Notícias em destaque

Com reforço na cocriação, Expomais retorna em novembro

commentJornalismo access_time24/06/2022 14:42

UniSul, Unibave e Prefeitura de Criciúma juntam-se à Acic, CDL, Esucri, IFSC, Satc, Sebrae, Senac, Sesi/Senai e Unesc para cocriar a sexta edição.

Caravaggio vence o Carlos Renaux fora de casa

commentEsporte access_time08/06/2022 14:52

Azulão da Montanha derrotou equipe de Brusque por 1 a 0

Tigre vence o Vila Nova no Majestoso

commentCriciúma EC access_time25/06/2022 14:52

O gol do confronto válido pela 14ª rodada foi marcado por Maquinhos Gabriel, de pênalti, no primeiro tempo da partida.

Blog André Abreu

Guerra na Ucrânia sem perspectiva de fim

 personAndré Abreu
access_time03/05/2022 - 07:30

Para a professora de Relações Internacionais da ESPM, de Porto Alegre, Eveline Brígido essa guerra começou em 2014 com a anexação da Crimeia pela Rússia. Para ela não há perspectiva de cessar fogo. Ainda que Zelenskyy abra mão de alguns pontos os dois líderes não chegam a um acordo, pois a disputa pelo leste da Ucrânia continua fortte. O apoio da OTAN vem aumentando em rrelação à Ucrânia: o que a princípio era armamento para defesa agora passa a ser armamento pesado para ataque aos russos.

Confira o áudio abaixo.

Biden anuncia liberação de 60 milhões de barris de petróleo da Reserva Estratégica

 personAndré Abreu
access_time02/03/2022 - 07:39

Trecho de discurso de Biden no Congresso dos EUA

"É por isso que a Aliança da OTAN foi criada para garantir a paz e a estabilidade na Europa após a 2ª Guerra Mundial.

Continua após anúncio

Fim do anúncio

Os Estados Unidos são membros, juntamente com outras 29 nações.

Isso importa. A diplomacia norte-americana importa. Os norte-americanos resolvem as coisas.

O último ataque de Putin à Ucrânia foi premeditado e não provocado.

Ele rejeitou repetidos esforços na diplomacia. "

"Passei incontáveis horas unificando nossos aliados europeus. Compartilhamos com o mundo com antecedência o que sabíamos que Putin estava planejando e precisamente como ele tentaria justificar falsamente sua agressão.

Juntamente com 27 membros da União Europeia, incluindo França, Alemanha, Itália, bem como países como Reino Unido, Canadá, Japão, Coreia, Austrália, Nova Zelândia e muitos outros, até mesmo a Suíça.

Juntamente com nossos aliados – estamos agora aplicando poderosas sanções econômicas.

"Estamos cortando os maiores bancos da Rússia do sistema financeiro internacional.

Impedindo o banco central da Rússia de defender o Rublo Russo tornando o "fundo de guerra" de Putin de US$ 630 bilhões inútil.

Estamos sufocando o acesso da Rússia à tecnologia que irá diminuir sua força econômica e enfraquecer seus militares nos anos seguintes.

Esta noite eu digo aos oligarcas russos e líderes corruptos que perderam bilhões de dólares deste regime violento não mais. "Estamos nos juntando com nossos aliados europeus para encontrar e apreender seus iates seus apartamentos de luxo seus jatos particulares. Estamos vindo para seus ganhos mal gerados.

E esta noite anuncio que nos juntaremos aos nossos aliados para fechar o espaço aéreo americano para todos os voos russos – isolando ainda mais a Rússia – e adicionando um aperto adicional em sua economia. O Rublo perdeu 30% do seu valor.

O mercado acionário russo perdeu 40% de seu valor e a negociação permanece suspensa. A economia russa está cambaleando e só Putin é o culpado.

Juntamente com nossos aliados, estamos apoiando os ucranianos em sua luta pela liberdade. Assistência militar. Assistência econômica. Assistência humanitária.

Estamos dando mais de 1 bilhão de dólares em assistência direta à Ucrânia.

E continuaremos a ajudar o povo ucraniano enquanto defendem seu país e ajudarão a aliviar seu sofrimento. "

"Esta noite, posso anunciar que os Estados Unidos trabalharam com outros 30 países para liberar 60 milhões de barris de petróleo de reservas ao redor do mundo.

Os EUA irão liderar esse esforço, liberando 30 milhões de barris da nossa própria Reserva Estratégica de Petróleo. E estamos prontos para fazer mais, se necessário, unificados com nossos aliados.

Essas etapas ajudarão a reduzir os preços da gasolina aqui em casa. E eu sei que as notícias sobre o que está acontecendo podem parecer alarmantes.

Mas quero que saiba que vamos ficar bem. "

"Putin pode circular Kiev com tanques, mas ele nunca ganhará os corações e almas do povo ucraniano.

Ele nunca extinguirá seu amor pela liberdade. Ele nunca enfraquecerá a determinação do mundo livre. "

24 horas decisivas para a Ucrânia

 personAndré Abreu
access_time28/02/2022 - 07:17

As próximas 24 horas serão cruciais para a Ucrânia, segundo o presidente ucraniano Zelensky

Em uma ligação telefônica com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson esta noite, o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky disse que acredita que as próximas 24 horas serão um período crucial para a Ucrânia enquanto o combate continua pelo país.

Durante a conversa, o primeiro-ministro britânico elogiou a liderança de Zelensky desde a invasão russa, de acordo com informações do porta-voz do goerno do Reino Unido.

Johnson ressaltou que o Reino Unido fará tudo que estiver ao seu alcance para que ajuda defensiva chegue à Ucrânia do Reino Unido e de seus aliados.

Os dois líderes concordaram ficar em contato próximo nas próximas horas.

As tropas russas entraram Kharkiv, a segunda maior cidade do país, e os ataques continuam ao redor da capital Kiev enquanto 368 mil ucranianos deixaram o país em direção à Polônia, segundo dados das Nações Unidas que foram divulgados na manhã de hoje.

As images compartilhadas online mostraram chamas e nuvens de fumaça após mísseis russos atingirem os arredores da cidade durante a noite.

Na cidade de Vasylkiv, sudoeste da capital, um míssel atingiu um terminal de petróleo.

"O inimigo quer destruir tudo," disse a prefeita da cidade, Natalia Balasinovich.

As autoridades de Kiev ordenaram que os cidadãos fiquem dentro de suas casas até segunda-feira pela manhã enquanto as forças russas cercam a cidade.

Novo sistema de agendamento para passaporte italiano

 personAndré Abreu
access_time01/02/2022 - 07:15

A partir desta terça-feira (01/02), o agendamento para a obtenção de passaporte junto ao Consulado Geral da Itália em Curitiba será através de videochamada pelo aplicativo Whatsapp. O novo sistema substitui o atual, que é feito através do Prenot@mi, em funcionamento desde julho do ano passado, por sua vez sucessor do Prenota Online.

A informação foi fornecida aos conselheiros do Comites – ‘Comitato degli Italiani all’Estero’ da circunscrição consular, reunidos em Laguna-SC no sábado (29/01), pelo cônsul geral Salvatore Di Venezia.

Segundo Di Venezia – explica Petruzziello – a mudança, já pensada há algum tempo, ocorre “para responder à demanda da comunidade italiana e realizar um sistema de agendamento justo e personalizado que evite intromissões de terceiros”. O novo sistema de agendamento será utilizado exclusivamente para o setor de passaportes e as chamadas devem ser pessoais, pelo número +55 41 98784-9869. A ativação do serviço é “a título experimental”.

No momento da videochamada o interessado deverá apresentar, também em vídeo, documento de identificação com foto em vigor (menos de 10 anos de emissão), RG ou passaporte brasileiro, além de comprovante de endereço atualizado. O novo serviço estará disponível, num primeiro momento, de segunda a quinta-feira, das 9 às 12 horas.

Assange mais próximo de ser extraditado para os EUA

 personAndré Abreu
access_time11/12/2021 - 10:18

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, se aproximou mais uma vez nesta sexta-feira (10) de enfrentar acusações criminais nos Estados Unidos por um dos maiores vazamentos de informações confidenciais depois que o governo dos EUA ganhou um recurso sobre sua extradição em um tribunal inglês.

As autoridades norrte-americanas acusam Assange, 50 anos, nascido na Austrália, de 18 acusações relacionadas à liberação do WikiLeaks de vastas séries de registros militares confidenciais dos EUA e comunicações diplomáticas que, segundo eles, colocaram vidas em perigo.

Os partidários de Assange defendem o ativista como um herói anti-sistema que foi perseguido pelos Estados Unidos por expor as irregularidades do país e as contradições nas relações diplomáticas e na prática em todo o mundo, cobrindo os casos do Afeganistão, do Iraque e as relações com Washington.

No Tribunal Real de Justiça de Londres, os Estados Unidos ganharam um recurso contra uma decisão de um juiz distrital de Londres de que Assange não deveria ser extraditado porque ele provavelmente cometeria suicídio em uma prisão dos EUA.

O juiz Timothy Holroyde disse que estava satisfeito com um pacote de garantias dadas pelos Estados Unidos sobre as condições da detenção de Assange, incluindo uma promessa de não mantê-lo em uma chamada prisão de segurança máxima "ADX" no Colorado e que ele poderia ser transferido para a Austrália para cumprir sua sentença se condenado.

Outros obstáculos permanecem antes que Assange possa ser enviado para os Estados Unidos após uma odisseia que o levou de hacker adolescente em Melbourne a anos escondido na embaixada equatoriana em Londres e depois encarcerado em uma prisão de segurança máxima no Reino Unido.

A disputa legal irá para a Suprema Corte, a última corte de apelação do Reino Unido.

Reino Unido flexibiliza entrada de brasileiros vacinados

 personAndré Abreu
access_time08/10/2021 - 11:28

O Reino Unido facilitará a chegada de pessoas de países como Índia, Brasil e Turquia e descartará os rígidos requisitos de quarentena para a covid-19 para 47 destinos, incluindo a África do Sul, na próxima segunda-feira (11), no último estágio de relaxamento das regras.

O setor de turismo no Reino Unido perdeu essencialmente dois verões inteiros depois que as restrições de viagens impostas para conter a disseminação da covid-19 impediram muitas pessoas de sair de férias.

Companhias aéreas como a Ryanair e a EasyJet disseram que testes caros e restrições que mudam com frequência atrasaram qualquer recuperação, deixando o setor no país atrás de seus pares europeus.

Na quinta-feira (30), o ministro dos Transportes, Grant Shapps, disse que removeria 47 destinos da lista vermelha que exigia que os viajantes ficassem dez dias em quarentena em um hotel. Sete países permanecem na lista, incluindo Colômbia, Equador, Panamá e Venezuela.

"Restaurar a confiança das pessoas nas viagens é a chave para reconstruir nossa economia e nivelar este país", disse. "Com menos restrições e mais pessoas viajando, todos nós podemos continuar avançando com segurança em nosso caminho de recuperação."

A necessidade de quarentena continua para brasileiros vacinados com a Coronavac.

A permissão é válida somente para pessoas imunizadas com vacinas aprovadas no Reino Unido: AstraZeneca, Janssen, Pfizer e Moderna. Brasileiros que tomaram a Coronavac ou que não estão vacinados ainda vão precisar cumprir o período de isolamento.

Para os vacinados, continua sendo obrigatório testar negativo em um teste três dias antes de viajar e passar por outros dois testes no território britânico, no segundo e no oitavo dias após a chegada, além de cumprir uma quarentena de dez dias em lugar escolhido pelo viajante.

*Com informações da Agência Brasil.

O poder dos EUA questionado

 personAndré Abreu
access_time12/09/2021 - 12:25

O Doutor em Estudos Estratégicos Internacionais, professor Roberto Uebel, faz uma análise sobre o poderio dos EUA após os ataques de 11 de setembro.
Confira abaixo o áudio da entrevista com o professor da ESPM-Porto Alegre, que foi ao ar no Edição Extra deste domingo (12).

Minuto a minuto - 11 de setembro

 personAndré Abreu
access_time11/09/2021 - 10:25

Era uma terça-feira com um dia claro muito bonito. Os céus azuis anunciavam um dia muito agradável de outono na região de Boston.

Saí para trabalhar. Nós costumávamos ouvir o rádio no trabalho. Enquanto eu estava me deslocando para o trabalho jamais imaginaria que dois dos aviões que se chocaram com as torres partiriam do Logan, o aeroporto que serve toda a região de Boston e boa parte do nordeste dos EUA.

Assim quando o primeiro avião bateu às 8h46 o rádio deu um boletim rápido sobre o possível acidente. Era o voo 11, da American Airlines. O pessoal com quem eu trabalhava já comentava que parecia um ataque terrorista. Enquanto o dia transcorria as pessoas se prendiam às telas de TV nos pequenos cafés pela cidade.

Quando o segundo avião se chocou com a Torre Sul, atingindo os andares 77 a 85, às 9h03, a certeza de um ataque terrorista era total. Um avião se chocando com uma torre poderia ser até um acidente, mas dois aviões se chocando com o que seria mais tarde o Marco Zero da cidade de Nova York, só poderia ser resultado de uma ação planejada.

Mais pessoas se juntavam em frente às TVs em várias lojas e cafés. Havia agora um clima de ameaça sobre o país e se falava que o presidente Bush estava em uma visita em uma escola em Sarasota na Flórida quando foi informado do ataque. O vice-presidente Dick Cheney estava na Casa Branca e seria levado a um bunker 30 minutos depois. Os EUA estavam diante de um cenário novo. Às 9h45 o espaço aéreo do país era fechado.

As ruas foram esvaziando ao longo do dia. As pessoas foram indo para casa. Os carros pararam de circular. Não se tinha ideia de que as torres iriam cair. Às 9h53, um avião atinge o Pentágono. Às 10h, a Torre Sul cai. Às 10h03 o voo 93 é derrubado num campo no interior da Pensilvânia pelos próprios passageiros em luta contra os terroristas a bordo.

As pessoas assistiram incrédulas quando a primeira torre desabou. Antes das 10h30 a segunda torre caía diante dos telespectadores.

Um clima de tristeza se estendeu por todo aquele dia. Dias sombrios seguiram-se por todo ano. A esperança de legalização de milhões de imigrantes indocumentados nos Estados Unidos morreu também naquele dia. As embaixadas e consulados no mundo inteiro endureceram mais nos processos de vistos. Muitas pessoas tiveram as portas fechadas. Estrangeiros começaram a ser vistos como uma ameaça ao país.

O dia terminou com as imagens das Torres Gêmeas caindo na memória dos norte-americanos.
Confira abaixo o 11 de setembro - minuto a minuto.

Biden não atinge meta de vacinação

 personAndré Abreu
access_time04/07/2021 - 17:39

Dois meses depois do Presidente dos EUA, Joe Biden, ter anunciado a meta de vacinar 70% dos adultos nos Estados Unidos com pelo menos uma dose da vacina até hoje, 4 de julho, dia em que o país celebra o Dia da Independência, a conclusão é uma: o fim da pandemia ainda não chegou para os norte-americanos.

O número foi definido por Biden, que prometeu que neste domingo (04) os norte-americanos celebrariam a sua “independência” do vírus, numa tentativa de reunir esforços entre uma população que deseja o fim das restrições para dar resposta à pandemia da COVID-19. Mas os 70% não foram atingidos a tempo, com os Estados Unidos a registrarem atualmente, segundo dados do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) 67% da população com mais de 18 anos vacinada com pelo menos uma dose da vacina.

No total, até ao momento, aproximadamente 157 milhões de norte-americanos estão já totalmente vacinados contra a doença, o que corresponde a 58,1% dos maiores de 18 anos e a 47,3% da população total.

No sentido oposto ao idealizado, há mesmo algumas cidades norte-americanas como Los Angeles e St. Louis que, perante a crescente propagação da variante Delta, estão dando alguns passos atrás no nível das restrições, apelando até mesmo às pessoas vacinadas para que continuem a usar a máscara.

Além disso, as autoridades de saúde estão alertando para o aumento das internações nos hospitais em estados como o Missouri e Utah, onde grande parte da população ainda não foi vacinada, segundo a ABC News.

Em março os EUA atingiram 100 milhões de doses de vacina administradas. Em abril conseguiram atingir 100 milhões de pessoas vacinadas com duas doses. O Brasil chegou a 135 milhões de doses distribuídas no final de junho de acordo com o ministro da Saúde Marcelo Queiroga.

No Brasil a primeira pessoa a ser vacinada contra a COVID-19 foi em 19 de janeiro de 2021. Foi a enfermeira Maria José Monteiro, 66 anos. A primeira pessoa a ser vacinada nos EUA, uma enfermeira de Nova Iorque, foi em 15 de dezembro de 2020.

Mundo tem que trabalhar pela paz no Oriente Médio

 personAndré Abreu
access_time19/05/2021 - 07:39

Os conflitos entre Israel e a Faixa de Gaza aumentaram em proporção nos últimos dias. Não se enxerga ainda a possibilidade de um cessar-fogo.
Uma trégua possibilitaria colocar os dois lados na mesa de negociação. A falta de liderança do presidente dos EUA, Joe Biden, tem sido criticada mesmo entre os democratas em Washington.
O número de mortes pode crescer mais nos próximos dias e a crise pode atingir um ponto em que não haja possibilidade de negociação, por isso a diplomacia tem que trabalhar intensamente em busca da paz.
Os combates entre Israel e os palestinos têm resultado em declarações de preocupação da comunidade internacional e esforços diplomáticos para deter a violência.

O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, está realizando conversações na terça-feira (18) com os ministros das Relações Exteriores da UE para discutir a melhor forma de apoiar a desescalada do conflito.

Autoridades dos EUA têm falado sobre os esforços para trabalhar nos bastidores para acalmar a situação, incluindo a coordenação com outros países da região.

"A maneira mais eficaz que sentimos que podemos fazer isso é através da diplomacia silenciosa e intensiva, e é nisso que nosso foco está neste momento", disse Psaki.

Em um telefonema na segunda-feira (17) com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, o presidente dos EUA Joe Biden reiterou o apoio a Israel para "se defender contra ataques indiscriminados de foguetes", ao mesmo tempo em que busca fazer com que Israel "garanta a proteção de civis inocentes".

Esta é a primeira vez que Biden se posiciona publicamente a favor de um cessar-fogo, após ter sido pressionado por integrantes do Partido Democrata e representantes de outros países para que exerça um papel mais ativo na crise no Oriente Médio. Até agora, o governo americano vinha evitando solicitar uma trégua no conflito e apenas oferecendo mediação no caso de negociações.

"O presidente expressou seu apoio a um cessar-fogo e falou sobre o compromisso dos EUA, Egito e outros aliados com essa finalidade", diz o comunicado da Casa Branca

O presidente francês Emmanuel Macron disse que terá conversações com Netanyahu nos próximos dias e pediu um cessar-fogo "o mais rápido possível". Ele acrescentou que a França está apoiando a mediação do Egito no conflito, que tem sido fundamental para acabar com as rodadas anteriores de combates entre Israel e militantes palestinos.

A chanceler alemã Angela Merkel disse que conversou na segunda-feira (17) com Netanyahu e expressou seu apoio ao direito de autodefesa de Israel.

Enquanto líderes internacionais buscam garantir um cessar-fogo entre as partes não há ainda sinais claros de um esfriamento no tenso conflito que vivem os judeus e palestinos nos últimos dias.

Júri considera ex-policial norte-americano culpado pela morte de George Floyd

 personAndré Abreu
access_time20/04/2021 - 18:42

O ex-policial Derek Chauvin, que foi levado ao tribunal de Minnesotta pelo Ministério Público do estado, foi considerado culpado dos três crimes de homicídio doloso em graus diferentes. O ex-policial foi levado algemado e de volta à prisão logo após a leitura do veredito pelo juiz Cahil.

A multidão ocupa as ruas de Minneapolis no momento. Eles aguardavam o veredito e quando ouviram que Chauvin foi considerado culpado pelo júri em todos os crimes que foi julgado, celebraram nas ruas. Ele pode pegar 40 anos de prisão. A sentença será divulgada daqui a oito semanas, mas o ex-policial permanecerá na prisão.

Derek Chauvin servia como policial quando abordou George Floyd. Segundo a polícia, ele usou força excessiva na abordagem, o que levou à morte do homem negro, que foi pressionado em seu pescoço pelo joelho do policial.

O crime ocorreu em maio de 2020 e levou a uma onda de protestos nos EUA e no mundo liderados pelo movimento Black Lives Matter.

Trump absolvido pelo Senado

 personAndré Abreu
access_time14/02/2021 - 10:51

O Senado dos EUA votou neste sábado (13) o impeachment do ex-presidente Trump. O ex-presidente foi acusado de incitamento à insurreição da multidão contra o Congresso no dia 6 de janeiro. A Câmara aprovou o impeachment há um mês. O processo foi enviado para o Senado que fez o julgamento do ex-presidente. Os deputados da Câmara serviram como promotores no processo. Trump teve três advogados para o defender.

A tendência para a absolvição de Donald Trump se confirmou na votação.

Os votos para a condenação foram 57.

43 senadores votaram pela absolvição.

Os democratas precisavam obter 67 votos para condenar o republicano. Sete republicanos votaram contra Trump. Trump recebeu a notícia de sua absolvição como um retorno à cena política norte-americana.

Segundo impeachment de Trump: ex-presidente é acusado de incitar invasão ao Congresso

 personAndré Abreu
access_time10/02/2021 - 22:20

O primeiro dia do impeachment do ex-presidente Donald Trump foi marcado pela votação da constitucionalidade do julgamento.
Agora, acusação e defesa estão tendo 16 horas cada para apresentar o caso e se defender, papel dos advogados de Trump. Ele tem três advogados e acompanha o caso de sua mansão na Flórida, onde também pratica golfe.

Hoje foi um dia fundamental para os deputados democratas apresentarem no Senado as imagens da invasão e as mensagens de Trump no Twitter em 6 de janeiro, enquanto o Senado votava a confirmação dos votos do Colégio Eleitoral. Tem sido muito mencionado o fato do ex-vice-presidente Mike Pence ser alvo da ira da multidão que invadiu o Capitólio, sede do Congresso dos EUA.

É importante citar que a acusação é muito séria: insurreição. Os pais-fundadores dos EUA acreditavam que a pena para esse tipo de crime era barrar o político da vida pública. Pode ser o destino final de Trump e não precisa de dois terços do Senado. Basta a maioria simples: 50 votos democratas mais um republicano. Hoje os democratas têm o apoio de seis senadores para a condenação no impeachment, faltariam 11 votos para o impeachment. Para encurtar a vida política de Trump, sobram votos.

Congresso dos EUA certifica vitória de Biden após dia tenso

 personAndré Abreu
access_time07/01/2021 - 06:37

O Congresso dos EUA confirmou a contagem dos votos eleitorais durante a madrugada em Washington.

Em um dia tenso de protestos, que ocasionaram a morte de uma mulher, o Senado interrompeu a sessão de certificação de votos até que a ordem fosse restabelecida na capital dos EUA com a retiriada dos manifestantes de dentro do Congresso. As forças policiais trabalharam primeiramente no deslocamento até a região do Capitólio para depois formar um cordão ao redor do prédio do Legislativo e forçar a saída dos manifestantes.

Vidros foram quebrados durante a invasão e a polícia interna do Capitólio, responsável pela proteção no Congresso, teve que apontar armas dentro do Congresso para a multidão que invadia pela lateral do prédio.

Um dia tenso para a democracia norte-americana, pois o grupo de baderneiros chegou a quebrar vidros do Capitólio tentando acessar o plenário onde os legisladores estavam votando. Os Senadores foram levados imediatamente para lugares seguros e a sessão foi interrompida.

A volta da sessão, no meio da noite (20:00, horário de Washington, 22:00 no horário de Brasília) foi uma questão de honra para os membros do Congresso dos EUA em um dia em que o ex-presidente George W. Bush chamou o próprio país de uma república das bananas.

A sessão foi presidida pelo vice-presidente Mike Pence (republicano), que é o presidente do Senado, com a democrata Nancy Pelosi representando a Câmara de Deputados.

A sessão do Congresso confimra a vitória de Joe Biden e Kamala Harris para, respectivamente, presidente e vice-presidente dos EUA. A decisão é publicada no diário oficial do Congresso dos EUA e o próximo passo é a posse em 20 de janeiro.

O dia foi marcado também pela conquista do Senado pelos democraas depois que a contagem de votos na Geórgia determinou a vitória de dois senadores apoiadores de Biden. O Senado fica equilibrado com 50 votos de cada partido com a vice Kamala Harris desempatantdo a favor do governo. Há cem senadores na Casa. No empate o papel do vice-presidente é desempatar as votações.

Foto: Erin Schaff/Pool/Getty Images/NPR- National Public Radio.

EUA aprovam segunda vacina contra coronavírus

 personAndré Abreu
access_time19/12/2020 - 08:40

A agência FDA, responsável pela aprovação de medicamentos e vacinas nos EUA, aprovou mais uma vacina contra o coronavírus.s
A primeira foi a da Pfizer em um trabalho de pesquisa desenvolvido em conjunto com a alemã BioNTech.
Os EUA avançam assim com seus planos de vacinação com duas vacinas com autorização de uso emergencial.
Entre os primeiros vacinados no país, o vice-presidente Mike Pence, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi e o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnel. Por questão de segurança nacional, os três pularam a fila das pessoas prioritárias a receberem a vacina.
A prioridade número 1 é para trabalhadores da área da saúde.
A vacinação dos líderes políticos nacionais serve para demonstrar que a vacina é segura.
Pence foi vacinado em evento transmitido pela TV. Pelosi e McConnell divulgaram suas fotos pelo Twitter.
O Presidente Trump está recebendo um coquetel de medicamentos desde sua hospitalização em outubro.