Notícias em destaque

Melhora o quadro da Covid-19 em Santa Catarina

commentJornalismo access_time26/09/2021 20:45

Pela primeira vez o mapa de Santa Catarina fica sem uma única região em "vermelho"

Caravaggio luta bastante, mas perde na estreia da Série C

commentEsporte access_time25/09/2021 17:00

Próximo compromisso será contra o Jaraguá no Balsinão

Tigre perde, mas entra no grupo de Paysandu, Botafogo-PB e Ituano

commentCriciúma EC access_time25/09/2021 19:00

O Time Carvoeiro não conseguiu pontuar diante do Figueirense na capital

Blog Clássicos, com Everaldo Belada

Easy - O clássico do Commodores na versão do Faith no More, que ficou tão boa quanto a original.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time30/06/2021 - 10:34

O clássico no dia de hoje é “Easy” do grupo americano Commodores, lançando em 1977.

“Easy” foi composta e cantada por Lionel Richie, um dos membros do grupo com a intenção de se tornar um hit de sucesso do Commodores.

A canção passou várias semanas na posição número um nos Estados Unidos. A música é uma balada pop-soul, que expressa os sentimentos de um homem quando um relacionamento termina. Em vez de ficar deprimido com o rompimento, ele afirma que é fácil, como a manhã de um domingo.

Vamos ouvir a versão de 1992, de "Easy" com a banda californiana Faith no More, que ficou tão boa quanto a original.

O Faith no More viaja por vários estilos musicais como: heavy metal, hard rock, jazz, soul e até samba, com o vocalista Mike Patton dominando vários idiomas. CONFIRA:

Dancing Queen - O clássico do ABBA virou a assinatura do quarteto sueco, versão da americana Cher.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time29/06/2021 - 10:01

Uma canção gravada pela grupo ABBA em 1975, é considerada um dos maiores sucessos da década de 1970 e virou a assinatura do quarteto sueco.

A música pop dance do ABBA que estreou durante as celebrações do casamento do Rei Carlos XVI da Suécia com Rainha Silvia.
Chame-se: "Dancing Queen".

Após o lançamento no enlace matrimonial, "Dancing Queen" atingiu o topo das paradas em todo mundo. A letra é simples e fala sobre uma jovem de dezessete anos que gosta de dançar e tem uma noite divertida.

Vamos ouvir o cover também dançante da cantora e atriz americana Cher, lançando em setembro, de 2018. O álbum contém versões cover de canções gravadas pelo ABBA, com o título fazendo referência ao clássico "Dancing Queen". CONFIRA:

Can't help falling in love - O clássico que foi composto 177 anos antes de Elvis Presley gravar.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time28/06/2021 - 11:45

Sempre por detrás de um grande clássico tem uma boa história pra contar.

A canção “Can't help falling in love” imortalizada pela voz de Elvis Presley esta classificada pela revista Rolling Stone como a 5ª melhor música de Elvis de todos os tempos.

A música pertenceu a trilha sonora do filme “Blue Hawaii” de1961, mas a história começa 177 anos antes do Rei do Rock gravá-la.

“Can’t Help Falling in Love”, foi composta com base na criação francesa Plaisir D'amour, uma composição popular criada em 1784, por Jean-Paul-Egide Martini. A canção é considerada uma das músicas românticas mais bonitas de todos os tempos e destaca diversas vezes a incapacidade de se resistir à paixão.

“Can't help falling in love” é conhecida nos Estados Unidos por embalar pedidos de namoro e casamento. Elvis, que sempre foi um perfeccionista, fez 59 takes na gravação até a música ficar como ele queria.

Vamos ouvir este clássico romântico do álbum “Viva Elvis”, trilha sonora feita especialmente para a turnê do Circle Du Solei, em 2010.

As faixas do disco são arranjadas em versões estendidas e algumas gravadas em duetos e “Can't help falling in love” foi mixada com a voz da cantora canadense Sherry St-Germain. CONFIRA:

Beat it - Em 1983, Michael Jackson lançou o álbum “Thriller” que se tornou o disco mais vendido de todos os tempos.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time25/06/2021 - 16:51

Não há como pensar no cenário musical pop dos Anos 80 sem ter em mente o artista Michael Jackson, que hoje, dia 25 de junho, completa 12 anos de sua morte.

Em 1983, Michael Jackson lançou o álbum “Thriller” que dominou as paradas de sucesso e se tornou o disco mais vendido de todos os tempos.

O álbum tem várias vertentes musicais do rei do pop, passando pelas baladas – funk - disco – soul, e mostrou também a veia rock’ n rool de Michael Jackson com o clássico: “Beat it”.

A canção marcou um momento histórico para o cenário musical, onde as barreiras entre a música negra e branca começaram finalmente a serem quebradas, com o solo de guitarra interpretado pelo saudoso Eddie Van Halen, considerado um dos melhores solos de todos os tempos.

Por causa de sua letra que é um protesto contra as brigas entre gangues de rua, algo muito comum na época, "Beat it" se tornou um hino anti gangues, chegando ao final de 1983, em primeiro lugar nas paradas.

Vamos ouvir “Beat it” na reedição de 25 anos do álbum “Thriller” com a ex-vocalista do Black Eyed Peas, Fergie, que executou o clássico ao vivo, em 2008 com a participação do próprio Michael Jackson, um ano antes de sua morte. CONFIRA:

Sangue Latino - Nando Reis regravou o clássico em 2003, comemorando os 30 anos do Secos e Molhados.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time24/06/2021 - 16:45

Um dos maiores fenômenos da Música Popular Brasileira nos anos 70, batendo recordes de vendagem e de publico, Os Secos & Molhados é um dos grupos mais aclamados pela crítica até os dias de hoje.

Em 1973, Os Secos & Molhados, que tinha o cantor Ney Matogrosso com figura principal lançou seu álbum de estreia com vários sucessos, em especial a uma canção que foi eleita como a quadragésima maior música brasileira de todos os tempos chamada: “Sangue Latino”.

"Sangue Latino" foi escrita por João Ricardo, músico e fundador da banda, que criou o nome quando, em um dia chuvoso, em Ubatuba viu uma placa de armazém balançando com o nome "Secos & Molhados".

Sua letra alude à "condição latino-americana, os descaminhos dos povos desse continente, bem como a sua capacidade de resistir.

Os Secos & Molhados estão inscritos em uma categoria privilegiada entre as bandas e músicos que levaram o Brasil da Bossa Nova à Tropicália e então para o rock brasileiro, um estilo que só floresceu expressivamente nos anos 80.

Vamos ouvir “Sangue Latino” com o ex-baixista do Titãs, Nando Reis, que regravou o clássico em sua carreira solo para o álbum "Assim Assado", em 2003, comemorando os 30 anos do Secos e Molhados. CONFIRA:

Love of my life - O clássico de Freedie Mercury fez em homenagem a Mary Austin.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time23/06/2021 - 09:50

A banda de rock britânica Queen, lançou em 1975 o seu quarto álbum de estúdio: "A night at the opera", com uma canção que estourou nas rádios somente a partir de 1979, gravada ao vivo no álbum "Live killers" do próprio grupo.

O clássico do Queen que ficou em primeiro lugar nas rádios brasileiras naquele ano foi: "Love of my life".

"Love of my life" (o amor da minha vida) foi escrita por Freddie Mercury em homenagem a Mary Austin, com quem ele teve um longo relacionamento nos anos 70 e que manteve uma forte amizade até a sua morte, em 1991.

A música foi requerida pelo primeiro astronauta israelense Ilan Ramon em homenagem a sua esposa, tocada enquanto ele estava no espaço a bordo da espaçonave Columbia, ele faleceu durante a reentrada na atmosfera terrestre em 2003, quando a espaçonave se desintegrou.

Vamos ouvir este clássico com o grupo de rock alemão Scorpions. A canção está no álbum Acoustica gravada do vivo em 2001.
Então, preste bem a tenção na bela performance do vocalista Michael Schenker, no clássico: "Love of my life". CONFIRA:

Viva la vida - O clássico do Coldpaly que a letra contém referências históricas e religiosas.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time22/06/2021 - 09:59

A banda Coldplay, uma das mais rentáveis da história, formada em 1996, na Inglaterra pelo vocalista e pianista Chris Martin, lançou seu quarto álbum em 2008, com uma canção que a letra fala em termos uma vida longa - chamada: “Viva la vida”.

“Viva la vida” foi recebida somente com cometários positivos pela crítica e foi vencedora do Grammy, se tornando a sexta canção com mais downloads digitais pagos da história.

A letra da canção contém referências históricas e religiosas, e segundo a Religião Cristã, o sentido é de termos vida eterna através da palavra de Jesus Cristo.

A canção tem seu título em espanhol retirado de uma pintura do artista francês Delacroix.

A canção se tornou o hino do time do Barcelona durante a temporada de 2008-09, já que o clube venceu todas as seis competições que estavam envolvidas.

No Brasil a trilha sonora internacional da novela “A favorita” ajudou a empurrar "Viva la vida" para o topo das paradas.

Vamos ouvir este clássico do século xxi com o cantor sueco Darin Zanyar, que surgiu no programa Idol de 2004. Darin fez um cover da canção, em 2010, e alcançou a posição de número um nas paradas de sucessos.

Ouça "Viva la vida" que passa um ar de inteligência nos dias de hoje em canções pop. CONFIRA:

Velha infância - o disco homônimo do Tribalistas que recebeu cinco indicações para o Grammy Latino.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time21/06/2021 - 14:12

A reunião de três grandes nomes da música popular brasileira entre Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte resultou o grupo Tribalistas, que com a gravação de um único álbum venderam 3 milhões e setecentos mil cópias no Brasil e no Exterior.

Em 2002, Os Tribalistas lançaram o disco homônimo que recebeu cinco indicações para o Grammy Latino com uma linda canção na terceira faixa do dsico chamada: “Velha infância”.

O álbum Tribalistas se tornou um dos maiores sucessos de um artista brasileiro fora do país, sobretudo na Europa. No Brasil o álbum debutou na primeira posição dos discos mais vendidos no pais até hoje.

Assim como a formação do grupo, o álbum não surgiu repentinamente. Tudo começou quando Marisa Monte foi gravar uma participação no disco que Arnaldo estava fazendo, produzido por Brown.

Eles ficaram junto por uma semana e resolveram fazer algumas músicas, embora não pensassem em gravar um disco juntos.

Vamos ouvir este clássico com o próprio Tribalistas, em uma de suas raras apresentações ao vivo, em agosto de 2018, no Allianz Parque, em São Paulo para 50 mil pessoas.

Ouça “Velha infância”, uma das músicas que a letra desperta um sentimento divertido e ao mesmo tempo romântico, que mantêm viva boas lembranças. CONFIRA:

Let it be -Uma homenagem o Beatle Paul Mccartney completa 79 anos de idade.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time18/06/2021 - 14:06

Hoje, o programa Clássicos não poderia deixar de homenagear, o Beatle Paul Mccartney que completa neste dia 18 de junho, 79 anos de idade.

O velho Macca como ele é chamado no Brasil, está no Guinness World Records como o compositor de maior sucesso na história da música pop de todos os tempos, Mccartney tem 29 canções em primeiro lugar nas paradas de sucessos.

Em 1968, Paul Mccartney escreveu uma canção que foi lançada dois anos mais tarde e acabou virando um filme/documentário após separação da banda em 1969.

O clássico que Paul Mccartney escreveu sobre um intenso sonho que teve com sua mãe Mary Mccartney foi: "Let it be".

Em "Let it be", Paul demonstra todo o seu pensamento positivo, a canção traz certo sentimento de oração, dizendo na letra que “quando eu me encontro em tempos atribulados, a Mãe Maria vem até mim dizendo palavras de sabedoria”.

Vamos relembrar este clássico com a dupla mineira Sá & Guarabira, gravado em 2010, especialmente para o álbum Beatles 70, disco tributo com vários artistas brasileiros.

Senta bem o clima rural que combinou muito bem com a sonoridade de Sá & Guarabira, em "Let it be". CONFIRA:

O vagabundo - O clássico dos Incríveis lançando em 1969,que virou uma “febre” nas rádio de todo país.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time17/06/2021 - 14:00

Os Incríveis, banda formada em São Paulo, em 1962, que inicialmente se chamava The Clevers, marcou época influenciando o movimento da Jovem Guarda com grandes sucessos que são recordados até o dias de hoje.

Depois de retornar da Europa acompanhando a cantora italiana Rita Pavone, os Incríveis lançaram em 1969, uma canção que virou uma “febre” nas rádio de todo país chamada: “O vagabundo”.

“O vagabundo” é uma versão de “Giramondo” uma canção italiana de 1967, do cantor Nicola di Bari.

No início de 1970, os Incríveis lançaram uma série de outros sucessos como: "O milionário", "Era um garoto que como eu amava Os Beatles e Os Rolling Stones" e "Eu te amo, meu Brasil".

Sendo esta última, uma canção de exaltação á pátria brasileira que fez um enorme sucesso durante o Governo Militar do General Médici.

Devido à pressão gerada pelo sucesso desta canção, por parte da imprensa e da gravadora, a banda encerrou suas atividades em 1972.

A partir de 2001, os incríveis voltaram a se reunir para algumas apresentações especiais.

Vamos ouvir este clássico dos anos 60 com a banda gaúcha Engenheiros do Hawaii, que fez uma homenagem aos Incríveis, em 2005, no álbum Acústico “Um barzinho um violão” na voz e gaita de boca de Humberto Gessinger. CONFIRA:

My Sweet Lord - A música que na letra George Harrison trata primariamente do deus Hindu Krishna.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time16/06/2021 - 13:53

Apos a separação dos Beatles, em abril de 1969, o guitarrista George Harrison lançou em 1970, um álbum triplo: "All things must pass", com uma canção que alcançou a primeira posição nas paradas internacionais.

A música que na letra George Harrison trata primariamente do deus Hindu Krishna chama-se: "My Sweet Lord".

"My Sweet Lord" (meu doce senhor) fala do Deus mais cultuado da Índia. O músico aderiu ao Hinduísmo para ampliar seus horizontes e passou a incluir instrumentos indianos em suas músicas. George Harrison nos deixou em novembro de 2001.

Vamos ouvir este clássico extraído do DVD Concert for George, evento realizado, em Londres, em 29 de novembro de 2002 como um memorial a George Harrison no primeiro aniversário de sua morte.

O concerto reuniu vários músicos como Eric Clapton, Jeff Lyne, Paul Mccartney, Ringo Starr e Dhani Harrison (filho de George). Os lucros foram todos para a World Charitable Foundation, uma organização criada por Harrison.

Então vamos ouvir "My Sweet Lord ao vivo com vários artistas tendo no vocal o pianista Billy Preston. CONFIRA:

Vamos fugir - O clássico de Gil composta enquanto ele viajava para o Jamaica para gravar com o The Wailers, a lendária banda de Bob Marley.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time15/06/2021 - 10:14

O baiano Gilberto Gil, que se afirmou como cantor e compositor que traduziu o ritmo Reggae no Brasil, lançou em 1984, o álbum “Raça humana” com uma canção que foi composta enquanto ele viajava para o Jamaica para gravar com o The Wailers, a lendária banda de Bob Marley.

A clássica canção reggae é a conhecida “Vamos fugir” que primeiro foi gravada em inglês num estúdio em Nova York como o título de: “Gimme your love”.

A música foi produzida por Liminha com a linha de baixo e os vocais do The Waillers e a participação na criação de Jimmy Cliff.

A versão em português “Vamos fugir” foi feita apenas quando Gilberto Gil retornou ao Brasil e utilizou a palavra “Reggae” como elemento central para dar sonoridade e rimar com outras palavras.

21 anos depois, em 2005, o Skank regravou a canção com um arranjo voltado ao rock, conquistando o prêmio Multishow de melhor música do ano.

Vamos ouvir “Vamos fugir” extraído do DVD Natiruts Reggae Brasil, gravado ao vivo, em 2015, em Salvador, que reuniu grandes nomes do Reggae no Brasil tendo o “mestre” Gilberto Gil como uma das principais atrações cantando sua criação com a execução da banda anfitriã Natiruts. CONFIRA:

The boxer - Uma balada folk rock que está classificada entre as 100 melhores músicas de todos os tempos.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time14/06/2021 - 10:02

A dupla Norte Americana Simon & Garfunkel que em Nova York, está para os seus fãs como os Beatles estão para Liverpool, sempre compôs e gravou canções que são conhecidas por suas belas harmonias vocais.

Em 1970, Simon & Garfunkel lançaram seu quinto álbum: “Bridge over troubled water” com uma balada folk rock que está classificada entre as 100 melhores músicas de todos os tempos chamada: “The boxer”.

“The boxer” foi escrita por Paul Simon que assume a forma de primeira pessoa, que discute entre a pobreza e a solidão. As letras de Simon são em grande parte autobiográficas e inspiradas pela Bíblia.

Com um relacionamento conturbado devido a desentendimentos artísticos, a dupla separou-se logo depois da gravação do álbum, em 1970. Desde então eles têm se reunido esporadicamente, a ocasião mais famosa foi o Concerto no Central Park, em 1981, que atraiu mais de 500 mil pessoas, fazendo deste o sétimo evento musical mais assistido na história da música.

Vamos ouvir a mais nova versão de “The boxer” com a lendária guitarrista Nancy Wilson, da banda americana Heart, lançada este ano, em 2021, no seu primeiro álbum solo “You and me” com a participação de Sammy Hagar ex-vocalista do Van Halen. *CONFIRA:*

Take my breath away - Um clássico imortal do cinema dos anos 80

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time11/06/2021 - 09:53

Vamos relembrar um clássico imortal do cinema dos anos 80 e entrar no clima romântico e amoroso do Dia dos Namorados.

Em 1986, estrelava nos cinemas o filme de ação e drama romântico “Top gun” (Ases indomáveis) tendo como protagonista o ator Tom Cruise.

A canção tema do filme que foi a música mais tocada no Brasil em 1986, foi: “Take my breath away”.

"Take my breath away" foi escrita pelo produtor italiano Giorgio Moroder, interpretada pela banda americana Berlin, na bela voz da vocalista Terri Nunn.

A música conseguiu a posição número um nas paradas de vários países, incluindo a primeira posição na Billboard Hot 100, e ganhou o Oscar de melhor canção original no ano de 1987.

Vamos ouvir este clássico romântico das telas com o fenômeno mundial Glee Music.

O Glee Music é um elenco jovem da série de TV americana exibida em mais de 60 países que faz covers das mais belas canções como o clássico: “Take my breath away”. CONFIRA:

Love me do - O primeiro sucesso dos Beatles, que Paul Mccartney escreveu em 1958, ainda na escola.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time10/06/2021 - 09:46

Vamos conhecer o primeiro sucesso dos Beatles, que Paul Mccartney escreveu em 1958, ainda na escola. A canção que foi a estreia dos Beatles gravado como single no lado a do compacto simples em 1962 foi: “Love me do”.

“Love me do” foi incluída um anos depois, em 1963, no álbum “Please please me”, o primeiro disco dos Beatles.

Em 2003, a revista Rolling Stone listou o álbum no número 39 na lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos, além de ser até os dias atuais, o álbum de estreia mais vendido da história, com 52 milhões de cópias vendidas até hoje.

Em 2012, “Love me do” tornou-se de domínio público na Europa. Existem atualmente propostas de lei para estender os direitos autorais da música por mais 20 anos.

Vamos ouvir este clássico dos Beatles com o premiadíssimo musico norte-americano Flaco Jiménez, cantor, compositor e membro do texas tornados, banda composta por alguns dos maiores artistas da música country.

Flaco Jimémez gravou “Love me do” no álbum solo “Sleepytown” em 2000. CONFIRA: