Notícias em destaque

  Câmara nega 13º salário de vereadores

commentJornalismo access_time17/10/2017 17:05

Jurídico da Câmara de vereadores de Içara alega ilegalidade na lei que propõe o benefício

Internacional vai a Minas Gerais para continuar na ponta

commentEsporte access_time17/10/2017 14:00

Terça com rodada cheia pelo campeonato da série B

  Tigre indefinido para pegar o Vila Nova

commentCriciúma EC access_time16/10/2017 17:50

Técnico Beto Campos terá cinco desfalques, mas nem todos os substitutos foram confirmados

Antônio Colossi

Sou Antonio Colossi, natural de Criciúma, jornalista formado pela Faculdade SATC em 2011. Desde 2003 tive passagens na área do jornalismo esportivo pelo extinto site canalcriciuma.com, Rádio Band FM, radiocriciuma.com.br, TV Criciúma/Canal19 e RCR TV. A partir de 2009, comecei a atuar no jornalismo geral da Rádio Eldorado AM/FM, exercendo as funções de produtor e locutor. Nos últimos três anos, tenho me especializado em projetos vinculados ao jornalismo histórico. Através deste blog, pretendo resgatar a memória de fatos que marcaram os acontecimentos de Criciúma, de Santa Catarina, do Brasil e do Mundo.

Últimas postagens de Antônio Colossi

Os 45 anos do "Milagre dos Andes"

access_time12/10/2017 23:45 personAntônio Colossi

No dia 13 de outubro de 1972 caía, na Cordilheira dos Andes, o avião que fazia o Voo Força Aérea Uruguaia 571, no episódio que ficou conhecido como Tragédia dos Andes ou Milagre dos Andes.

Tratou-se de um voo fretado que transportava 45 pessoas, incluindo uma equipe de rúgbi.

Alguns passageiros morreram na hora por conta do impacto e outros não resistiram muito tempo devido aos ferimentos e ao frio.

Dos 29 que sobreviveram após o acidente, oito foram mortos por uma avalanche que atingiu o local nos dias subsequentes.

A área em que o avião caiu ficava numa região remota da Cordilheira dos Andes, a mais de 3.600 metros de altitude, local de condições extremas, sem fonte de calor ou comida.

Por causa da imensa fome após tanto tempo no local, os sobreviventes tiveram que se alimentar da carne dos passageiros mortos.

Eles também escutaram no rádio do avião que as buscas haviam sido abandonadas, o que fez com que dois dos sobreviventes deixassem o local em busca de ajuda.

Foram 10 dias até que encontraram uma pessoa, que lhes deu comida e, em seguida, chamou socorro. Quando isso aconteceu, 72 dias após o acidente, houve intensa comoção, e o fato de as pessoas terem sobrevivido foi considerado um milagre.

Em 12 de outubro de 1992 desaparecia o "Senhor Diretas"

access_time12/10/2017 00:05 personAntônio Colossi

O então deputado federal Ulysses Guimarães, de 76 anos de idade, falecia em 12 de outubro de 1992, depois que o helicóptero em que viajava caiu no mar. Ulysses havia passado o feriado prolongado na casa de um empresário em Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro.

Às três e vinte da tarde daquela segunda-feira, 12 de outubro, Ulysses embarcou para São Paulo. No helicóptero também estavam a mulher do deputado,
Mora, o ex-senador Severo Gomes e sua mulher, Henriqueta.

Avisada sobre chuvas em São Paulo, Mora tentou convencer o marido a adiar a viagem.

O temporal, com ventos de 90 Km/h, fez o piloto decidir evitar a serra e optar por um trajeto sobre o mar.

À noite, o Ministério da Aeronáutica já sabia do desaparecimento do helicóptero. Os destroços foram localizados há 23 anos entre as cidades de Paraty, Rio de Janeiro e Ubatuba, estado de São Paulo, alguns a 20 km da costa.

As operações resgataram três corpos, do piloto, de Severo e da mulher de Ulysses.

Um dos mais importantes políticos brasileiros da história, Ulysses foi o principal articulador das Diretas-Já e da Constituinte.

Marquise da Loja Arapuã de Porto Alegre desabava matando nove pessoas em 1988

access_time05/10/2017 23:55 personAntônio Colossi

Uma marquise de concreto de quatro toneladas e meia do prédio onde ficava a Loja Arapuã, na rua Dr. Flores, no centro de Porto Alegre, desabou as quatro e meia da tarde de 6 de outubro de 1988, provocando a morte de nove pessoas.

A queda da marquise ocorreu durante a apresentação do “Arapinho”, personagem-símbolo da loja, que distribuía balas e chocolates aos clientes em homenagem ao Dia da Criança.

Duas crianças morreram. Entre os mortos estava o soldado da Policial Militar Oscar Silva da Silva, que foi prestar socorro e acabou atingido por uma parte da marquise.

O então gerente regional da Arapuã, José Barros de Carvalho, dizia à época não saber a quem atribuir o desabamento.

Centenas de pessoas assistiram o acidente, já que a rua Dr. Flores, é uma das mais movimentadas do centro da capital gaúcha. No trecho que era ocupado pela loja Arapuã, entre as ruas Otávio Rocha e Voluntários da Pátria, estavam instalados terminais de lotação e várias outras lojas.

O delegado de polícia Altair Pedresky informou que o povo foi o primeiro a ajudar no socorro das vítimas. Cem policiais e cinco carros do Corpo de Bombeiros participaram da operação de resgate.

Todas as lojas do quarteirão fecharam suas portas após o acidente e área foi isolada.

O então prefeito de Porto Alegre, Alceu Collares, classificou o acidente como uma tragédia coletiva.

Em 5 de outubro de 1988 era promulgada a Constituição Federal

access_time04/10/2017 23:23 personAntônio Colossi

Depois de exatos 8.955 dias de incertezas institucionais, a contar do dia 31 de março de 1964, o Brasil inaugurou no dia 5 de outubro de 1988 uma nova era. Nesta data entrou em vigor a nova Constituição, conhecida como Constituição Cidadã, pondo fim ao ciclo autoritário instituído pelo governo militar.

Por volta das 16h, diante do Presidente da República José Sarney, do presidente do Supremo Tribunal Federal, deputados, senadores e governadores, Ulysses Guimarães, presidente da Assembléia Nacional Constituinte, declarou promulgada a Constituição da República Federativa do Brasil.

O discurso da figura emblemática e crucial do deputado foi aplaudido pelo auditório lotado por 33 vezes. No final, após lembrar os esforços de Tancredo Neves para que a Carta fosse promulgada, manifestou o seu repúdio aos tempos passados.

A partir daquele momento, ninguém mais poderia ser preso a não ser em flagrante ou com expressa ordem judicial, nenhum empregado poderia ser demitido sem receber a multa de 40% do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Todo cidadão teria então garantidos seus direitos individuais, coletivos, sociais, de nacionalidade e políticos. Liberdade de expressão e pensamento, assim como a igualdade de todos perante a Lei também foram destaques da Carta Magna.

Era exemplo de uma nova era na qual o Congresso Nacional, marginalizado pelos militares – que o colocaram três vezes em recesso (1966, 1968,1977), podia exercer sem restrições as atividades que eram de sua competência, como modificar o orçamento da União.

A chamada “Constituição Cidadã” é vigente até os dias de hoje.

Em 4 de outubro de 2008 falecia Jorge Zanatta

access_time04/10/2017 00:00 personAntônio Colossi

Santa Catarina perdeu na tarde de 4 de outubro de 2008, um dos grandes nomes do setor industrial. Jorge Zanatta faleceu aos 83 anos, devido a complicações decorrentes de insuficiência renal. O corpo do empreendedor que construiu o bem sucedido grupo empresarial Jorge Zanatta, carregando empresas do setor plástico, químico e cerâmico, foi velado na Associação Imbralit e sepultado no dia seguinte, no cemitério municipal de Criciúma.

O empresário deixou a esposa, Adelinda, quatro filhos, oito netos e um bisneto.

Jorge Zanatta nasceu em 28 de outubro de 1924, na localidade de Linha Torrens, na época pertencente à Urussanga. O Filho de Vergínio Zanatta e Angelina Búrigo Zanatta, trabalhou até os 15 anos na lavoura, engenho de farinha e na serraria da família.

Em 1939, mudou-se para Morro da Fumaça, onde trabalhou por quase sete anos na loja de tecidos, secos e molhados de Nico e Santos Guglielmi.

Em 1945, veio morar em Criciúma, onde atuou como comprador e vendedor da loja de ferragens de seu irmão Alcino Zanatta.

O empresário abriu, em 1956, um estabelecimento comercial no ramo de ferragens em geral batizado de Zanatta & Cia LTDA em Criciúma.

A Canguru Embalagens surgiu em 1970, fundada juntamente com outros sócios, em 1973, fundou a Promove, indústria de edição e impressão de produtos gráficos.

Seu espirito empreendedor fez com que em 1974 nascessem mais três empresas em Criciúma, a Descartáveis Zanatta, a Imbralit e a Canguru Agropecuária.

A partir de 2007, passou a se dedicar exclusivamente à presidência do Conselho de administração do grupo empresarial Jorge Zanatta.

Atuou como conselheiro vitalício e colaborador do Criciúma EC, e em 1996, recebeu o título de cidadão honorário de Criciúma.

Paulo Meller se tornava prefeito de Criciúma em 3 de outubro de 1996

access_time02/10/2017 23:25 personAntônio Colossi

Em 1996, a coligação unidade popular manteve-se firme no propósito de continuar a frente da prefeitura de Criciúma, repetindo a união do PMDB com o PSDB nas eleições daquele ano.

Os dois partidos comandavam a cidade desde a vitória de Eduardo Moreira Anderlei Antonelli em 1992. Como na época não havia reeleição, foram escolhidos para disputarem o pleito eleitoral de 96 os nomes de Paulo Meller, do PMDB e Maria dal Farra Naspolini, então no PSDB, para assim, manterem a dobradinha na administração do municipio.

Meller era o franco favorito a vencer aquela eleição, respaldado pela administração peemedebista de então. Concorriam com ele, nomes como o de Altair Guidi, do PPB, Décio Góes, do PT, Moacir Fernandes, do PFL e Robak Barros, do PC do B.

As eleições municipais de 1996 aconteceram em uma quinta-feira 3 de outubro, sendo as primeiras eleições realizadas no governo Fernando Henrique Cardoso e as últimas antes da adoção da reeleição para cargos executivos.

Paulo Meller, confirmando os prognósticos, venceria aquela eleição, que foi significativa pois registrou a maior vantagem da história entre o primeiro e o segundo colocado na votação.

O peemedebista obteve 40 mil 604 votos, contra 26 mil 827 de Altair Guidi, uma diferença de quase 13 mil e quinhentos votos, maior diferença até então, só superada na eleição de 2008

Há 25 anos, era aprovado o impeachment contra o presidente Collor

access_time29/09/2017 00:10 personAntônio Colossi

Há 25 anos, em 29 de setembro de 1992, uma votação no Plenário da Câmara fez história. O voto do então deputado Paulo Romano, do PFL de Minas Gerais, completou os 336 votos necessários para abrir o processo que resultou no impeachment do, na época, presidente da República, Fernando Collor de Mello.

A votação, pela abertura do processo de crime de responsabilidade, somou 441 votos a favor, 38 contra, uma abstenção e 23 ausências.

O voto que completou os dois terços necessários à aprovação foi intensamente comemorado no plenário, assim como os dos deputados Roberto Campos, que deixou o hospital para dizer sim; Benito Gama, presidente da CPI do PC; Ulysses Guimarães, e o mais surpreendente, Onaireves Moura, anfitrião de um banquete oferecido a Collor, duas semanas antes da votação do processo de impeachment.

A votação do impeachment, após as conclusões da CPI sobre Paulo César Farias, foi acompanhada por multidões que ocuparam ruas e praças das principais cidades do país.

Todo o processo político do impeachment estendeu-se por sete meses, de 1º de junho (data de instalação de uma comissão parlamentar mista de inquérito no Congresso) a 29 de dezembro de 1992 (data em que Collor renunciou ao mandato).

Último debate da eleição estadual de 2006 foi na Eldorado

access_time28/09/2017 00:00 personAntônio Colossi

O último debate antes do pleito estadual de 2006 reuniu os candidatos ao governo na Rádio Eldorado, na manhã de 28 de setembro daquele ano.

Por cerca de duas horas e meia, seis dos oito candidatos puderam apresentar suas propostas e trocar algumas alfinetadas. Os alvos das criticas foram o candidato do PMDB, Luiz Henrique da Silveira, ausente do debate, e o petista Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à presidência da República.

Antonio Carlos Sontag (PSB), Elpidio Neves (PTC), Esperidião Amin (PP), João Fachini (PSOL), José Fritsch (PT) e Manoel Dias (PT) aproveitaram para apresentar propostas que integravam seus planos de governo.

O candidato do PSDC, César Alvarenga, já havia comunicado à organização sua ausência do debate, em virtude de ter desistido da campanha.

O peemedebista Luiz Henrique da Silveira, ausente no debate, foi o alvo principal dos ataques dos seus adversários, em especial de Esperidião Amin e José Fritsch.

Um dos blocos mais comentados foi o que teve as perguntas dos jornalistas Cláudio Prisco, Joice Quadros e Karina Manarin. Os questionamentos envolveram a manutenção das secretarias regionais, as alianças para o segundo turno, recursos para saúde e também os escândalos envolvendo o governo Lula e o PT.

Em 27 de setembro de 2001, o treinador paraguaio Carlos Báez era apresentado no Criciúma EC

access_time26/09/2017 23:31 personAntônio Colossi

Em 27 de setembro de 2001, iniciava uma nova era no Criciúma EC. Pouco mais de dois anos depois de ser comandado pelo técnico uruguaio Sérgio Ramirez, o Tigre passaria a partir daquela data, a ter na direção técnica, o paraguaio Carlos Báez.

De poucas palavras e muita observação, o treinador surgiu no Cerro Porteño. Adepto de um esquema com quatro jogadores de defesa, três volantes, um armador e dois ponteiros, o então novo técnico do Criciúma revelava na oportunidade um preocupação em relação à ausência de um jogador de armação considerado chave no seu esquema de jogo 4-3-1-2.

No seu primeiro treino, enquanto o preparador físico Nestor Kerber conversava com o grupo e trabalhava no vestiário, Báez conversava com Luiz Gonzaga Milioli, seu auxiliar. Ele comandou um treinamento de conclusão, forçando os laterais cruzarem da linha intermediária, com a tradicional passagem dos alas pelo jogador mais ofensivo.

Entre as brincadeiras com o idioma, Báez conversou com os repórteres demoradamente antes do treino. Para superar a dificuldade de comunicação, contou com a calma dos repórteres.

Já na relação com os jogadores pareceu mais a vontade, já que contava principalmente com o com o preparador físico Nestor Kerber, que dominava o idioma espanhol e já havia trabalhado com Báez no Paraguai.

Carlos Báez demonstrou logo no seu primeiro contato com a imprensa ter bem mais informações sobre o time do Criciúma e a campanha do 1º turno na Série B daquele ano, do que a imprensa, a direção e os jogadores sabiam sobre o técnico.

Báez duraria apenas cinco jogos no comando do Criciúma. Em sua campanha a frente do clube, ele obteve uma vitória, logo na estreia contra o Figueirense, dois empates e duas derrotas.

Há 15 anos falecia o ex-prefeito e empresário Jarvis Gaidzinski

access_time22/09/2017 00:20 personAntônio Colossi

A população de Cocal do Sul e da região carbonífera se despedia em 22 de setembro de 2002 do ex-prefeito e empresário Jarvis Gaidzinski, aos 63 anos de idade. Político polêmico e controvertido pelas rivalidades que adquiriu no exercício de suas funções, Jarvis morreu há 15 anos, às cinco e meia da manhã, em Porto Alegre.

Ele estava internado no hospital Moinhos de Vento, para onde foi transferido após acidente de automóvel ocorrido no dia 17 de setembro daquele ano no trecho sul da BR 101, mais especificamente no km 369 próximo ao trevo de Esplanada em Içara, quando sofreu traumatismo crânio-encefálico grave.

O acidente ocorreu às 11h40min. O ex-prefeito acabou perdendo o controle de seu Mercedes-Benz, colidiu a traseira do veículo contra o para-choque de um caminhão Scania, conduzido por Antonio Carlos Barbosa, que saiu ileso.

O corpo de Gaidzinski foi velado na Matriz de Cocal do Sul, onde várias personalidades políticas e empresariais passaram para as despedidas. Ele foi sepultado no Cemitério Municipal de Criciúma. O então prefeito de Cocal do Sul, Aldo Furlan, decretou luto oficial de sete dias no município.

Jarvis Gaidzinski nasceu em Criciúma no dia 1º de dezembro de 1938. Era o filho mais velho de Maximiliano Gaidzinski e Octávia Búrigo Gaidzinski, fundadores da Eliane Revestimentos Cerâmicos, empresa da qual, também era acionista.

O empresário deixou os filhos Jarvis, Jacques, Karina, Alexandre, Maximiliano, Helen, Octávia Tamila e Sofia Gaidzinski.

Com destacada atuação política, Jarvis Gaidzinski exerceu mandatos eletivos como deputado estadual entre 1983 e 1990. Foi também deputado federal entre 1991 e 1995 e prefeito de Cocal do Sul de 1997 até o ano 2000.

Última vitória do Criciúma sobre o Corinthians completa 14 anos

access_time21/09/2017 00:09 personAntônio Colossi

Um gol marcado aos 39 segundos do primeiro tempo selava a sorte do Criciúma, que somava mais um resultado positivo no Campeonato Brasileiro da Série A de 2003, com a vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians em 21 de setembro daquele ano.

O Criciúma, como costumava fazer em casa, começou no ataque. Dejair cruzou para Tico, marcado por Betão, fazer 1 a 0, de cabeça.

A jogada aconteceu com duas bolas em campo -uma delas na lateral do gramado. Apesar da irregularidade, o juiz Luciano Almeida não interrompeu o lance.

Os corintianos sofreram para acertar ao menos dois passes seguidos no primeiro tempo. Quem mais sofreu com essa dificuldade foi o ataque. Foram quatro finalizações no primeiro tempo, só uma delas corretas. Na mesma etapa, o Criciúma fez nove finalizações, duas certas.

Aos 10 minutos, Duílio de cabeça, acertou a trave do goleiro Rubinho.

O Criciúma mantinha o domínio da partida até o fim da primeira etapa. O Corinthians passou por apuros quando Alonso desperdiçou uma nova oportunidade de aumentar o placar, em mais uma jogada de cabeça aos 45 minutos.

No segundo tempo, a situação do Corinthians não melhorou muito. A marcação nas bolas aéreas melhorou e o Tigre passou a oferecer menos perigo, mas continuou ameaçando o gol do goleiro Rubinho.

Na parte final da partida, o Timão teve três boas oportunidades para empatar, uma com o volante Fabrício, outra com o atacante Jô e a derradeira com o zagueiro Anderson.

Com as falhas na finalização dos corintianos, o Criciúma assegurava a vitória e a chegada ao sexto lugar na classificação do campeonato.

105 anos de um empreendedor

access_time19/09/2017 23:37 personAntônio Colossi

O empreendedor Maximiliano Gaidzinski nascia em 20 de setembro de 1912, em um vilarejo chamado Linha Cabral, em Cocal, à época distrito de Urussanga.

Maximiliano era décimo primeiro de 13 filhos do casal Vicente Gaidzinski e Margarida Studzinska.

Logo depois, a família mudou-se para Criciúma, onde Maximiliano perderia o pai, ainda antes de completar 4 anos.

Sem o chefe da família, a vida, que já não era fácil, tornou-se ainda mais difícil para os Gaidzinski.

Em um ambiente de ajuda mútua e amor fraterno, Maximiliano cresceu. Virou um exímio sapateiro. Seus irmãos mais velhos, José e Júlio, coordenavam uma casa de comércio de sapatos no centro de Criciúma. Além da sapataria, a família possuía uma fábrica de balas.

Em 22 de janeiro de 1938 ele se casa com Octavia Búrigo, a qual conhecera em 1932.

Em 1947, Milo, como era conhecido entre os familiares e amigos, em sociedade com seus irmãos José e Júlio fundam em Criciúma, a Cesaca, Cerâmica Santa Catarina.

No segundo semestre de 1959, a Cerâmica Cocal, fundada em 1954, estava em situação de insolvência. Maximiliano venderia sua participação acionária na Cerâmica Santa Catarina e outros imóveis que possuía, para em 26 de outubro daquele ano, apresentar uma proposta de compra da empresa.

Com o negócio fechado, Milo chamaria seu filho mais velho, Jarvis, para ajuda-lo na empreitada. Em 2 de janeiro de 1960, Maximiliano registraria a firma Maximiliano Gaidzinski e batizou-a com o nome comercial de Cerâmica Eliane, em homenagem a filha caçula.

Em 9 de maio de 1987, Maximiliano Gaidzinski faleceria, mas o legado de seu esforço empenhado durante toda a sua vida para fazer da Eliane uma empresa de sucesso continua enraizado até os dias de hoje.

Linha do Tempo, o nosso programa semanal

access_time18/09/2017 17:08 personAntônio Colossi

A Rádio Eldorado tem um programa semanal dedicado à memória. É o programa Linha do Tempo, que vai ao ar aos sábados e domingos, geralmente às 21h30min e 13h30min, respectivamente, conforme as jornadas esportivas de fim de semana. Confira, abaixo, um trecho da última edição da Linha do Tempo dos dias 16 e 17 de setembro.