Notícias em destaque

Melhora o quadro da Covid-19 em Santa Catarina

commentJornalismo access_time26/09/2021 20:45

Pela primeira vez o mapa de Santa Catarina fica sem uma única região em "vermelho"

Caravaggio luta bastante, mas perde na estreia da Série C

commentEsporte access_time25/09/2021 17:00

Próximo compromisso será contra o Jaraguá no Balsinão

Tigre perde, mas entra no grupo de Paysandu, Botafogo-PB e Ituano

commentCriciúma EC access_time25/09/2021 19:00

O Time Carvoeiro não conseguiu pontuar diante do Figueirense na capital

Médicos do SAMU pedem melhorias nas condições de trabalho

Simesc e Simersul realizaram pesquisa com os profissionais do serviço

comment Jornalismo access_time30/09/2020 - 15:45

Reportagem: Redação Eldorado

Relatos de más condições de trabalho no SAMU motivaram o Sindicato dos Médicos do Estado de Santa Catarina (Simesc) e o Sindicato dos Médicos da Região Sul Catarinense (Simersul) a enviarem pesquisa para os médicos do Serviço e a coletar mais informações sobre a rotina dos profissionais. A pesquisa aplicada entre os dias 26 de agosto e 8 de setembro teve 54% de participação (189 médicos de todas as bases estaduais).

O presidente do Simersul, Licínio Argeu Alcântara, destaca que a pesquisa dará subsídios para a busca de melhorias aos profissionais.

Queixas trabalhistas e remuneração
Para 79,9% dos participantes da pesquisa, a remuneração está sendo paga em dia e para 11,6% o pagamento é com atraso. Os médicos também confirmaram o atraso do 13º salário de 2019 e não concessão de férias há alguns anos.

Sobre as férias, na ação protocolada pelo Sindicato, o juiz entendeu que por se tratar de serviço essencial é necessário que a empresa viabilize uma forma de cumprir o direito de férias. A empresa foi intimada e está no prazo para resposta. A ação busca o pagamento em dobro das férias devidas (de acordo com a legislação), bem como o gozo das mesmas.

Os médicos também se queixaram que estão há sete anos sem receber reajustes, situação que ocorre antes mesmo da OZZ assumir a administração do Serviço. Os demais profissionais do SAMU foram contemplados em períodos anteriores.

EPIs

Quase 50% dos médicos relataram receber o Equipamento de Proteção Individual (EPI) incompleto. Para 40,7% o material é adequado e 14% informaram que não há disponibilidade de EPIs.

Ambulâncias

Questionados se as ambulâncias têm equipamentos necessários para atendimento, 58,2% dos médicos que participaram da pesquisa disseram que sim. 20,1% não, e os demais outras respostas como em parte, ou que poderia melhorar. Quanto aos medicamentos disponibilizados na ambulância, 82% disseram ser adequados e 10% não.

Para quase 80% dos médicos a quantidade de ambulâncias não é suficiente. Para 55% as condições de trafegabilidade não são boas e para 32,8% são adequadas. Os demais tiveram outras respostas, a maioria apontando falhas de manutenção – inclusive com relato de pane em plena BR 101.

A desinfeção e a limpeza das ambulâncias poderiam melhorar na opinião de muitos. Citaram inclusive de terem que realizar estas tarefas em certos momentos, especialmente à noite.

Recursos Humanos

Para 65,1% dos participantes o número de médicos é o suficiente para o atendimento da população e para 31,7% não. Sobre a quantidade de demais profissionais como enfermeiros e técnicos de enfermagem, 65,5% consideram o suficiente e 32,3% discordaram.

Bases

A maioria dos médicos respondeu não estar satisfeita com as condições das bases do SAMU. Destes, 70,4% informaram não terem condições adequadas para repouso médico e alimentação e quase 85% disseram que as condições de mobiliário são inadequadas.

Físico e emocional

A pesquisa também perguntou como estavam as condições físicas e emocionais dos médicos. Apesar de alguns responderem estarem bem, muitos disseram estarem extremamente cansados e sobrecarregados, com alto nível de stress, alguns desmotivados e outros diagnosticados com síndrome de burnout.

Educação Continuada

Apenas 7% dos médicos informaram haver investimento em educação continuada. Para 36,2% há, mas pouco. 50,6% dos médicos responderam que não há capacitação. Os demais tiveram outras respostas como apenas cursos não específicos.

A pesquisa foi enviada para os médicos de todas as regiões do SAMU: Extremo Oeste, Grande Florianópolis, Sul, Norte-Nordeste, Vale do Itajaí, Foz do Itajaí, Meio Oeste e Planalto Serrano. A maior parte dos participantes (65,1%) têm idade entre 30 e 39 e estão no SAMU entre 1 e 5 anos (41,8%), seguidos de 32,8% que trabalham no Serviço entre 6 a 10 anos.

content_copyAssuntos relacionados

Mais notícias de Jornalismo

Melhora o quadro da Covid-19 em Santa Catarina

commentJornalismo access_time26/09/2021 20:45

Pela primeira vez o mapa de Santa Catarina fica sem uma única região em "vermelho"

Maior feira de arquitetura e construção no Estado começa montagem da estrutura

commentJornalismo access_time26/09/2021 08:20

Casa Pronta chega à 18ª edição com regras de acesso modificadas em virtude da Covid-19, mas revela ansiedade do mercado em retomar a atividade

Prefeitura fará leilão de máquinas e automóveis

commentJornalismo access_time25/09/2021 15:33

Depois de Içara, agora é Criciúma que limpa o pátio com a sucata que será substituída por veículos novos

Conscientização e prevenção no dia mundial de combate à raiva

commentJornalismo access_time25/09/2021 08:33

Ações são realizadas no Jardim Las Vegas, distrito de Rio Maina em Criciúma, com oferta de vacinas, vermifugação, castração, doação de mudas e doação de ração

HSJosé participa das ações da Semana ODS na Prática

commentJornalismo access_time25/09/2021 03:33

Ação especial será realizada neste sábado, das 9h às 11h, na Praça Nereu Ramos