Notícias em destaque

  Quinta-feira (05) com previsão de calor e predomínio de sol em Criciúma

commentJornalismo access_time05/08/2020 07:44

Confira a previsão do tempo com Ronaldo Coutinho

Tubarão contra o rebaixamento

commentEsporte access_time05/08/2020 07:30

Peixe perdeu por 2 a 0 para o Concórdia no confronto de ida

Hora da decisão: Tigre enfrenta Chape no Majestoso

commentCriciúma EC access_time05/08/2020 07:30

Tigre precisa reverter resultado para ir a grande final do Catarinense

Carteira de habilitação para indocumentados em NY

access_time16/12/2019 - 08:56

Passa a vigorar a partir de hoje (16) lei sancionada pelo governador de Nova York, Andrew Cuomo, que permitirá que imigrantes indocumentados obtenham carteira de habilitação. O estado passa a ser o 13º a autorizar o documento.
Os estados que já emitem a carteira de motorista aos imigrantes indocumentados são: Califórnia, Colorado, Connecticut, Delaware, Havaí, Illinois, Maryland, Nevada, Novo México, Utah, Vermont e o estado de Washington.
A nova lei garante a carteira de motorista a imigrantes indocumentados, mas com modelo diferente do oficial, por isso não será possível embarcar em voos domésticos com o documento.


Entenda o que é lockdown

 personAndré Abreu
access_time19/07/2020 - 17:22

É lockdown ou não é? Segundo o dicionário Oxford, um dos melhores da língua inglesa, o termo se refere a uma ordem oficial para controlar o movimento de pessoas e até mesmo de veículos.

Nos exemplos básicos, temos o caso de escolas, quando são invadidas nos EUA por atiradores, e é ordenado um lockdown: os professores trancam (lock, em inglês) as salas e ficam com seus alunos isolados dos corredores, enquanto os policiais impedem a entrada e a saída de pessoas das instalações escolares até uma segunda ordem, ou seja, até que a situação volte ao normal.

O termo começou a ser usado de maneira mais ampla na China com o isolamento de Wuhan, onde começou o surto. Em termos de países a Itália fechou suas fronteiras, ordenou que todos ficassem em casa, cancelou aulas e fechou todo o comércio e escolas. A Itália inclusive adotou multas para quem não ficasse em casa.

Assim o país europeu adotou um lockdown completo, que pode ser parcial também Nova Zelândia, Austrália e Reino Unido, assim como vários outros países europeus, adotaram lockdowns com datas definidas. Desde o início de julho, o Reino Unido adotou um relaxamento maior das regras de lockdown.

O decreto de Tubarão determina o fechamento de comércio e controla o acesso a serviços especiais. Este é o modelo de lockdown completo: controla acesso inclusive em farmácias e supermercados (modelo italiano). Definidos como essenciais, o acesso a medicamentos e alimentos ficou isento também do lockdown (em português traduzido como bloqueio, isolamento) na Nova Zelândia (país que adotou um isolamento rigoroso desde o início da epidemia e teve recentemente três novos casos de coronavírus que vieram do exterior).

A Itália é considerada como outro país que adotou um modelo bem suceddido de controle do coronavírus pelo lockdown. O país registrou mais de 200 novos casos nas últimas horas, tem cerca de 50 pessoas nas UTIs e registrou 3 mortes nas últimas 24 horas. segundo os dados atualizados na tarde deste domingo (18).

O decreto de Tubarão é um lockdown praticamente completo com exceção dos serviços essenciais, que podem atender com 40% da sua capacidade e com entrada de uma pessoa por família.

O decreto do governo do estado de Santa Catarina na prática serviu para prorrogar o período de fechamento de escolas até setembro, muito embora o serviço continue com aulas virtuais, e o decreto aumenta um pouco mais as medidas restritivas limitando o transporte público, mas não constitui num novo lockdown.

Biden sofre pressão partidária para escolha de vice da chapa

 personAndré Abreu
access_time17/07/2020 - 14:36

O candidato presidencial democrata norte-americano Joe Biden está sofrendo pressões de grupos divergentes dentro do partido no momento em que se prepara para entrevistar as finalistas de uma lista de mulheres para um passo muito importante de sua campanha à Casa Branca: escolher sua vice de chapa.

Biden, que se comprometeu a escolher uma mulher para o posto que ocupou durante oito anos sob o comando do presidente Obama, disse nesta semana que espera que o processo de verificação de antecedentes esteja concluído perto do dia 24 de julho. Depois desta data, ele entrevistará cada finalista para tomar uma decisão, esperada para o início de agosto.

A escolha da candidata a vice-presidente adquiriu uma importância desproporcional neste ano, refletindo o desespero para derrotar o presidente republicano Donald Trump que existe entre os democratas, que tentam descobrir qual nome dará a Biden maior peso na eleição de 3 de novembro.

Biden lidera em pesquisas de opinião nacionais e nos estados decisivos: há eleitores que estão culpando Trump pela maneira como lida com a pandemia de coronavírus, pela recessão econômica subsequente e pelas relações raciais, questão levantada durante os dias seguintes à morte do norte-americano George Floyd .

Aumenta a pressão na escolha de Biden o fato de que ele estará com 78 anos na posse de janeiro, o que faria dele o presidente norte-americano mais velho da história e coloca sua vice como concorrente precoce à corrida de 2024 caso ele só cumpra um mandato.

Entre as mulheres mais cogitadas estão as senadoras Kamala Harris, Elizabeth Warren e Tammy Duckworth; as deputadas Val Demings e Karen Bass; a ex-conselheira de Segurança Nacional Susan Rice; a governadora do Novo México, Michelle Lujan Grisham, e a prefeita de Atlanta, Keisha Lance Bottoms, de acordo com entrevistas com autoridades democratas.

Kamala Harris, que sempre ocupou uma posição de destaque dentro do partido como favorita, se consolidou ainda mais desde que desistiu da corrida presidencial, especialmente entre os grandes doadores, que influenciam Biden e tendem a ser mais de centro.

A maior dúvida que Biden encara é se deveria escolher uma mulher negra na esteira dos protestos nacionais contra a injustiça racial desencadeados pela morte do afro-norte-americano George Floyd, causada por um policial branco de Mineápolis – há cinco delas na lista final.

Itália proíbe voos do Brasil e limita entrada de seus cidadãos

 personAndré Abreu
access_time10/07/2020 - 11:23

"O Ministério da Saúde italiano determinou nesta quinta-feira (9) a proibição de entrada no país europeu de pessoas que estiveram no Brasil e em outros 12 países que ainda não controlaram a pandemia do coronavírus.

Para justificar a medida, o ministro Roberto Speranza afirmou que "não pode deixar que os sacrifícios feitos pelos italianos dos últimos meses sejam em vão".

A restrição vale para viajantes que tenham passado pelo Brasil ou por Armênia, Bahrein, Bangladesh, Bósnia-Herzegovina, Chile, Kuwait, Macedônia do Norte, Moldávia, Omã, Panamá, Peru e República Dominicana nos 15 dias anteriores à viagem para a Itália.

Os voos entre Brasil e Itália, diretos ou indiretos, também estão proibidos.

Cidadãos italianos continuam entrando no país, mas precisam comprovar residência na Itália. A medida limita a entrada de brasileiros com o passaporte italiano, mas sem residência na Itália.

Pesquisa coloca Biden à frente de Trump

 personAndré Abreu
access_time24/06/2020 - 08:46

O candidato democrata Joseph R. Biden Jr. assumiu liderança considerável sobre o presidente Trump na corrida presidencial de 2020, construindo uma grande vantagem entre mulheres e eleitores não-brancos e fazendo avanços profundos com alguns grupos tradicionalmente republicanos que se afastaram de Trump após sua resposta fraca à pandemia de coronavírus, de acordo com uma nova pesquisa nacional de eleitores registrados pelo The New York Times e Siena College (faculdde dos EUA).

Atualmente, Biden está à frente de Trump em 14 pontos percentuais, obtendo 50% dos votos em comparação com 36% de Trump. Essa é uma das manifestações mais sombrias da presidência de Trump e um sinal de que ele é o claro oprimido no momento em sua luta por um segundo mandato.

SpaceX está em órbita

 personAndré Abreu
access_time30/05/2020 - 17:13

O lançamento da SpaceX aconteceu na tarde deste sábado.

Trata-se do primeiro voo espacial a partir do território dos Estados Unidos da América desde 2011 - ano que marcou o final das missões do programa Space Shuttle.

A SpaceX leva dois astronautas em direção à Estação Especial em uma viagem de 19 horas.

O voo que levaria Bob Behnken e Doug Hurley partiu da Flórida sob condições de tempo favoráveis. A viagem deveria ter acontecido durante na quarta-feira (27), mas foi adiada para este sábado.

Os astronautas viajam no módulo Dragon, que é acoplado ao foguete Falcon 9.

Biden recebe apoio da maior central sindical dos EUA

 personAndré Abreu
access_time27/05/2020 - 08:30

A maior central sindical dos Estados Unidos, declarou nesta terça-feira apoio ao democrata Joe Biden na corrida presidencial, prometendo esforços para bater atual presidente Donald Trump nas eleições do próximo dia 3 de novembro.

O ex-vice-presidente e democrata Biden busca reconquistar o apoio da classe operária norte-americana e que votou em Trump em 2016, particularmente em estados disputados como Michigan, Wisconsin e Pensilvânia.

A central sindical AFL-CIO com seus mais de 12 milhões de membros em 55 sindicatos é uma aliada tradicional dos democratas A central apoiou a candidatura de Hillary Clinton à Casa Branca em 2016.

Segundo comunicado oficial da central, o conselho votou e aprovou o apoio a Biden nas eleições.

A Central procura agora reverter a tendência dos operários votarem a favor de Trump nas próximas eleições.

Trump fecha os EUA para passageiros que chegam do Brasil

 personAndré Abreu
access_time25/05/2020 - 10:23

O presidente Donald Trump assinou uma proclamação suspendendo a entrada nos Estados Unidos de qualquer estrangeiro ou brasileiro que tenha estado no Brasil no período de até 14 dias antes da tentativa de entrada nos EUA em razão ao aumento contínuo da taxa de infecções da COVID-19 no Brasil.

A medida não se aplica a cidadãos norte-americanos ou residentes permanentes legais.

Esta medida não restringe voos do Brasil para os EUA e entra em vigor às 00h59 (horário de Brasília) em 29 de maio de 2020 [23h59 horário de verão da costa leste dos EUA em 28 de maio de 2020], mas não se aplica a pessoas a bordo de voos programados para chegar nos EUA que tenham partido antes das às 00h59 (horário de Brasília) em 29 de maio de 2020 [23h59 horário de verão da costa leste dos EUA em 28 de maio de 2020].

A medida não restringe a capacidade de cidadãos norte-americanos, residentes permanentes legais ou indivíduos que se enquadrem em alguma das exceções listadas de viajar para os EUA. Os cidadãos norte-americanos ou residentes permanentes legais retornando aos EUA que precisem de informações relacionadas à saúde devem entrar em contato com os Departamentos de Segurança Interna e Serviços Humanos e de Saúde.

Trump determinou que as viagens irrestritas de brasileiros ou quaisquer estrangeiros vindo do Brasil, devido o potencial de transmissão não detectada do vírus por indivíduos infectados podem contribuir para o aumento dos casos da COVID-19 nos EUA.

O Brasil implementou restrições semelhantes à entrada de estrangeiros, inclusive dos EUA, em 30 de março, e as prorrogou por duas vezes desde então. As restrições que continuam em vigor são medidas de saúde pública para reduzir o potencial de transmissão do vírus.

Cenário incerto para os democratas

 personAndré Abreu
access_time24/05/2020 - 10:42

O cenário atual se revela incerto para os democratas. Não há uma campanha eleitoral em desenvolvimento. Os democratas não tem uma plataforma que seja audível em tempos de coronavírus. Os grandes veículos de comunicação dos EUA estão cobrindo a questão da saúde nos hospitais e nos asilos, as mortes no país e ainda que haja críticas fortes contra a condução do país pelo presidente Trump não há espaço para abrir um debate político entre os dois partidos.
Sem comícios, sem discursos em grandes eventos e sem ter o nome estampado nas capas dos jornais o espaço do partido democrata vem se reduzindo.
Biden tem sido criticado por uma frase em que diz que eleitores negros que estão pensando em votar em Trump não são negros.

Em tempos de guerra, a tradição norte-americana é reeleger o ocupante da Casa Branca. A insegurança da batalha contra o coronavírus pode levar a uma reeleição fácil de Trump. Aliado a isso, a incapacidade de se fazer uma campanha eleitoral e de se mobilizar eleitores para os democratas pode enfraquecer ainda mais o ex-vice-presidente de Obama.

Vacina norte-americana precisa ainda apresentar mais dados técnicos

 personAndré Abreu
access_time20/05/2020 - 08:41

Dados de testes em pequena escala e em estágio inicial para uma vacina experimental para a Covid-19 da Moderna não garantiram dados críticos necessários para que sua eficácia seja avaliada, reportou o veículo Stat News, focado em Saúde, nesta terça-feira citando especialistas.

A reportagem da publicação derrubou as ações da empresa de biotecnologia baseada em Cambridge, no estado norte-americano de Massachusetts, e levou a uma queda nos ganhos da bolsa de valores norte-americana.

A empresa Moderna anunciou na véspera que seu estudo da vacina contra o coronavírus, a primeira vacina que será testada nos Estados Unidos, mostrou anticorpos protetores em um pequeno grupo de voluntários saudáveis.

A notícia, embora baseada em dados iniciais de apenas oito pessoas e sem a intenção de avaliar a eficácia da vacina, alavancou as ações da Moderna em 20% na segunda-feira. A Moderna anunciou depois uma venda de ações que poderia arrecadar mais de 1,5 bilhão de dólares.

O Stat News cita que especialistas na área da saúde disseram que o estudo desta possível vacina norte-americana não ofereceu dados suficientes em seu comunicado à imprensa para que seja possível uma avaliação técnica que responda questões cruciais.

Convenção democrata adiada

 personAndré Abreu
access_time13/05/2020 - 07:45

A direção do Partido Democrata está realizando consultas entre os membros do partido para fazer uma convenção com menor número de participantes e em apenas um dia. A convenção é o principal evento eleitoral para os democratas quando seus candidatos a presidente e vice são lançados em campanha em todo o país.
O evento tem tradição de durar por uma semana e ter participantes de todos os estados reunindo líderes partidários de todas as grandezas.

A convenção ocorreria em julho na cidade de Milawkee no estado de Wisconsin.
Mas deve ficar para agosto com um formato que vai ter uma forte participação online.

Este é o efeito do coronavírus no sistema eleitoral norte-americano, que também teve as primárias de cinco estados adiadas para junho e julho resultando numa pressão maior para adiar a convenção nacional. Os estados são Kentucky, Louisiana, Nova York, Nova Jersey e Delaware.
Em termos de nomes o partido está definido em torno da candidatura de Joe Biden, ex-vice-presidente dos EUA durante os oito anos do mandato de Barack Obama.

Eleições nos EUA: É Biden contra Trump

 personAndré Abreu
access_time09/04/2020 - 05:31

Não foi uma decisão tomada pelos eleitores em todos os estados dos EUA. Mas desde o início das primárias ficou claro para o eleitor norte-americano que manter a candidatura de Bernie Sanders com discursos a favor de um socialismo no American way of life, ou seja, no modo norte-americano de viver, seria difícil.
E assim o foi, Bernie ganhou fôlego em alguns momentos da campanha, visibilidade, mas tinha uma agenda difícil de cumprir num país que se distingue por ser o berço do capitalismo, ainda que com grandes imperfeições.
No contexto da pandemia atual, com primárias sendo transferidas para junho, sem possiblidade de aparecer em qualquer plataforma nacional, Sanders escolheu o caminho difícil para ele e seus apoiadores, até triste para todos eles. Saiu da disputa.
Biden, político de larga experiência, no legislativo e no executivo como vice-presidente de Obama por oito anos, ocupa agora o papel central do Partido Democrata com um compromisso assumido de escolher uma mulher para o posto de vice.
A campanha à Casa Branca está definida. É Biden contra o atual presidente Trump!

Diálogo possível entre rivais políticos: Trump e Biden

 personAndré Abreu
access_time02/04/2020 - 11:05

A equipe de assesssores de Joe Biden está preparando um telefonema para o presidente Trump.
Em tempos de crise,, rivais políticos nos EUA, democratas e republicanos, deixam suas bandeiras de lado e se aliam.
Ocorreu assim durante a recuperação do furacão Katrina.
Bush, pai, e Bill Clinton saíram em campanha de fundos para reerguer Nova Orleans.
Agora, o momento de combate ao coronavírus abre a possibilidade inédita de uma linha direta entre o possível rival de Trump, Joe Biden, e o presidente norte-americano.
A iniciativa mostra que os líderes estão trabalhando acima dos interesses políticos partidários e de interesses pessoais.

Mais uma primária transferida nos EUA

 personAndré Abreu
access_time25/03/2020 - 22:09

Não, não há clima para debater política partidária nos EUA. Nem possiblidade de se cuidar de eleições.
Muito menos primárias. A Pensilvânia é mais um estado a transferir suas primárias democratas.
Do final de abril para junho, foi a decisão que os legisladores do estado acabaram de tomar.
O governador democrata do estado já concordou em assinar a medida, aprovada pelas duas casas legislativas do estado.
Agora eu creio que só falta uma decisão do Sanders. Para fortalecer mais o partido, o senador deveria sair do páreo.
É o mais lógico a fazer no atual contexto.

Primárias democratas transferidas para junho; Sanders reavalia candidatura

 personAndré Abreu
access_time24/03/2020 - 07:16

O calendário das primára.ias do Partido Democrata está sendo adiado. As últimas primárias aconteceram na semana passada.
A força de Joe Biden foi revelada nas urnas.
O ex-vice-presidente está à frente no número de delegados, tem nome forte entre os eleitores democratas e disponta como favorito. Por tudo isto, o senador Sanders reavalia se deve continuar fazendo campanha. Sem contar o fator coronavírus.

Enquanto isso, cada estado com primárias agendadas em março ou abril adia para junho.
Connecticut, Indiana, Maryland e Ohio farão em 2 de junho, A Geórgia adia para maio.
Kentucky e Louisiana para o final de junho.

Com a maioria das primárias adiadas, a única questão que fica no ar é quanto tempo Sanders vai ficar na disputa.
Tanto Biden quanto Sanders vivem um período de incertezas na campanha. Em tempos de crise nacional, qualquer crítica ao presidente Trump vai precisar estar bem fundamentada, pois o risco de que o eleitor norte-americano a interprete como oportunismo político pode facilitar a reeleilçao do atual ocupante da Casa Branca.

Biden ataca reação de Trump ao coronavírus

 personAndré Abreu
access_time13/03/2020 - 07:11

WILMINGTON, Estados Unidos (Reuters) - Joe Biden, o pré-candidato presidencial democrata que lidera as pesquisas nos Estados Unidos, criticou duramente a reação do presidente republicano Donald Trump ao surto de coronavírus nesta quinta-feira, acusando-o de ter um "relacionamento antagonístico com a verdade" e de ignorar conselhos científicos.

"Infelizmente, este vírus desnudou as limitações graves do governo atual", disse Biden em um discurso de 20 minutos em seu Estado natal de Delaware.

O discurso vespertino do ex-vice-presidente ocorreu pouco menos de 16 horas depois de Trump fazer seu próprio pronunciamento na Casa Branca, e visou dar aos norte-americanos um vislumbre de como ele lidaria com uma crise internacional como presidente.

Na noite de quarta-feira, Trump anunciou uma proibição de viagens de 30 dias da Europa continental aos EUA e prometeu medidas de estímulo econômico, prometendo conter a pandemia.

Mas os mercados financeiros globais já combalidos voltaram a despencar nesta quinta-feira. Os índices de ações dos EUA recuaram 7% no pregão da tarde, confirmando que Wall Street está em tendência de queda.

Biden assumiu o controle da batalha com o senador Bernie Sanders, do Vermont, pela indicação democrata depois de vencer ao menos quatro das seis primárias estaduais de terça-feira.

Sanders planejava fazer seu próprio discurso na noite desta quinta-feira para abordar o surto de coronavírus.

Em uma crítica áspera à reação do governo, Biden atacou Trump pelas ações que adotou e ao mesmo tempo o culpou por não fazer mais para enfrentar a crise cada vez maior.

Observando que Trump chamou a doença de "vírus estrangeiro" na quarta-feira, Biden alertou para a "xenofobia" e disse que o coronavírus "não discrimina com base em origem nacional, raça, gênero ou código postal".

"Proibir todas as viagens da Europa ou qualquer outra parte do mundo pode desacelerá-lo, mas, como vimos, não o deterá."

Biden também delineou seu próprio plano para lidar com o surto, o que incluiria licenças emergenciais pagas para trabalhadores e exames de diagnóstico gratuitos e amplamente disponíveis.

Em resposta, a campanha de reeleição de Trump defendeu as ações do presidente e acusou Biden em um comunicado de tentar "capitalizar politicamente e atiçar os temores dos cidadãos".

(Por Trevor Hunnicutt e John Whitesides em Washington; reportagem adicional de Steve Holland, Susan Heavey e Jason Lange)