Notícias em destaque

  Manifestantes protestam contra Reforma da Previdência em Criciúma

commentJornalismo access_time19/02/2018 10:40

Sindicalistas e estudantes estão em frente à agência do INSS desde as 8h desta segunda-feira (19)

Flamengo conquista a Taça Guanabara

commentEsporte access_time19/02/2018 09:00

Com a conquista da competição, a equipe do Flamengo está classificada para semifinal do Campeonato Carioca

Criciúma empata em Tubarão

commentCriciúma EC access_time18/02/2018 21:30

Pela 09ª rodada do Campeonato Catarinense, o Criciúma enfrentou o Hercílio Luz e a partida não saiu do 0x0

 
Importação de alho provocava protesto em 1984

A produção catarinense era a segunda maior do País, com 10 mil toneladas naquela safra

comment Jornalismo access_time17/10/2017 - 14:40

Fonte: Antonio Colossi / Rádio Eldorado - Foto: Arquivo Esperidião Amin

Sete mil produtores rurais, em 400 automóveis, 300 tratores e 100 caminhões interditaram em 17 de outubro de 1984, por uma hora e meia, o trânsito na BR 470, no município de Curitibanos, para protestar contra o governo federal por ter autorizado a importação de trezentas mil caixas de alho da Espanha e, assim, comprometer totalmente o mercado consumidor para a produção de Santa Catarina.

Ao tomar conhecimento da manifestação, pela imprensa, o então governador Esperidião Amin, suspendeu toda sua programação em Florianópolis e deslocou-se 325 quilômetros até Curitibanos, onde dirigiu um trator sobre a BR 470 (Foto), criticou a Cacex, que era a Carteira de Comércio Exterior do Banco do Brasil, e desaprovou a politica agrícola adotada pelo governo federal.

O na época Secretário de Agricultura, Vilson Kleinubing, se comprometeu a conseguir mercado para o consumo de toda de toda a produção da safra catarinense, nem que para isso tivesse que contratar caminhões e vender alho nas praças de São Paulo e Rio de Janeiro.

O protesto começou as oito da manhã, diante da cooperativa regional do planalto catarinense e depois se estendeu para a BR 470, onde os produtores de alho enterraram um boneco do diretor da Cacex, Carlos Viacava, e queimaram outro, do assessor do mesmo órgão, Mauricio Sousa de Assis.

Depois, montaram uma grande fogueira e atearam fogo em 600 caixas de alho, na totalidade de 6 toneladas.

O que mais irritou os produtores foi o fato de a importação ter sido autorizada exatamente no momento em que a produção catarinense – a segunda maior do País, com 10 mil toneladas naquela safra – estava se esquematizando para ingressar no mercado consumidor nacional.

micÁudio da notícia

Ouça um relato do então Governador de SC, Esperidião Amin, sobre o protesto ocorrido há 33 anos



content_copyAssuntos relacionados

Mais notícias de Jornalismo

  Manifestantes protestam contra Reforma da Previdência em Criciúma

commentJornalismo access_time19/02/2018 10:40

Sindicalistas e estudantes estão em frente à agência do INSS desde as 8h desta segunda-feira (19)

  Gelson Merisio: não existem dois governadores

commentJornalismo access_time19/02/2018 10:00

Presidente estadual do PSD diz que fim do governo de Raimundo Colombo será apenas em abril

  Comin diz que deixou cargo porque "acabou o governo Colombo"

commentJornalismo access_time19/02/2018 08:40

Deputado deixou a Secretaria de Ação Social na última sexta-feira (16)

Encontro de motos contabiliza mais de mil participantes

commentJornalismo access_time18/02/2018 18:22

Evento aconteceu neste final de semana na Avenida Leoberto Leal, no Balneário Rincão

Arrancada de Caminhões tem atrações confirmadas

commentJornalismo access_time18/02/2018 14:00

O evento existe a mais de 30 anos e chega à 28ª edição