano Kim Jong-Un e o presidente chinês Xi Jinping. Kim chegou à China para uma visita considerada "secreta" quando ocorreu, mas agora divulgada pela agência oficial de notícias da China.
Mais importante ainda foi o fato de que Kim assumiu o compromisso de "desnuclearizar" a Coreia do Norte. O gesto de aproximação norte-coreano está inserido na mesma estratégia diplomática de abertura que a Coreia do Norte adotou no convite entregue ao presidente Donald Trump na Casa Branca por um diplomata sul-coreano no início de março.

Ex-presidente da Catalunha é detido na Alemanha

 personAndré Abreu
access_time25/03/2018 - 00:00

O ex-presidente da Catalunha Carles Puigdemont foi detido na Alemanha. As informações foram passadas por seu advogado, Jaume Alonso-Cuevillas, neste domingo (25). Líder do movimento separatista da Catalunha e foragido na Espanha por sedição e rebelião, Puigdemont, que deixou a Finlândia, foi detido após cruzar a fronteira da Dinamarca com a Alemanha por conta de um mandato de prisão europeu.
Puigdemont deverá permanecer detido e esperar pelo desenrolar da negociação de extradição entre a Alemanha e a Espanha, pois, ao que tudo indica, existe um nível de cooperação maior entre os dois países do que o existente entre a Bélgica e a Espanha.
A detenção do líder separatista levou à manifestação de milhares de pessoas em Barcelona.