Notícias em destaque

  Manifestantes protestam contra Reforma da Previdência em Criciúma

commentJornalismo access_time19/02/2018 10:40

Sindicalistas e estudantes estão em frente à agência do INSS desde as 8h desta segunda-feira (19)

Flamengo conquista a Taça Guanabara

commentEsporte access_time19/02/2018 09:00

Com a conquista da competição, a equipe do Flamengo está classificada para semifinal do Campeonato Carioca

Criciúma empata em Tubarão

commentCriciúma EC access_time18/02/2018 21:30

Pela 09ª rodada do Campeonato Catarinense, o Criciúma enfrentou o Hercílio Luz e a partida não saiu do 0x0

Leitura política à semana de Joinville

Cenário alimenta expectativa de repetição da tríplice aliança

comment Jornalismo access_time21/10/2017 - 08:00

Fonte: Colunista João Paulo Messer

Nesta semana dois fatos da política peemedebista movimentaram Joinville, que é hoje a cidade de onde deve sair o candidato a governador pelo PMDB. Quinta-feira à noite o deputado federal Mauro Mariani recebeu o título de cidadão joinvillense em clima que não chegou a ter aquela pompa de ato que condecora um quase candidato ao governo. De outro lado o prefeito Udo Döhler recebeu várias lideranças empresariais, entre elas o criciumense Olvacir Bez Fontana para conversas sobre a gestão, pública e privada. Assim, de forma isolada os fatos dizem pouco. Vistos de dentro da caserna peemedebista, entretanto, revelam alguma coisas como a dificuldade que Marini tem para crescer, enquanto pessoas bem próximas de Eduardo Moreira, leia-se Fontana, trocam impressões de maneira informal sobre gestão. Crava-se por isso a aposta de que Udo tem bem mais chances de ser candidato a governador que o próprio Mariani.
A medida que o prazo vai chegando aumentam as especulações e a expectativa sobre a renúncia – ou não – do governador Raimundo Colombo. Nesta semana, ao ser convidado informalmente pelo prefeito Clésio Salvaro para a festa de reinauguração da prefeitura, Colombo respondeu que estará de “férias” nas duas primeiras semanas de janeiro. Quer dizer, não é no fim deste ano que renuncia.
Havemos de lembrar que o ano político não começa em 1º de janeiro, mas sim em 1º de fevereiro. Por isso mantém-se a expectativa de que Colombo renuncie no prazo desejado pelos peemedebistas, início do ano e não apenas em abril.
Segue sendo alimentada a especulação de que Raimundo Colombo não dispute nada em 2018. Que aguarde apenas um convite para o governo federal a partir do ano que vem. Este é o cenário construído pelo PMDB que defende Udo Döhler candidato ao governo, o PSD do deputado federal João Rodrigues de vice com Eduardo Moreira (PMDB) e Paulo Bauer (PSDB) nas vagas ao Senado.
((( Leia mais no link "Colunistas" aqui no site. )))

content_copyAssuntos relacionados

Mais notícias de Jornalismo

  Manifestantes protestam contra Reforma da Previdência em Criciúma

commentJornalismo access_time19/02/2018 10:40

Sindicalistas e estudantes estão em frente à agência do INSS desde as 8h desta segunda-feira (19)

  Gelson Merisio: não existem dois governadores

commentJornalismo access_time19/02/2018 10:00

Presidente estadual do PSD diz que fim do governo de Raimundo Colombo será apenas em abril

  Comin diz que deixou cargo porque "acabou o governo Colombo"

commentJornalismo access_time19/02/2018 08:40

Deputado deixou a Secretaria de Ação Social na última sexta-feira (16)

Encontro de motos contabiliza mais de mil participantes

commentJornalismo access_time18/02/2018 18:22

Evento aconteceu neste final de semana na Avenida Leoberto Leal, no Balneário Rincão

Arrancada de Caminhões tem atrações confirmadas

commentJornalismo access_time18/02/2018 14:00

O evento existe a mais de 30 anos e chega à 28ª edição