Notícias em destaque

  Campanha de Inverno da Celesc estimula o consumo consciente de energia

commentJornalismo access_time22/06/2021 15:00

Tema foi abordado no programa Tudo a Ver com Karol Carvalho

Seleção se prepara para enfrentar a Colômbia

commentEsporte access_time22/06/2021 07:30

Técnico comandou treinamento e projetou situações esperadas para o duelo da próxima quarta-feira

Tigre enfrenta o Fluminense nas oitavas da Copa do Brasil

commentCriciúma EC access_time22/06/2021 16:50

A data e o horário do confronto ainda será definido pela CBF

Jump - Vamos transportar o clássico do Van Halen para o Swing Jazz com o canadense Paul Anka.

access_time09/06/2021 - 09:31

O Rock e o Jazz sempre tiveram suas ligações com influências vindas do folk, do blues e principalmente da era do swing das Big Bands.

O arranjo de um clássico do Van Halen – banda de rock americana, lançado em 1984, mostra bem o que estou falando.

A canção que rompeu os moldes de suas canções anteriores principalmente pela melodia principal, tocada em um sintetizador foi: "Jump".

"Jump", talvez seja a canção mais popular do Van Halen porque incorporou os principais aspectos dos dois gêneros musicais mais associados com a cena musical dos anos 80 nos Estados Unidos.

Vamos transportar "Jump" para o Swing Jazz gravado em 2005 pelo cantor canadense Paul Anka. Ele lançou o disco "Rock Swings" com faixas de musicas de rock e pop populares da década de 80 e 90.

Sinta todo o swing e a classe de "Jump" na belíssima interpretação de Paul Anka. CONFIRA:


Velha infância - o disco homônimo do Tribalistas que recebeu cinco indicações para o Grammy Latino.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time21/06/2021 - 14:12

A reunião de três grandes nomes da música popular brasileira entre Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte resultou o grupo Tribalistas, que com a gravação de um único álbum venderam 3 milhões e setecentos mil cópias no Brasil e no Exterior.

Em 2002, Os Tribalistas lançaram o disco homônimo que recebeu cinco indicações para o Grammy Latino com uma linda canção na terceira faixa do dsico chamada: “Velha infância”.

O álbum Tribalistas se tornou um dos maiores sucessos de um artista brasileiro fora do país, sobretudo na Europa. No Brasil o álbum debutou na primeira posição dos discos mais vendidos no pais até hoje.

Assim como a formação do grupo, o álbum não surgiu repentinamente. Tudo começou quando Marisa Monte foi gravar uma participação no disco que Arnaldo estava fazendo, produzido por Brown.

Eles ficaram junto por uma semana e resolveram fazer algumas músicas, embora não pensassem em gravar um disco juntos.

Vamos ouvir este clássico com o próprio Tribalistas, em uma de suas raras apresentações ao vivo, em agosto de 2018, no Allianz Parque, em São Paulo para 50 mil pessoas.

Ouça “Velha infância”, uma das músicas que a letra desperta um sentimento divertido e ao mesmo tempo romântico, que mantêm viva boas lembranças. CONFIRA:

Let it be -Uma homenagem o Beatle Paul Mccartney completa 79 anos de idade.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time18/06/2021 - 14:06

Hoje, o programa Clássicos não poderia deixar de homenagear, o Beatle Paul Mccartney que completa neste dia 18 de junho, 79 anos de idade.

O velho Macca como ele é chamado no Brasil, está no Guinness World Records como o compositor de maior sucesso na história da música pop de todos os tempos, Mccartney tem 29 canções em primeiro lugar nas paradas de sucessos.

Em 1968, Paul Mccartney escreveu uma canção que foi lançada dois anos mais tarde e acabou virando um filme/documentário após separação da banda em 1969.

O clássico que Paul Mccartney escreveu sobre um intenso sonho que teve com sua mãe Mary Mccartney foi: "Let it be".

Em "Let it be", Paul demonstra todo o seu pensamento positivo, a canção traz certo sentimento de oração, dizendo na letra que “quando eu me encontro em tempos atribulados, a Mãe Maria vem até mim dizendo palavras de sabedoria”.

Vamos relembrar este clássico com a dupla mineira Sá & Guarabira, gravado em 2010, especialmente para o álbum Beatles 70, disco tributo com vários artistas brasileiros.

Senta bem o clima rural que combinou muito bem com a sonoridade de Sá & Guarabira, em "Let it be". CONFIRA:

O vagabundo - O clássico dos Incríveis lançando em 1969,que virou uma “febre” nas rádio de todo país.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time17/06/2021 - 14:00

Os Incríveis, banda formada em São Paulo, em 1962, que inicialmente se chamava The Clevers, marcou época influenciando o movimento da Jovem Guarda com grandes sucessos que são recordados até o dias de hoje.

Depois de retornar da Europa acompanhando a cantora italiana Rita Pavone, os Incríveis lançaram em 1969, uma canção que virou uma “febre” nas rádio de todo país chamada: “O vagabundo”.

“O vagabundo” é uma versão de “Giramondo” uma canção italiana de 1967, do cantor Nicola di Bari.

No início de 1970, os Incríveis lançaram uma série de outros sucessos como: "O milionário", "Era um garoto que como eu amava Os Beatles e Os Rolling Stones" e "Eu te amo, meu Brasil".

Sendo esta última, uma canção de exaltação á pátria brasileira que fez um enorme sucesso durante o Governo Militar do General Médici.

Devido à pressão gerada pelo sucesso desta canção, por parte da imprensa e da gravadora, a banda encerrou suas atividades em 1972.

A partir de 2001, os incríveis voltaram a se reunir para algumas apresentações especiais.

Vamos ouvir este clássico dos anos 60 com a banda gaúcha Engenheiros do Hawaii, que fez uma homenagem aos Incríveis, em 2005, no álbum Acústico “Um barzinho um violão” na voz e gaita de boca de Humberto Gessinger. CONFIRA:

My Sweet Lord - A música que na letra George Harrison trata primariamente do deus Hindu Krishna.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time16/06/2021 - 13:53

Apos a separação dos Beatles, em abril de 1969, o guitarrista George Harrison lançou em 1970, um álbum triplo: "All things must pass", com uma canção que alcançou a primeira posição nas paradas internacionais.

A música que na letra George Harrison trata primariamente do deus Hindu Krishna chama-se: "My Sweet Lord".

"My Sweet Lord" (meu doce senhor) fala do Deus mais cultuado da Índia. O músico aderiu ao Hinduísmo para ampliar seus horizontes e passou a incluir instrumentos indianos em suas músicas. George Harrison nos deixou em novembro de 2001.

Vamos ouvir este clássico extraído do DVD Concert for George, evento realizado, em Londres, em 29 de novembro de 2002 como um memorial a George Harrison no primeiro aniversário de sua morte.

O concerto reuniu vários músicos como Eric Clapton, Jeff Lyne, Paul Mccartney, Ringo Starr e Dhani Harrison (filho de George). Os lucros foram todos para a World Charitable Foundation, uma organização criada por Harrison.

Então vamos ouvir "My Sweet Lord ao vivo com vários artistas tendo no vocal o pianista Billy Preston. CONFIRA:

Vamos fugir - O clássico de Gil composta enquanto ele viajava para o Jamaica para gravar com o The Wailers, a lendária banda de Bob Marley.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time15/06/2021 - 10:14

O baiano Gilberto Gil, que se afirmou como cantor e compositor que traduziu o ritmo Reggae no Brasil, lançou em 1984, o álbum “Raça humana” com uma canção que foi composta enquanto ele viajava para o Jamaica para gravar com o The Wailers, a lendária banda de Bob Marley.

A clássica canção reggae é a conhecida “Vamos fugir” que primeiro foi gravada em inglês num estúdio em Nova York como o título de: “Gimme your love”.

A música foi produzida por Liminha com a linha de baixo e os vocais do The Waillers e a participação na criação de Jimmy Cliff.

A versão em português “Vamos fugir” foi feita apenas quando Gilberto Gil retornou ao Brasil e utilizou a palavra “Reggae” como elemento central para dar sonoridade e rimar com outras palavras.

21 anos depois, em 2005, o Skank regravou a canção com um arranjo voltado ao rock, conquistando o prêmio Multishow de melhor música do ano.

Vamos ouvir “Vamos fugir” extraído do DVD Natiruts Reggae Brasil, gravado ao vivo, em 2015, em Salvador, que reuniu grandes nomes do Reggae no Brasil tendo o “mestre” Gilberto Gil como uma das principais atrações cantando sua criação com a execução da banda anfitriã Natiruts. CONFIRA:

The boxer - Uma balada folk rock que está classificada entre as 100 melhores músicas de todos os tempos.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time14/06/2021 - 10:02

A dupla Norte Americana Simon & Garfunkel que em Nova York, está para os seus fãs como os Beatles estão para Liverpool, sempre compôs e gravou canções que são conhecidas por suas belas harmonias vocais.

Em 1970, Simon & Garfunkel lançaram seu quinto álbum: “Bridge over troubled water” com uma balada folk rock que está classificada entre as 100 melhores músicas de todos os tempos chamada: “The boxer”.

“The boxer” foi escrita por Paul Simon que assume a forma de primeira pessoa, que discute entre a pobreza e a solidão. As letras de Simon são em grande parte autobiográficas e inspiradas pela Bíblia.

Com um relacionamento conturbado devido a desentendimentos artísticos, a dupla separou-se logo depois da gravação do álbum, em 1970. Desde então eles têm se reunido esporadicamente, a ocasião mais famosa foi o Concerto no Central Park, em 1981, que atraiu mais de 500 mil pessoas, fazendo deste o sétimo evento musical mais assistido na história da música.

Vamos ouvir a mais nova versão de “The boxer” com a lendária guitarrista Nancy Wilson, da banda americana Heart, lançada este ano, em 2021, no seu primeiro álbum solo “You and me” com a participação de Sammy Hagar ex-vocalista do Van Halen. *CONFIRA:*

Take my breath away - Um clássico imortal do cinema dos anos 80

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time11/06/2021 - 09:53

Vamos relembrar um clássico imortal do cinema dos anos 80 e entrar no clima romântico e amoroso do Dia dos Namorados.

Em 1986, estrelava nos cinemas o filme de ação e drama romântico “Top gun” (Ases indomáveis) tendo como protagonista o ator Tom Cruise.

A canção tema do filme que foi a música mais tocada no Brasil em 1986, foi: “Take my breath away”.

"Take my breath away" foi escrita pelo produtor italiano Giorgio Moroder, interpretada pela banda americana Berlin, na bela voz da vocalista Terri Nunn.

A música conseguiu a posição número um nas paradas de vários países, incluindo a primeira posição na Billboard Hot 100, e ganhou o Oscar de melhor canção original no ano de 1987.

Vamos ouvir este clássico romântico das telas com o fenômeno mundial Glee Music.

O Glee Music é um elenco jovem da série de TV americana exibida em mais de 60 países que faz covers das mais belas canções como o clássico: “Take my breath away”. CONFIRA:

Love me do - O primeiro sucesso dos Beatles, que Paul Mccartney escreveu em 1958, ainda na escola.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time10/06/2021 - 09:46

Vamos conhecer o primeiro sucesso dos Beatles, que Paul Mccartney escreveu em 1958, ainda na escola. A canção que foi a estreia dos Beatles gravado como single no lado a do compacto simples em 1962 foi: “Love me do”.

“Love me do” foi incluída um anos depois, em 1963, no álbum “Please please me”, o primeiro disco dos Beatles.

Em 2003, a revista Rolling Stone listou o álbum no número 39 na lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos, além de ser até os dias atuais, o álbum de estreia mais vendido da história, com 52 milhões de cópias vendidas até hoje.

Em 2012, “Love me do” tornou-se de domínio público na Europa. Existem atualmente propostas de lei para estender os direitos autorais da música por mais 20 anos.

Vamos ouvir este clássico dos Beatles com o premiadíssimo musico norte-americano Flaco Jiménez, cantor, compositor e membro do texas tornados, banda composta por alguns dos maiores artistas da música country.

Flaco Jimémez gravou “Love me do” no álbum solo “Sleepytown” em 2000. CONFIRA:

Jump - Vamos transportar o clássico do Van Halen para o Swing Jazz com o canadense Paul Anka.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time09/06/2021 - 09:31

O Rock e o Jazz sempre tiveram suas ligações com influências vindas do folk, do blues e principalmente da era do swing das Big Bands.

O arranjo de um clássico do Van Halen – banda de rock americana, lançado em 1984, mostra bem o que estou falando.

A canção que rompeu os moldes de suas canções anteriores principalmente pela melodia principal, tocada em um sintetizador foi: "Jump".

"Jump", talvez seja a canção mais popular do Van Halen porque incorporou os principais aspectos dos dois gêneros musicais mais associados com a cena musical dos anos 80 nos Estados Unidos.

Vamos transportar "Jump" para o Swing Jazz gravado em 2005 pelo cantor canadense Paul Anka. Ele lançou o disco "Rock Swings" com faixas de musicas de rock e pop populares da década de 80 e 90.

Sinta todo o swing e a classe de "Jump" na belíssima interpretação de Paul Anka. CONFIRA:

Fly me to the moon - O clássico de Frank Sinatra que estava intimamente associada às missões da nave Apollo á lua

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time08/06/2021 - 09:24

Francis Albert Sinatra, conhecido como Frank Sinatra, filho de imigrantes italianos, nascido no estado de Nova Jersey, que começou sua carreira musical na era do swing, foi um dos músicos recordistas de vendas, com mais de **150 milhões de discos vendidos.

Considerado um dos maiores intérpretes de todos os tempos, Frank Sinatra fez uma versão, em 1964, de uma canção que estava intimamente associada às missões da nave Apollo á lua chamada: “Fly me to the moon”.

"Fly me to the moon" é originalmente uma música escrita em 1954, pelo pianista Bart Ooward, que tornou-se um Jazz Standart frequentemente gravado na cultura popular americana por Tony Bennett, Ella Fitzgerald, Diana Krall e outros jazzistas.

Em 1999, "Fly me to the moon" foi premiada nos Estados Unidos como uma música individual que influenciou a cultura de uma forma única ao longo de muitos anos.

Vamos ouvir este clássico do jazz americano com a afinadíssima cantora carioca Paula Toller, gravado ao vivo no Rio de Janeiro e lançado em CD e DVD, em 2008. CONFIRA:

Like a virgin - a versão Electro Bossa do maior sucesso de Madonna, considerada a "Rainha da Música Pop" desde os anos 80.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time07/06/2021 - 08:30

A cantora, compositora, produtora musical, atriz, escritora e dançarina americana Madonna, que é referida como a "Rainha da Música Pop" desde os anos 80, é considerada uma das figuras de maior impacto na cultura popular por sua reinvenção e versatilidade na produção musical e visual de sua obra.

Em novembro de 1984, o mundo ouviu uma das canções que iriam mudar para sempre a história do pop com Madonna brincando com o duplo sentido falando sobre sexo como nenhuma outra mulher na música havia feito no clássico “Like a virgin”.

“Like a virgin” foi o título do segundo álbum de Madonna, com a artista vestida de noiva na capa, fazendo uma brincadeira entre castidade e sensualidade. As obras de Madonna sempre incorporam temas sociais, políticos, sexuais e religiosos que geraram aclamação e controvérsias da crítica e do público.

"Like a virgin" alcançou o primeiro lugar na Billboard hot 100 e em vários países da Europa e na Ásia. Desde o seu lançamento "Like a virgin" já foi recriada por vários artistas, DJs e orquestras em vários estilos diferentes.

Vamos ouvir “ Like a virgin” com o projeto Brazil XXI gravado em 2018, somente com músicas da "Rainha do Pop" em versões Electro Bossa com batidas suaves num estilo Lounge Music. CONFIRA:

It’s too late - Carole King emplacou seu nome na história da música com este clássico, em 1971.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time04/06/2021 - 08:56

Uma das cantoras mais premidas dos anos 70, a americana Carole King, emplacou seu nome na história da música com o lançamento do álbum “Tapestry”, em 1971, com uma canção que ficou por 15 semanas seguidas em primeiro lugar nas paradas de sucessos chamada: “It’s too late”.

“It’s too late” foi composta pela letrista toni stern que escreveu a canção em um único dia, após seu caso amoroso com o cantor James Taylor.

Carole King ganhou quatro prêmios Grammys com “It’s too late”: melhor álbum do ano, melhor performance vocal, gravação e canção do ano.

Em 2014, a Broadway homenageou a artista com o espetáculo “Beautiful: the Carole king Musical”, contando a história de uma garota sonhadora de Nova York, que acaba se tornando uma estrela do Show-business.

Vamos ouvir o clássico “It’s too late” com a cantora cubana Gloria Estefany, que está na lista de recordistas de venda de discos com mais de cem milhões de cópias vendidas no mundo.

Gloria Estefany gravou a canção em, 1994 num álbum somente com canções covers. CONFIRA:

Tente outra vez - O clássico de Raul Seixas que retrata trechos de autoajuda e infinitos conselhos com o Nenhum de Nós.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time03/06/2021 - 08:42

Vamos relembrar no dia de hoje, mais um clássico imortal do "Maluco Beleza", Raul Seixas.

O baiano, Raul Santos Seixas, frequentemente considerado como um dos pioneiros do rock no Brasil, também fez muito sucesso com suas baladas com letras que deixaram mensagens de positivismo.

Em 1975, Raul Seixas lançou o álbum “Nova Aeon”, abrindo o disco com uma canção como se fosse um poema lírico composto de estrofes e versos com um não á desistência chamada: “Tente outra vez”.

“Tente outra vez” é hoje, a terceira canção mais conhecida de Raul Seixas. Segundo ranking do Escritório Central de Arrecadação de Direitos Autorais (ECAD), a música foi a mais tocada de Raul entre 2015 e 2020.

O álbum “Novo Aeon” é considerado o disco mais célebre de Raul, e atualmente, um dos mais queridos pelos fãs.

Vamos ouvir um cover de “Tente outra vez” registrada e carimbada pela banda gaúcha Nenhum de Nós, lançada no álbum homônimo, em 1992.

Então… "Não diga que a canção está perdida"... Tenha fé em DEUS, tenha fé na vida e… ouça este clássico de Raul Seixas, que retrata trechos de autoajuda e infinitos conselhos com os gaúchos do Nenhum de Nós. CONFIRA:

I will survive - o clássico de Glória Gaynor na versão pop metal com Panic Fire.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time02/06/2021 - 08:33

Em 1978, uma música cantada pela americana Glória Gaynor e originalmente lançada no lado b do vinil, se tornou tão rápido um hit em todo o mundo, que foram feitas novas cópias do disco prensadas posteriormente no lado A.

A canção que se tornou um dos maiores clássicos da disco music lançada por Glória Gaynor foi: "I will survive".

A letra da canção que até hoje é sucesso em todos as pistas danças mostra o ponto de vista de uma mulher récem abandonada pelo companheiro.

"I will survive" foi trilha sonora do filme "Priscilla, a Rainha do Deserto", de 1994 e no Brasil, em 1979, a canção foi incluída na trilha internacional da novela "Pai heroi".

De tantas releituras que tem de "I will survive" em vários estilos, principalmente versões remixadas, quero mostrar uma pegada bem pesada lançada em 2017, banda americana Panic Fire, um pouco desconhecida, mas liderada pelo famoso guitarrista Gary Schutt. *CONFIRA:*

Woman - O clássico que John Lennon começa sussurrando um trecho de um provérbio chinês citado por Mao Zedon.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time01/06/2021 - 09:09

Meses antes de ser assinado, em 1980, John Lennon compôs e lançou uma canção dedicada especialmente a sua esposa Yoko Ono e para todas as mulheres.

A música que começa com John Lennon sussurrando um trecho de um provérbio chinês citado por Mao Zedong que diz: “para a outra metade do céu…” foi “Woman”.

“Woman” está incluída no álbum “Double fantasy” e foi escolhida para ser o segundo single do disco, mas acabou se tornando o primeiro após a sua morte em 8 de dezembro de 1980.

John Lennon sempre fez canções dedicadas às mulheres, cada uma do seu jeito e “Woman” atingiu a primeira posição nos Estados Unidos e no Reino Unido.

Vamos ouvir este clássico de John Lennon na voz de outro inglês: Ozzy Osbourne, famoso tanto por seu trabalho como vocalista da banda Black Sabbath, como por sua carreira solo, totalizando a soma de 100 milhões de álbuns vendidos.

Ozzy Osbourne gravou “Woman” em 2005, no álbum “Under cover” completamente composto por canções covers de sua preferência. CONFIRA: