Notícias em destaque

  Falência da Carbonífera Criciúma está decretada

commentJornalismo access_time10/12/2019 09:45

Decisão da Justiça pode tornar ainda mais distante o sonho de ex-colaboradores receberem seus créditos

Início da última rodada da primeira fase da Champions

commentEsporte access_time10/12/2019 14:00

Destaque desta terça-feira (10) fica por conta de Inter de Milão e Barcelona

Andrew continua no Criciúma

commentCriciúma EC access_time10/12/2019 07:30

O jogador possui contrato até o fim de dezembro de 2020

A CNH nos EUA

access_time22/01/2019 - 12:33

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) tem validade em todo território nacional, mas, além disso, tem sido aceita nos Estados Unidos. Em Massachusetts a CNH sempre facilitou na hora de se abrir um seguro obrigatório para carros. Na Flórida, a CNH tem força de lei, enquanto a Permissão Internacional não é obrigatória.

A Permissão Internacional deve ser acompanhada da CNH em qualquer país que você visitar. Se você declarar que mora no país que estiver visitando a autoridade de trânsito exigirá a carteira daquele país ou daquele estado (as carteiras de habilitação nos EUA são estaduais).

Segundo o site do Detran de Santa Catarina, a PID (Permissão Internacional para Dirigir) é uma “cópia” da CNH, com a validade máxima de três anos da data de sua emissão ou até a data de validade da CNH, o que ocorrer primeiro.

Para requerer o documento, o interessado deve comparecer à Ciretran com jurisdição sobre o município de seu domicílio ou residência, preencher o formulário do RENACH e apresentar cópia de sua CNH (que deve estar dentro do prazo de validade) e de comprovante de residência. O órgão de trânsito vai gerar a guia para o pagamento da taxa de expedição da PID.

(Envie comentários sobre essa matéria para abreuandre25@yahoo.com.br.)


Primeira-ministra do Reino Unido fixa data oficial do Brexit

 personAndré Abreu
access_time11/11/2017 - 23:35

Pelo tom da primeira ministra britânica, Theresa May, na sexta-feira (10), em um artigo no The Daily Telegraph (jornal britânico), ”, as ligações do Reino Unido com a União Europeia estão com os dias contados. May declarou que não tolerará nenhuma tentativa de bloquear "o desejo democrático do povo britânico tentando atrasar ou deter o Brexit. Seguindo a linha, o Governo apresentou na noite de quinta-feira (9) uma emenda à lei principal de saída da UE, que será debatida no Parlamento na próxima semana,

A emenda afirma que o Reino Unido abandonará o bloco em 29 de março às 2019, ao término do prazo de dois anos estabelecido no artigo 50 do Tratado de Lisboa.

O Governo de May está forçando os deputados mais europeístas a expressarem clara e publicamente sua possível oposição à saída da UE na data estabelecida.

A primeira ministra alerta, no artigo publicado no Telegraph, os políticos contra a tentação de utilizar a tramitação da lei para adiar o processo de saída. É um desafio direto a deputados conservadores rebeldes, que estariam planejando se juntarem à oposição, durante a tramitação da lei, para tentar forçar um voto vinculante no Parlamento sobre o acordo final a ser feito com a UE.

A estratégia política da primeira-ministra Theresa May busca reafirmar sua própria autoridade, após ter sido obrigada a trocar dois ministros de seu Gabinete em somente uma semana.

Catalunha: uma lição para "O Sul é Meu País"

 personAndré Abreu
access_time08/11/2017 - 09:26

A tentativa de independência da Catalunha, então região autônoma da Espanha, provou que um movimento de independência precisa estar preparado para lidar com os contratempos. Mesmo com o referendo legal do ponto de vista do Parlamento da Catalunha, e tomando ainda por base a lei internacional que não proíbe a declaração de independência, o movimento falhou ao não prever a movimentação judiciária da Espanha, que desde o primeoiro momento lutou para preservar a unidade do país.
Com povo, língua e região distintos da Espanha, a Catalunha tinha em teoria tudo para dar certo em seu movimento de separação. Entretanto, não houve o apoio internacional necessário, vindo de dentro da ONU e da União Europeia, e por outro lado, sem um confronto militar entre a Espanha e a Catalunha a divisão do território espanhol se torna impossível. O custo seria alto. Muitas vidas seriam perdidas num confronto que poderia levar semanas a meses, mas com a Catalunha seria esmagada internamente.
Por outro lado, o apoio ao movimento pelas autoridades oficiais, como o Presidente da Catalunha, Carles Puigdemont e seus ministros, mostrou que o poder central pode levá-los à Justiça como traidores: uns estão presos, outros estão em Bruxelas, considerados fugitivos.
Aplicando-se em comparação ao movimento "O Sul é Meu País". é fácil ver os caminhos difíceis para a independência dos três estados do Sul. Brasília aceitaria? Resistiríamos a confrontos com o poder central?

Atirador mata 26 pessoas em Igreja Batista no Texas

 personAndré Abreu
access_time05/11/2017 - 23:11

Um atirador, usando roupas pretas e um colete a prova de balas, abriu fogo com um rifle fora de uma pequena igreja Batista na pequena cidade rural de Sutherland Springs. O atirou continuou a atirar dentro da igreja neste domingo, matando, pelo menos, 26 pessoas.

O governador do Texas, Greg Abbott, confirmou o número de mortos, que veio aumentando durante o dia. Entre os mortos, uma mulher grávida e crianças. O número de feridos chega a 20, de acordo com informações prestradas pela polícia.

Depois de fugir da igreja, o atirador foi encontrado morto em seu carro, após uma batida, atingido por um tiro.

Boston e Nova York com diferença de 3 horas do horário de Brasília

 personAndré Abreu
access_time04/11/2017 - 23:19

Com o fim do horario de verão nos Estados Unidos neste fim de semana a diferença entre o horário de Brasília e o horário da Costa Leste passa a ser de 3 horas. Assim, 7h da manhã no Brasil, 4h na região de Boston e em Nova York (assim como em toda Costa Leste).
Em grande parte do ano a diferença é de apenas 1 hora.

Banco Federal dos EUA tem novo presidente

 personAndré Abreu
access_time03/11/2017 - 21:52

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, escolhe Jerome Powell para a presidência do Fed, o Banco Federal do país. Ouça no boletim abaixo.

Após atentado Trump propõe o fim da loteria do Green Card

 personAndré Abreu
access_time01/11/2017 - 16:25

O presidente Trump propôs nesta tarde que o Congresso cancele o Programa de Diversidade por Sorteio, comumente chamado de Loteria do Green Card. O terrorista, que matou oito pessoas e feriu outras onze ao dirigir sobre uma ciclovia na cidade de Nova York, é do Uzbequistão e entrou no país através do programa de loteria.
Trump também propôs que Sayfullo Saipov, 29 anos, fique preso em Guantánamo. Em suas declarações o atual ocupante da Casa Branca chamou o terrorista de "animal" e criticou o sistema judicial dos Estados Unidos, pois precisa ser rápido e forte.

Nova York: "Ato de terror" resulta em morte de 8 pessoas

 personAndré Abreu
access_time31/10/2017 - 22:48

Um homem de 29 anos, dirigindo uma caminhonete alugada atropelou pessoas que estavam em uma ciclovia nesta terça-feira em Manhattan. As autoridades classificam o incidente como "atentado terrorista". Oito pessoas foram mortas e várias ficaram feridas antes que a polícia atirasse no suspeito, que foi detido logo em seguida.

Por volta das 3 horas da tarde, um homem dirigindo uma caminhonete alugada entrou em uma ciclovia em Manhattan, atropelando ciclistas e pedestres. O motorista colidiu com um ônibus, ferindo dois adultos e duas crianças.

Ao sair do veículo com duas pistolas ele foi atingido com um tiro no abdômen. Feriddo, ele foi levado em custódia pela polícia. Mais tarde foram encontradas uma espinguarda de pressão e uma arma de paintball na cena do crime.

Reino Unido não reconhece independência da Catalunha

 personAndré Abreu
access_time27/10/2017 - 23:07

O porta-voz da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, declarou oficialmente que o Reino Unido não reconhece e não reconhecerá a declaração unilateral de independência da Catalunha.
Segundo o porta-voz, a declaração de independência está fundamentada em um voto declarado ilegal pelas cortes da Espanha. O Reino Unido anseia pela unidade da Espanha e pelo respeito à Constituição do país.
Enquanto isso a situação fica tensa com a destituição da autonomia da Catalunha, medida adotada pelo Senado e que deverá encontrar forte oposição do Parlamento da Catalunha e de seus líderes políticos.
As medidas de retomada do poder por Madri apontam para o fim do atual governo da região da Catalunha e na realização de novas eleições regionais.

Jornal britânico tenta explicar por que Temer continua no poder

 personAndré Abreu
access_time17/10/2017 - 23:25

"Acusado de corrupção e com popularidade perto de zero" afirma o texto de Don Philllips no The Guardian. Nele, Phillips escreve que a democracia brasileira está ameaçada pela simpatia popular ao autoritarismo. Temer é pincelado como o presidente mais impopular na história política recente. A popularidade do presidente atual é comparada com a popularidade de Lula em torno de 80% em 2010 e de Dilma antes do impeachment, na faixa dos 10%.
A popularidade de Temer está abaixo de três por cento, entre os jovens cai para zero.
Acusado formalmente por corrupção, formação de quadrilha e obstrução de justiça, o atual presidente encontra seu refúgio no mercado financeiro, simpático a ele pelas medidas de austeridade, reforma da previdência e o teto de gastos públicos, declara o texto.
Para o britânico Guardian, Temer deve se livrar das últimas denúncias no Congresso.
Entre outros personagens da nossa política nacional, o ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa, ganha destaque por sua crítica à política nacional ("nosso país está refém de políticos inescrupulosos"), enquanto Janot é destacado pela denúncia contra Lula e Dilma.
O PMDB é mencionado por ser a sigla que abriga Temer e mais seis líderes partidários envolvidos com formação de quadrilha.
O original em inglês pode ser lido aqui: https://www.theguardian.com/world/2017/oct/17/accused-of-graft-popularity-near-zero-so-why-is-brazils-president-still-in-office.

Trump: um Bush reinventado

 personAndré Abreu
access_time16/10/2017 - 16:48

Desde que assumiu o poder a administração do governo Trump joga diplomaticamente muito parecido com o governo Bush. Isolacionismo, quebra de tratados internacionais, impopularidade são alguns dos fatores que podem ser numerados. Comparado com o pai, George H. Bush, que invadiu o Iraque sem derrubar Saddan Hussein, o Bush filho governou o Texas cortando verbas da educação e assumiu a Casa Branca depois de dois mandatos do Democrata Bill Clinton.
Clinton saiu da presidência, criou sua Fundação e saiu dando palestras pelo mundo. Ressurgiu em 2016 como cabo eleitoral da sua esposa, Hillary Clinton.
Depois de dois mandatos, o Democrata Obama seguiu os passos de Clinton, montou suia Fundação e esteve no Brasil e na Argentina há cerca de 10 dias em sua nova missão proselitista.
Como Bush, por outro lado, o atual presidente Trump enfrenta a oposição de Hollywood e do New York Times e do que lá se chama a mídia liberal (não conservadora, mas o liberal aqui nada tem a ver com economia),
Em um discurso histórico Bush chamou a Coreia do Norte de eixo do mal, enquanto Trump tem um tweet novo a cada instante contra Kim Jong-Un.
Chamado de impopular, odiado por Hollywood e com a mídia liberal batendo forte, Bush foi reeleito.
Trump acredita fortemente que, se o mercado financeiro continuar em alta e os números de geração de empregos da economia norte-americana continuarem positivos, continuará na Presidência sem ser vítima de impeachment e acredita também que, assim como o impopular Bush, a quem imita, foi reeleito,, ele também o será . Talvez por isso não tenha medo de falar o que queira para os repórteres nas coletivas de imprensa e twitar sem medo de ser criticado. Kim Jong-Un que se cuide com as postagens de Mr. Trump!

ONU: EUA e Israel fora da UNESCO

 personAndré Abreu
access_time12/10/2017 - 18:57

Desde 2011 as relações entre a organização que tem sob sua chancela a educação e cultura no mundo dentro do sistema ONU, se azedaram com a entrada da Palestina no órgão.
Os EUA inicialmente pararam de contribuir financeiramente para a UNESCO e hoje decidiram sair.
O motivo alegado está o tratamento dado a Israel dentro da estrutura da UNESCO.
Com o governo Trump em sintonia com Israel, os EUA adotaram a medida drástica com fortes repercussões internacionais.

Brexit: impasse se estabelece em negociações com o Reino Unido

 personAndré Abreu
access_time12/10/2017 - 10:00

A negociação para a saída do Reino Unido da União Europeia vive momentos de impasse.
O representante da UE, Michel Barnier, declarou esta tarde em coletiva de imprensa junto com o Secretário do Reino Unido para o Brexit, David Davis, que não está havendo progresso para que as negociações de saída fluam. Com o impasse, no próximo encontro entre os líderes da União Europeia, o negociador da UE recomendará que não se procedam as conversas sobre comércio para a saída do Reino Unido. da União Europeia.
Por outro lado, Michel Barnier, que é francês, sugeriu que o progresso deve ser alcançado perto do final do ano.
A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, tem se posicionado para que o Reino Unido procure a todo custo não acertar as negociações. May se tornou a cara do Brexit para os britânicos, mas suas indecisões na condução do processo têm custado muito para o Partido Conservador, que perdeu espaço nas últimas eleições parlamentares.

Catalunha: milhares protestam contra independência da região

 personAndré Abreu
access_time08/10/2017 - 10:19

Milhares de pessoas foram às ruas de Barcelona, capital da Catalunha, neste domingo protestar contra a futura declaração de independência da Catalunha. Analistas políicos internacionais acreditam que a declaração deva sair nesta semana.

O desejo de separação da Catalunha da Espanha é bem semelhante ao do movimento separatista "O Sul é o Meu País". Em ambos os casos a Constituição de cada país garante a indivisibilidade de cada nação. Mas há duas diferenças fundamentais: o povo catalão constitui um povo com língua e cultura próprias e o plebiscito na Cataluha foi autorizado por um órgão oficial: o parlamento da Catalunha. A luta foi para a Justiça e o plebiscito promovido pelo parlamento foi declarado ilegal. A Catalunha manteve o plebiscito e a partir dos resultados quer forçar a separação.

A Catalunha espera algum endosso da União Europeia, mas esse não se materializa. O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, pode adotar medidas extremas nos próximos dias: destituir o atual governo da Catalunha, convocar novas eleições e retirar o status autônomo da região.

E qual o papel das Nações Unidas? As Nações Unidas se pronunciam através da sua Comissão de Direitos Humanos, defendendo o direito da realização do plebiscito e condenando o uso exagerado da força policial por parte da Espanha. A Comissão requisitou que a Espanha faça uma investigação imparcial e que o governo da Espanha aceite sem demora os pedidos de visita de peritos em direitos humanos da ONU.

Namorada do atirador de Las Vegas dá as primeiras declarações

 personAndré Abreu
access_time04/10/2017 - 23:12

“Ele nunca disse nada para mim, ou fez algo que eu soubesse que fosse um aviso que algo horrível como isto ia acontecer. Eu o amava e esperava por um futuro calmo junto com ele." Essas foram as principais palavras da declaração da namorada do atirador, Marilou Danley, lidas por seu advogado Matthew Lombard no dia de hoje (4).

No ano passado, Paddock, investidor do ramo imobiliário e ex-agente do Departamento da Receita Federal dos EUA, tinha usado seus recursos financeiros para o ataque ocorrido no fim de semana, enquanto mantinha sua paixão por jogos nos cassinos.

Durante os últimos 12 meses, Paddock comprou 33 armas, a maioria fuzis, gastando milhares de dólares, segundo uma fonte policial mencionada pelo Washington Post.

A busca por informações que levem ao motivo do ataque continua sendo o objetivo do FBI, que está recebendo pistas sobre as últimas pessoas com quem o atirador manteve contato nos últimos dias. A partir disso, deve-se tentar estabelecer alguma conexão que ligue os fatos.

FBI investiga namorada do atirador

 personAndré Abreu
access_time04/10/2017 - 16:13

O Federal Bureau of Investigation, FBI, equivalente à Polícia Federal nos EUA, investiga a namorada do atirador, Marilou Danley em busca de motivos que levaram ao masacre em Las Vegas. Antes de ocorrer o massacre, o atirador Stephen Paddock enviou 100 mil dólares para as Filipinas, de onde chegou na noite passada a sua namorada. Danley não é ainda listada como suspeita, mas como "pessoa de interesse" para a condução da investigação.
Na sua chegada Marilou Danley foi escoltada em uma cadeira de rodas por agentes federais. A rede de TV CBS divulgou as imagens: http://www.azfamily.com/clip/13785876/marilou-danley-returns.
Mas até o momento os sites dos maiores jornais dos EUA e dos jornais locais da região de Las Vegas não trouxeram novas informações sobre declarações da namorada para as autoridades policiais.