Notícias em destaque

AgroPonte 2018: Agricultura familiar com mais de 40 cooperativas

commentJornalismo access_time23/07/2018 11:30

Atividade econômica é considerada a mais importante do Estado

Metropolitano é tri-campeão da Copa Sul

commentEsporte access_time23/07/2018 10:00

Com a conquista, o Metropolitano será o representante da região sul no campeonato estadual de futebol não profissional adulto de 2018

Últimos preparativos para o confronto contra o CRB

commentCriciúma EC access_time23/07/2018 10:30

Tigre viajou para Maceió onde enfrenta o adversário pela 17ª rodada da Série B

 
Importação de alho provocava protesto em 1984

A produção catarinense era a segunda maior do País, com 10 mil toneladas naquela safra

comment Jornalismo access_time17/10/2017 - 14:40

Fonte: Antonio Colossi / Rádio Eldorado - Foto: Arquivo Esperidião Amin

Sete mil produtores rurais, em 400 automóveis, 300 tratores e 100 caminhões interditaram em 17 de outubro de 1984, por uma hora e meia, o trânsito na BR 470, no município de Curitibanos, para protestar contra o governo federal por ter autorizado a importação de trezentas mil caixas de alho da Espanha e, assim, comprometer totalmente o mercado consumidor para a produção de Santa Catarina.

Ao tomar conhecimento da manifestação, pela imprensa, o então governador Esperidião Amin, suspendeu toda sua programação em Florianópolis e deslocou-se 325 quilômetros até Curitibanos, onde dirigiu um trator sobre a BR 470 (Foto), criticou a Cacex, que era a Carteira de Comércio Exterior do Banco do Brasil, e desaprovou a politica agrícola adotada pelo governo federal.

O na época Secretário de Agricultura, Vilson Kleinubing, se comprometeu a conseguir mercado para o consumo de toda de toda a produção da safra catarinense, nem que para isso tivesse que contratar caminhões e vender alho nas praças de São Paulo e Rio de Janeiro.

O protesto começou as oito da manhã, diante da cooperativa regional do planalto catarinense e depois se estendeu para a BR 470, onde os produtores de alho enterraram um boneco do diretor da Cacex, Carlos Viacava, e queimaram outro, do assessor do mesmo órgão, Mauricio Sousa de Assis.

Depois, montaram uma grande fogueira e atearam fogo em 600 caixas de alho, na totalidade de 6 toneladas.

O que mais irritou os produtores foi o fato de a importação ter sido autorizada exatamente no momento em que a produção catarinense – a segunda maior do País, com 10 mil toneladas naquela safra – estava se esquematizando para ingressar no mercado consumidor nacional.

micÁudio da notícia

Ouça um relato do então Governador de SC, Esperidião Amin, sobre o protesto ocorrido há 33 anos



content_copyAssuntos relacionados

Mais notícias de Jornalismo

AgroPonte 2018: Agricultura familiar com mais de 40 cooperativas

commentJornalismo access_time23/07/2018 11:30

Atividade econômica é considerada a mais importante do Estado

  Assinada ordem de serviço para pavimentação do parque Jerônimo Spillere

commentJornalismo access_time23/07/2018 11:00

Ordem de Serviço que confere pavimentação ao Parque Industrial do Caravaggio foi assinada na última sexta-feira (20)

  Criciúma recebe Seminário Internacional de Educação

commentJornalismo access_time23/07/2018 10:30

Encontro tratá práticas do modelo italiano de educação infantil e terá especialistas de Reggio Emilia, referência mundial em educação para crianças

  Linha do Tempo: Há 25 anos acontecia a chacina da Candelária

commentJornalismo access_time23/07/2018 10:00

Oito jovens, seis menores e dois maiores de idade, moradores de rua foram assassinados nas proximidades da Igreja de Nossa Senhora da Candelária, no Rio de Janeiro

  Prefeitura de Florianópolis estuda opção para diminuir filas

commentJornalismo access_time23/07/2018 09:00

Filas quilométricas são registradas durante quase todas as manhãs na capital