Notícias em destaque

Melhora o quadro da Covid-19 em Santa Catarina

commentJornalismo access_time26/09/2021 20:45

Pela primeira vez o mapa de Santa Catarina fica sem uma única região em "vermelho"

Caravaggio luta bastante, mas perde na estreia da Série C

commentEsporte access_time25/09/2021 17:00

Próximo compromisso será contra o Jaraguá no Balsinão

Tigre perde, mas entra no grupo de Paysandu, Botafogo-PB e Ituano

commentCriciúma EC access_time25/09/2021 19:00

O Time Carvoeiro não conseguiu pontuar diante do Figueirense na capital

Blog Clássicos, com Everaldo Belada

Sol de Primavera - O clássico de Beto Guedes foi que se tornou um hino de amor e solidariedade.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time01/09/2021 - 10:32

Em 1979, o mineiro Beto Guedes, compôs uma de suas melhores músicas com uma letra cheia de sentimentos e esperança.

A canção rompeu fronteiras e em pouquíssimo tempo estava em primeiro lugar nas rádios do país inteiro.

“Sol de Primavera” foi a música que se tornou um hino de amor e solidariedade. É uma daquelas canções, que você ouve e sente uma vontade muito grande de abraçar o mundo, e faz com que olhemos os nossos semelhantes, com mais compaixão e tolerância.

A mensagem da música faz com que entendemos a lição de espalhar o bem.

Beto Guedes fez parte do Clube da Esquina, um movimento que projetou nacionalmente os compositores mineiros contemporâneos como Milton Nascimento, Lô Borges, Wagner Tiso e Fernando Brant.

Vamos ouvir “Sol de Primavera” esta obra da MPB com o próprio Beto Guedes na versão de 1999, gravado para o álbum “Dias de paz” uma seleção de releituras deste cantor e compositor mineiro. CONFIRA:

Wind of change - O clássico do Scorpions que teve como inspiração o fim da União Soviética e a queda do Muro de Berlim.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time31/08/2021 - 10:24

O clássico de hoje é a canção “Wind of change” lançada pela banda alemã Scorpions, em 1990.

“Wind of change” é uma daquelas músicas que todas as gerações irão desfrutar, contanto que a humanidade perceba, que a vida realmente é uma dádiva, e deve ser apreciada como o ar que respiramos.

Klaus Meine, vocalista do Scorpions, autor do clássico teve como inspiração nos ventos de mudança que atingiam a Europa, com a Guerra Fria terminando, o fim da União Soviética e a queda do Muro de Berlim.

“Wind of change” serviu como uma espécie de trilha sonora para uma revolução política e cultural, com os sentimentos de esperança e paz da música, expressos na letra dizendo: “o mundo está se fechando / você já pensou / que poderíamos ser tão próximos / como irmãos?”.

O Scorpions também gravou uma versão da música em Russo e uma versão em Espanhol.

Vamos ouvir a versão ao vivo de “Wind of change” com o Sorpions extraído do álbum ‘Moment of glory”, que teve participação da Orquestra Filarmônica de Berlim, gravado em 1995.** CONFIRA:

Nas curvas da estrada de Santos - O clássico de Roberto Carlos no dueto entre a baiana Pitty e o mineiro Samuel Rosa.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time30/08/2021 - 15:42

Você gosta de Roberto Carlos? Mesmo que a sua resposta seja não!

Nós da rádio Eldorado temos a certeza que pelo menos uma musica do Rei Roberto Carlos já fez parte de algum momento especial da sua vida, mesmo que seja cantada por outro artista, pois Roberto Carlos é um dos compositores mais gravados do país.

Hoje, vamos resgatar um dos maiores sucessos da carreira de roberto carlos que etá completando 52 anos. A música é “Nas curvas da estrada de Santos”, gravada em 1969.

A música integrou a trilha sonora do filme “Roberto Carlos e o Diamante cor-de-rosa” em 1970, uma das maiores bilheterias do cinema nacional até hoje.

Em termos de relevância histórica e musical, “Nas curvas da estrada de santos” só perde para “Detalhes” como a principal criação de Roberto Carlos.

Vamos ouvir este clássico de Roberto Carlos e entrar de vez “Nas curvas da estrada de santos” no dueto entre a baiana Pitty e o mineiro Samuel Rosa gravado em 2012, para uma campanha publicitária de uma marca de automóvel. CONFIRA:

Dois rios - O clássico do Skank que é uma parceria de sucesso entre Samuel Rosa, Lô Borges e Nando Reis.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time27/08/2021 - 15:36

O clássico de hoje é “Dois rios” canção lançada pela banda mineira Skank no álbum “Cosmotron” em 2003. “Dois rios” é uma parceria de sucesso entre Samuel Rosa, Lô Borges e Nando Reis.

Nando Reis contou como foi compor esta obra maravilhosa que cita tudo que existe em par, para comparar aos dois rios inteiros sem direção.

Nando conta que recebeu uma fita que continha uma linda melodia composta por Samuel Rosa e Lô Borges, ficando com a missão de escrever a letra e que foi desafiador, pois ele achou que não conseguiria fazer algo que fosse a altura daquela composição melódica.

Nando se inspirou na duplicidade e simetria do corpo humano, fazendo metáforas das relações e da natureza.

Os “Dois rios” inteiros são a composição de dois corpos inteiramente entregues um ao outro, sem rumo, sem limitações, pra enfim seus dois lados darem as mãos e conhecerem o que a voz da vida tem pra dizer.

Vamos ouvir esta obra poética “Dois rios” ao vivo com os criadores da canção: Nando Reis e Samuel Rosa. CONFIRA:

Mercedes Benz - Surpreenda com Lenine nesta criativa versão que reveste de paz este clássico rebelde.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time26/08/2021 - 10:38

Hoje, vamos recordar a canção mais conhecida da cantora norte-america Janis Joplin. Ela faleceu prematuramente em 4 de outubro de 1970, com apenas 27 anos de idade.

A música que foi escrita em um bar dois meses antes de sua morte, registrada em um guardanapo foi o clássico "Mercedes Benz".

"Mercedes Benz" foi gravada a capella em um único take no dia 1 de outubro 1970, três dias antes dela morrer. A música traz a cantora pedindo ao Senhor que prove seu amor por ela comprando-lhe uma Mercedes.

"Mercedes Benz" foi lançado no álbum póstumo, "Pearl", em janeiro de 1971. Janis Joplin deixou em seu testamento três mil dólares, onde pedia para seus amigos darem uma grande festa no dia de sua morte, não querendo vê-los triste, e os mesmos fizeram, o evento saiu em toda imprensa mundial.

Vamos ouvir este clássico na voz do pernambucano Lenine, gravado em 2004, especialmente para o álbum "Tech-set" do trompetista italiano Giorgio Li Calzi. CONFIRA:

Comes as you are - A canção do Nirvana que virou rapidamente um clássico do Grunge.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time25/08/2021 - 10:31

Para os fãs do estilo “Grunge”, o clássico de hoje vem a lembrança da foto da capa do primeiro álbum do Nirvana. O disco é o icônico “Nevermind” que tem a foto de um bebê submerso tentando pegar uma nota de Dólar preso em anzol, como isca.

“Comes as you are” é a canção do Nirvana, nosso clássico que fo, lançado em 1992, e que virou rapidamente um clássico do “Grunge”.

“comes as you are” foi escrita pelo vocalista Kurt Cobain que morreu em 05 de abril de 1994, tirando sua própria vida, aos 27 anos de idade, pondo fim a banda Nirvana.

Kurt Cobain descreveu a letra da música intencionalmente contraditória, e disse que a canção fala sobre as pessoas e da maneira como se espera que elas agissem.

Vamos ouvir o clássico de Kurt Cobain na versão de Caetano Veloso, gravado ao vivo, em 2004, no Hotel Fasano em São Paulo para o álbum “Foreign Sound”. CONFIRA:

Don't let me be misunderstood - O clássico mundial dos anos 60 na versão dançante do Santa Esmeralda.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time24/08/2021 - 10:06

Uma canção que foi feita especialmente para a cantora e pianista de jazz americana Nina Simone, que gravou sua primeira versão em 1964… E que posteriormente foi coberta por muitos artistas, mas que principalmente se tornou um hit mundial na versão blues rock com o grupo inglês The Animals foi: "Don't let me be misunderstood".

"Don't let me be misunderstood" se tornou um clássico, sendo revisitado na voz de Joe Coecker, Elvis Costelo, Cindy Lauper, Simple Red, Bruce Springsteen, Lady Gaga, Lana Del Rey, Cat Stevens e vários outros grandes artistas.

Vamos ouvir a versão mais pop e conhecida deste clássico, gravado no verão de1977 pelo grupo americano Santa Esmeralda, que acrescentou nos arranjos alguns elementos da disco music, flamenco e ritmos latinos atingindo o primeiro lugar na Billboard.

Então, vamos nos divertir ao som dançante do Santa Esmeralda com "Don’t let me be misunderstood". CONFIRA:

Meu mundo e nada mais - O clássico de Guilherme Arantes composto com ele tinha apenas 16 anos de idade.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time23/08/2021 - 15:20

Guilherme Arantes é sem dúvida um dos maiores artistas da MPB. O cantor e compositor Ed Motta disse que, Guilherme Arantes é o “Chopin” da música contemporânea brasileira.

A comparação cai bem, pois Guilherme Arantes é um compositor e pianista de mão cheia, escrevendo músicas simples, mas, com muita qualidade.

Em 1969, com apenas 16 anos de idade Guilherme Arantes compôs “Meu mundo e nada mais”, a canção só foi gravada e lançada sete anos depois, como tema da novela “Anjo mau” tornando-se o seu primeiro grande sucesso.

A letra de “Meu mundo e nada mais” é o reflexo de uma adolescência cheia de angustia e desespero.

Vamos ouvir a música que fala do nosso “quarto escuro”, da nossa “meia-noite”: “Meu mundo e nada mais”, na bela interpretação do cantor Daniel, gravado em 2014, para o seu musical de 30 anos de carreira. CONFIRA:

Holiday - o clássico de Madonna que se tornou o primeiro single de sucesso da cantora nos Estados Unidos.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time20/08/2021 - 01:23

Nova york, verão de 1981, depois de alguns desentendimentos, uma mocinha de 21 anos entra aos berros, nos estúdios de uma sucursal da gravadora Warner causando um reboliço entre os engenheiros de som dizendo que só iria gravar a música do jeito dela.

Um dos técnicos, diz ao engenheiro – "Ok! Vamos deixar essa menina fazer do seu jeito - daqui mais uns dias não lembraremos mais dela".

Meses depois, a música daquela mocinha voluntariosa e que já se achava uma estrela, é lançada.

Com uma instrumentação de guitarras, palmas, um chocalho e um arranjo de cordas sintetizado, a música foi aclamada pela crítica e a canção chamada “Holiday” se tornou o primeiro single de sucesso da cantora Madonna nos Estados Unidos.

"Holiday" esteve em todas turnês de Madonna e geralmente é incluída como parte do bis.

O clássico já foi regravado por vários artistas como a que vamos ouvir agora com a dupla americana de indie pop Capital Cities, que gravou “Holiday” para a trilha sonora do filme “Office christmas party”, em 2016. CONFIRA:

Sailing - O clássico de Rod Stewart combinado em estúdio com os belos arranjos da The Royal Philharmonic Orchestra gravado em 2019.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time19/08/2021 - 01:17

O clássico de hoje, foi escrito por Gavin Sutherland e gravado pelo grupo escocês Sutherland Brothers Band, lançado em 1972, mas a canção não fez nenhum sucesso na época.

Vamos ouvir “Sailing”, na versão de Rod Stewart que gravou a música em 1975, para o aclamado álbum "Atlantic crossing" que vendeu 16 milhões de cópias em todo o mundo.

Na voz de Rod Stewart “Sailing” se tornou um hit número um em vários países e principalmente aqui no Brasil. Rod Stewart cantou a música no concerto em memória a Princesa Diana, no Estádio de Wembley em 2007.

vamos navegar nas ondas da Eldorado e matar a saudade com a mais nova versão de “Sailing” com Rod Stewart combinado em estúdio com os belos arranjos da The Royal Philharmonic Orchestra, gravado em 2019. CONFIRA:

Rádio pirata - O clássico do rock nacional criado por Luis Schiavon e Paulo Ricardo, fundadores do RPM.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time18/08/2021 - 01:11

O clássico de hoje traz uma composição de Luis Schiavon e Paulo Ricardo, fundadores do RPM.

Em maio de 1985, chegou as lojas o álbum de estreia do RPM: “Revoluções por minuto”, na época que o país ainda estava perplexo com a morte do presidente Tancredo Neves.

As faixas do disco tratavam de temas politicos e transformações socioeconômicas e a canção que teve o intuito de engajar os jovens para uma revolução foi “Rádio pirata”.

“Rádio pirata” inicialmente foi censurada, mas não impediu que algumas rádios a tocasse. A música tem uma mistura de protesto e ao mesmo tempo é uma música jovem, e foi um simbolo histórico da luta contra o poder.

O RPM alcançou o impressionante número de 3 milhões de discos vendidos e mais de 250 shows feitos em menos de um ano.

Vamos ouvir, nas ondas da Rádio Eldorado a versão de “Rádio pirata” ao vivo com o RPM no retorno da banda, em 2002 na gravação do CD e DVD ao vivo MTV. CONFIRA:

Gostava tanto de você - O clássico de Tim Maia na versão do grupo paulista Sambô.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time17/08/2021 - 01:05

Sebastião Rodrigues Maia, um dos maiores ícones da Música Popular Brasileira, conhecido com o nome artístico de Tim Maia, gravou em 1973, uma canção que ficou eternizada em sua voz rouca, rasgada e grave.

A música que foi escrita por Edson Trindade e se tornou um clássico da MPB na voz de Tim Maia foi: "Gostava tanto de você".

De acordo com Erasmo Carlos, grande amigo de Tima Maia, a canção foi composta na década de 1950 para uma ex-namorada, do autor Edson Trindade.

Tim maia, morreu em uma ambulância, após ter duas paradas cardiorrespiratórias, durante um show, em 15 de março de 1998.

Vamos sambar ao som de "Gostava tanto de você" com o grupo paulista Sambô, que mistura, samba com diversos outros estilos musicais, como o rock e o pop.

A faixa está no álbum "Pediu pra sambar, sambô” gravado ao vivo, em 2015. CONFIRA:

Skyline pigeon - O primeiro clássico de Elton John que se tornou a sua música mais popular.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time16/08/2021 - 13:20

Em 1968, o cantor e pianista britânico Elton John lançou seu álbum de estreia chamado “Empty sky”. O disco foi lançado inicialmente somente na Inglaterra e uma música em especial chamaria a atenção das rádios britânicas.

Então, a canção “Skyline pigeon” começou a tocar incessantemente e se tornou a música mais popular do cantor em todo mundo até hoje. No Brasil, “Skyline pigeon” foi popularizado através da novela “Carinhoso” em 1973.

Em 2009, em um de seus shows em São Paulo, Elton John voltou ao palco para o bis, e encerrar a apresentação apenas em piano e voz, para os 30 mil fãs presentes no espetáculo que se emocionarem do começo ao fim da música.

Vamos ouvir está clássica apresentação de Elton John no Brasil com “Skyline pigeon”. CONFIRA:

Pintura íntima - "Fazer amor de madrugada" o primeiro refrão do Kid Abelha a ficar na cabeça dos Brasileiros.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time13/08/2021 - 13:14

No Clássico de hoje, vamos voltar a 1981, quando Paula Toller conheceu Leoni na faculdade, no Rio de Janeiro. Ambos estudavam na PUC, e começaram a namorar, então Paula passou a visitar os ensaios da banda "Chrisma", formada por Leoni.

Leoni convidou Paula para entrar na banda e ela recusou, alegando ser muito tímida. Mais tarde George Israel foi visto por Leoni tocando saxofone em Búzios e ingressou na banda, e Paula Toller acabou sendo convencida a encarar os vocais.

E assim nasceu o Kid Abelha e as Aboboras Selvagens, nome escolhido as pressas durante uma transmissão ao vivo na Rádio Fluminense FM.O sucesso foi imediato que a banda acabou sendo contratada para gravar o primeiro compacto pela Warner e "fazer amor de madrugada" foi o primeiro refrão do Kid Abelha a ficar na cabeça dos brasileiros.

vamos ouvir o clássico “Pintura íntima” com a versão acústica do Kid Abelha lançado em 2002, para o álbum MTV ao vivo. CONFIRA:

Take a look me now - O clássico de Phil Collins escrito para o filme “Paixões violentas”.

 personClássicos, com Everaldo Belada
access_time12/08/2021 - 11:29

O britânico Phil Collins, baterista e vocalista do Gênesis foi um dos artistas que melhor se deu bem em carreira solo.

Especialista em baladas pop românticas, Phil Collins foi convidado para escrever uma canção como tema principal para o filme “Paixões violentas”, em 1984.

O resultado foi a poderosa balada: Ttake a look me now”, que rapidamente alcançou o primeiro lugar na Billboard, ganhou o Grammy de melhor performance vocal e levou o oscar de canção do ano.

Phil Collins relatou que a música foi inspirada e escrita logo após o rompimento entre ele e sua primeira esposa. A canção já foi regravada por vários artistas, algumas das quais fizeram sucesso nos Estados Unidos e no Reino Unido.

A versão que também alcançou o primeiro lugar em vários países foi a releitura que vamos ouvir agora, feita em 1999 pela cantora americana Mariah Carey. *CONFIRA:*